Fundador do WikiLeaks continua preso em Londres | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.12.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fundador do WikiLeaks continua preso em Londres

Julian Assange, fundador do portal de divulgação de documentos WikiLeaks, deveria ser libertado após pagar fiança em Londres. Recurso da Promotoria Pública da Suécia, onde é acusado de estupro, evitou sua libertação.

default

Assange revida acusações de estupro

O fundador do WikiLeaks, portal que divulgou, entre outras coisas, telegramas diplomáticos norte-americanos, deveria ser liberado nesta terça-feira (14/12) em Londres. Um tribunal da capital britânica decidiu libertá-lo após o pagamento de uma fiança de 200 mil libras (cerca de 240 mil euros).

O juiz deu então um prazo de duas horas para que os queixosos, no caso a Promotoria Pública da Suécia, entrassem com recurso. E foi justamente isso o que aconteceu.

Após a divulgação dos documentos secretos da diplomacia norte-americana, Assange foi preso em Londres na semana passada. O australiano de 39 anos está sendo procurado na Suécia, onde é acusado de ter estuprado duas mulheres. Assange revidou as acusações, alegando que se tratava apenas de intriga.

O juiz Howard Riddle marcou uma nova audiência com Assange para o próximo dia 11 de janeiro. Com o recurso, a Promotoria Pública da Suécia quis evitar que ele fique solto até a audiência.

Nas próximas 48 horas, a Justiça britânica deverá decidir se Julian Assange será libertado ou não após o pagamento da fiança.

CA/dpa/afp/rtr
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais