1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Aeronaves em porta-aviões americano
Aeronaves em porta-aviões americano: gastos militares dos EUA superam de longe o de outros paísesFoto: picture-alliance/dpa/M. Murat

Gastos com defesa no mundo têm maior salto em uma década

14 de fevereiro de 2020

Enquanto aumenta a percepção de ameaças, EUA e China puxam alta global nos gastos militares em 2019, sendo que Washington investiu quase quatro vezes mais que Pequim no setor. Brasil se mantém na 11ª posição no ranking.

https://www.dw.com/pt-br/gastos-com-defesa-no-mundo-t%C3%AAm-maior-salto-em-uma-d%C3%A9cada/a-52384687

Em 2019, os gastos globais com defesa deram o maior salto registrado em uma década, aumentando 4% em relação ao ano anterior, segundo um levantamento realizado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, na sigla em inglês) divulgados nesta sexta-feira (14/02). Ao todo, os gastos globais somaram 1,73 trilhão de dólares.

"Os gastos aumentaram enquanto as economias se recuperam dos efeitos da crise financeira, mas também foram motivados pelas acentuadas percepções de ameaças", diz o chefe do IISS, John Chipman, durante o lançamento do relatório anual na Conferência de Segurança de Munique

Tanto os Estados Unidos quanto a China aumentaram seus gastos em 6,6%, segundo o estudo anual. No ano passado, os americanos investiram quatro vezes mais em compras de armamentos e pesquisa e desenvolvimento armamentício do que a soma de todos os países europeus. 

Washington destinou 684,6 bilhões de dólares a seu orçamento para a defesa, com 275 bilhões dedicados à aquisição de armas e investimentos de defesa. Essa última soma supera, por si só, os gastos totais com defesa da China (185,1 bilhões de dólares).

O programa chinês de modernização militar – que inclui o desenvolvimento de novos mísseis hipersônicos de difícil detecção – gera preocupações em Washington e contribui para os aumentos dos gastos americanos, avalia o IISS. Apesar do menor orçamento em relação aos EUA, a entidade avalia os investimentos chineses como "impressionantes por sua escala, velocidade e ambição".

Em outubro do ano passado, a China exibiu suas novas tecnologias militares, incluindo o míssil supersônico DF-17, projetado para transportar ogivas em velocidades que não permitem que seja interceptado.

A Rússia, que também iniciou um processo de modernização de seu arsenal, anunciou a entrada em serviço de seu próprio míssil hipersônico, O orçamento militar do país, que aparece em quarto lugar no ranking de investimentos com a defesa, é quase dez vezes menor do que o americano. Em testes, o sistema batizado de Avangard atingiu a velocidade de Mach 27, ou seja, 33 mil quilômetros por hora, segundo Moscou.

China exibe míssil hipersônico DF-17 durante parada militar em Pequim
China exibe míssil hipersônico DF-17 durante parada militar em PequimFoto: Reuters/J. Lee

Os mísseis hipersônicos preocupam as autoridades ocidentais por serem tão rápidos e manobráveis que tornam praticamente inúteis sistemas de defesa e não permitem quase nenhum alerta de ataque iminente. Um oficial da Otan ressaltou recentemente que não seria possível sequer saber o alvo do ataque "até que haja um 'boom' no solo".

Outra demonstração das dimensões do orçamento militar nos EUA é o fato de que apenas o aumento dos gastos do país com a defesa entre 2018 e 2019 (53,4 bilhões de dólares) quase se iguala ao total dos investimentos registrados no Reino Unido.

A Europa aumentou seus gastos em 4,2%, mas esse salto apenas recupera a lacuna deixada a partir de 2008, quando os orçamentos foram cortados em meio à crise financeira global.

Simulação mostra lançamento do míssil hipersônico russo Avangard a partir do espaço
Simulação mostra lançamento do míssil hipersônico russo Avangard a partir do espaçoFoto: picture-alliance/AP/RU-RTR

O estudo do IISS destacou ainda que os EUA diminuíram a ajuda financeira aos orçamentos de seus aliados. O aumento nos gastos europeus com a defesa pode significar uma resposta às reclamações do presidente americano, Donald Trump, de que os países membros da Otan na Europa – especialmente a Alemanha– estariam contribuindo com menos do que deveriam para a aliança militar do Atlântico Norte.

Segundo o IISS, os 15 países que mais investiram em defesa em 2019 seguem sendo os mesmos do ano anterior, apenas com a Itália (12º) trocando de posição com a Austrália (13º). Após EUA e China, aparecem no topo do ranking Arábia Saudita, Rússia, Índia, Reino Unido, França, Japão, Alemanha e Coreia do Sul.

O Brasil se manteve na 11ª posição do ranking, com 27,5 bilhões de dólares gastos. A diferença, porém, é que 80% do orçamento brasileiro é destinado aos gastos com pessoal, que também inclui pensões e aposentadorias. Os investimentos militares continuam em um patamar baixo no país.

RC/afp/dw/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter