1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Não há como se perder na Frísia OrientalFoto: picture-alliance/dpa

Cidades & Roteiros

Bruno Taitson
12 de junho de 2010

A região, localizada no noroeste da Alemanha, próxima à fronteira com a Holanda, oferece opções econômicas de turismo rural, paisagens magníficas e contato direto com a natureza.

https://www.dw.com/pt-br/fr%C3%ADsia-oriental-onde-o-c%C3%A9u-%C3%A9-mais-amplo/a-2122878

Já imaginou fazer um passeio de bicicleta ou uma cavalgada pelas planícies verdes do Norte da Alemanha, em meio a fazendas e moinhos de vento? Esta é uma entre as muitas opções de lazer disponíveis na região da Frísia Oriental, no estado da Baixa Saxônia.

Cercada, de um lado, pela fronteira com a Holanda e, do outro, pelo Mar do Norte, a região é uma ótima pedida para os amantes da natureza, que buscam férias combinando tranqüilidade, belas paisagens e custos relativamente baixos.

As opções de acomodação são variadas, oferecendo diferentes níveis de conforto e preços. Mas para quem procura calma, ar fresco e céu aberto na Frísia Oriental, a melhor alternativa é o turismo rural.

Ordenha turística

Ostfriesland Kühe Windmühlen Foto Bruno Taitson
Calma ruminanteFoto: Bruno Taitson

Muitas fazendas e ranchos, localizados próximos a pequenas vilas ao redor dos municípios de Emden, Aurich ou Ihlow, oferecem hospedagem a preços baixos para os padrões alemães, além da opção de se integrar ao dia-a-dia local, observando ou até mesmo auxiliando na ordenha das vacas e na colheita.

Os preços de hospedagem variam, mas é possível encontrar acomodações a partir de 15 euros com café da manhã, em quarto individual, ou meia-pensão (desjejum e mais uma refeição) por cerca de 25 euros. As refeições, geralmente fartas, são feitas na cozinha da fazenda, e os hóspedes muitas vezes dividem a mesa com a família dos proprietários.

Uma vez instalado, uma dica é sair pela região de bicicleta ou a cavalo – a maior parte dos estabelecimentos oferece aluguel dos dois meios de transporte. A paisagem é incrivelmente plana e aberta, o que dá a impressão de um céu muito mais amplo do que em qualquer outro lugar.

Do you speak plattdeutsch?

Ostfriesland Windmühle Hinte Mühle Foto Bruno Taitson
Moinho à la Van Gogh, em HinteFoto: Bruno Taitson

O verde das planícies da Frísia Oriental também chama a atenção, e as dezenas de vacas holandesas que caminham calmamente pelos pastos compõem uma paisagem idílica.

O silêncio é apenas interrompido pelo motor de alguns tratores, o mugido das vacas e o som dos moinhos de vento, daqueles feitos de madeira, comuns nas telas de Vincent van Gogh. A maioria contudo, já foi substituída por modelos modernos, que produzem energia com mínimo impacto ambiental.

Ostfriesland Kirche Friedhof Foto: Bruno Taitson
Igreja e cemitério típicos da regiãoFoto: Bruno Taitson

Na Frísia Oriental existem mais de três mil quilômetros de trilhas, que podem ser utilizadas por ciclistas, pedestres e, muitas vezes, também cavaleiros e amazonas. Ficar perdido é quase impossível, já que a sinalização é precisa e freqüente, melhor até mesmo que na maioria das áreas urbanas brasileiras.

Ainda assim, caso o viajante se perca, não há motivo para se preocupar. A gentil população fará de tudo para ajudá-lo a encontrar o caminho de volta – seja em plattdeutsch, o dialeto da região, seja em inglês, que as novas gerações costumam dominar.

Arco-íris sem igual

O turista também poderá se deparar com impressionantes arco-íris, daqueles vistos somente em cartões postais. Devido à proximidade do Mar do Norte e ao relevo plano, os ventos costumam ser fortes, provocando chuvas refrescantes e curtas, que vão e vêm rapidamente, fazendo com que o fenômeno natural se forme freqüentemente e em cores vivas.

Como não há prédios ou montanhas, normalmente é possível ver as duas pontas do arco-íris, um espetáculo raro em zonas mais acidentadas.

"A torre mais torta do mundo"

Ostfriesland Schiefster Turm Suurhausen Kirche Friedhof Foto: Bruno Taitson
Torre de Suurhusen: mais inclinada do que a de PisaFoto: Bruno Taitson

Para completar o roteiro, é interessante visitar também alguns vilarejos frísios. As comunidades costumam abarcar algumas dezenas de casas de tijolo aparente – estilo de construção predominante na região –, uma igreja do mesmo material e um pequeno cemitério, que conta normalmente com túmulos de soldados e civis mortos nas diversas guerras de que a Alemanha participou.

Vale destacar a velha igreja do povoado de Suurhusen, localizado no município de Hinte, construída em 1450 e cuja torre já afundou mais de dois metros por causa do terreno arenoso da região.

Segundo os habitantes locais, trata-se da torre mais torta do mundo, superando mesmo o ângulo de inclinação da famosa torre de Pisa. Atualmente, depois de algumas reformas, o afundamento está sob controle, e especialistas garantem que não há risco de desabamento.