Frankfurt e Nova York se unem na maior bolsa de valores do mundo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Frankfurt e Nova York se unem na maior bolsa de valores do mundo

Com isso, surge a maior plataforma de negociações de ações e derivativos do mundo, com um volume anual de negócios superior a 20 trilhões de dólares e operações em diversos países.

default

Novo conglomerado terá sua sede na Holanda

Sociedades operadoras das bolsas de Frankfurt e de Nova York aprovaram nesta terça-feira (15/02) seus planos de fusão anunciados recentemente. Com isso, surge a maior plataforma de negociações de ações e derivativos do mundo, com um volume anual de negócios superior a 20 trilhões de dólares e operações na Alemanha, França, Reino Unido, Holanda, Portugal, Bélgica e Estados Unidos.

Dossierbild Börse in Frankfurt 3

Deutsche Börse possui maior valor de mercado

Os acionistas da alemã Deutsche Börse, que possui maior valor de mercado, deterão uma porção majoritária de 60%. Além disso, os alemães ocuparão dez dos 17 postos do conselho administrativo, que será presidido pelo atual chefe de Deutsche Börse, Reto Francioni. Já a presidência geral do grupo será ocupada por Duncan Niederauer, da NYSE Euronext.

Segundo o acordo, cada ação da Deutsche Börse será trocada por uma ação da nova companhia, enquanto cada ação da NYSE Euronext será trocada por 0,47 ação.

Por motivos políticos, o novo conglomerado terá sua sede legal na Holanda, bem como escritórios em Frankfurt e Nova York. Um dos últimos obstáculos permanece a escolha do nome da futura entidade, já que representantes políticos estadunidenses insistem que Nova York devesse ser mantido como símbolo do capitalismo norte-americano.

A fusão deverá ser completada no final de 2011, após obter a aprovação dos acionistas e das autoridades anticartel de ambos os países. Há rumores, no entanto, de que a Chicago Mercantil Exchange Group poderia interromper a fusão ao avançar com uma oferta hostil pela NYSE Euronext.

RR/rtr/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais