1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Série de eventos "Deutsch 3.0", do Instituto Goethe, debate futuro da língua alemã
Série de eventos "Deutsch 3.0", do Instituto Goethe, debate futuro da língua alemãFoto: Goethe-Institut/Bernhard Ludewig

Goethe debate futuro da língua alemã em meio à globalização e novas mídias

Vera Freitag (ca)
3 de fevereiro de 2014

Série de eventos quer descobrir os desafios que o alemão tem pela frente e como a globalização, as novas tecnologias e também a ciência influenciam a língua.

https://www.dw.com/pt-br/goethe-debate-futuro-da-l%C3%ADngua-alem%C3%A3-em-meio-%C3%A0-globaliza%C3%A7%C3%A3o-e-novas-m%C3%ADdias/a-17399016

O secretário-geral do Instituto Goethe, Johannes Ebert, não teria motivos para se preocupar. Afinal, após anos de estagnação, é grande o interesse pela língua alemã, e são longas as listas de entusiastas e interessados no aprendizado da língua dentro e fora da Alemanha. "No momento, temos quase 250 mil alunos", comenta.

Segundo Ebert, o interesse aumentou principalmente na Espanha e na Grécia, porque muitos dos jovens europeus esperam encontrar na Alemanha uma perspectiva profissional melhor do que em seus países de origem, atualmente abalados por crises econômicas e de endividamento.

Entre os estrangeiros, portanto, estudar alemão está na moda. Mas como está a situação entre os falantes nativos? Qual o grau de satisfação deles com a língua materna e a sua evolução? Um grupo de pesquisa do Instituto da Língua Alemã (centro de estudos da língua situado em Mannheim) constatou que quase 80% dos alemães acham que é preciso fazer mais pela língua alemã.

"A Alemanha está mais multicultural, e nossa língua está mudando", assinalou Ebert durante um recente debate com literatos e linguistas sobre as mudanças na língua alemã. Foi o primeiro de uma série de eventos que o Instituto Goethe está dedicando ao tema, intitulados Deutsch 3.0 (ou Alemão 3.0).

Influências de todos os lados

Os organizadores, entre eles também a Editora Duden e o Instituto da Língua Alemã, planejaram 25 eventos em toda a Alemanha e no exterior. Quatro temas estão em destaque: digitalização, globalização, economia e língua e alemão como língua científica. Os organizadores querem descobrir que desafios a língua alemã tem pela frente nessas áreas. Mas já agora eles concordam: há muitas forças que atuam sobre ela, modificando-a.

Deutschland Goethe-Institut in Berlin Veranstaltung Deutsch 3.0 Debatten über Sprache und ihre Zukunft
Segundo Johannes Ebert (e), do Instituto Goethe, "é grande o interesse pela língua alemã"Foto: Goethe-Institut/Bernhard Ludewig

Isso também inclui o uso das novas mídias. "Facebook, SMS e Twitter modificam a nossa forma de comunicar", destaca Ebert. Algo semelhante acontece com a globalização. Num ambiente cada vez mais internacionalizado, o ser humano está rodeado por cada vez mais línguas – e cada vez mais palavras estrangeiras penetram no nosso linguajar cotidiano.

Na área científica, os especialistas constatam que a ciência é feita cada vez menos em alemão. "Os resultados de pesquisas são cada vez mais registrados em inglês e os congressos científicos são realizados em inglês", sublinha Norbert Lammert, presidente do Bundestag, a câmara baixa do Parlamento alemão, patrono dos eventos do Instituto Goethe.

Mas muitos especialistas não veem problema nas mudanças por que passa o alemão. "As línguas sempre mudaram", sublinha o professor Ludwig Eichinger, diretor do Instituto da Língua Alemã.

Quanto ao medo de que a língua alemã venha a sofrer sob a influência das mídias sociais, ele diz: "Não são somente jovens rebeldes que participam da comunicação eletrônica, mas também professores mais velhos, como eu."

Segundo Eichinger, em algum momento um consenso sobre o uso da língua vai se estabelecer nessas novas forma de comunicação, e este certamente influenciará também a língua cotidiana.