Fome zero mundial fica no papel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.10.2003
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Fome zero mundial fica no papel

No Dia Mundial da Alimentação, políticos e ativistas alemães alertam sobre a urgência de um comércio justo.

África só exporta 13% de sua produção agrícola

África só exporta 13% de sua produção agrícola

A meta das Nações Unidas é reduzir pela metade o número de vítimas da fome até 2015. No entanto, a ONU não dispõe de nenhum plano conseqüente de combate à pobreza. No Dia Mundial da Alimentação (16/10), ativistas e representantes do governo alemão alertaram que a comunidade internacional está longe de atingir a meta traçada na cúpula mundial de alimentação de 1996.

A pobreza e a fome assolam sobretudo áreas rurais do hemisfério sul desprovidas de uma estrutura agrária estável. Em alguns países chega a faltar qualquer base de subsistência; em outros, menos pobres, os agricultores não têm a quem vender seus produtos.

Miséria em números – Para 2,5 bilhões de pessoas, a agricultura é a principal fonte de subsistência. Os países em desenvolvimento representam 80% da população mundial, mas apenas 30% das exportações

Hunger in Angola Kind

Fome em Angola

internacionais. As consequências disso, traduzidas em números, são as seguintes: diariamente morrem de fome cerca de 25 mil pessoas em todo o mundo, entre as quais 16 mil crianças.

Neste Dia Mundial da Alimentação, a ministra alemã da Agricultura, Renate Künast, lembrou da meta acertada no ano passado, durante a cúpula de desenvolvimento de Monterey. Ela definiu um prazo para a Alemanha cumprir o compromisso assumido: "Apesar da difícil situação econômica e da necessidade de conter despesas, as verbas de cooperação ao desenvolvimento não serão cortadas. O que foi acertado em Monterey, ou seja, a meta de destinar pelo menos 0,33% do PIB à cooperação de desenvolvimento deverá ser atingida até 2006 e superada em 2007."

Descompasso global – No entanto, a principal contribuição que se espera dos países desenvolvidos continua sendo uma política agrícola mundial igualitária, que facilite o ingresso de produtos do hemisfério sul nos mercados no norte. Quanto a isso, as perspectivas não são muito promissoras. Há apenas algumas semanas, o encontro da Organização Mundial de Comércio (OMC) em Cancún, no México, terminou sem qualquer consenso sobre duas questões fundamentais para o combate à fome: a diminuição das subvenções agrícolas no hemisfério norte e a abertura de seus mercados aos produtos vindos do sul.

A ministra Renate Künast exigiu que os países desenvolvidos contribuam para um comércio
WTO Ministerkonferenz in Cancun

Conferência de Cancún fracassa

mundial igualitário. A política do Partido Verde ressaltou que a aquisição de produtos fair trade representa um apoio direto aos produtores dos países em desenvolvimento.

Café alemão – Ela se referiu a anomalias do comércio internacional, lembrando – por exemplo – que a Alemanha é o maior exportador de café do mundo, pois os grãos importados são torrados no país. Enquanto isso, no hemisfério sul, os trabalhadores rurais continuariam ganhando salários de fome: 25 centavos de dólar por quilo de café, sendo que o preço de mercado no fair trade seria 1,25 dólar.

Organizações alemãs acusaram os países em desenvolvimento de não terem feito nenhuma proposta aceitável em Cancún, recusando-se a negociar seus princípios de subvenção agrícola. A presidente da Ação Agrária Alemã, Ingeborg Schäuble, apoiou os países em desenvolvimento em sua denúncia contra o protecionismo e a desigualdade na concorrência internacional.

Desigualdade regional – Por outro lado, Schäuble desafiou os países em desenvolvimento a cumprir os compromissos assumidos diante da comunidade internacional. Isso incluiria a realização de reformas agrárias, a concessão de maiores empréstimos a mulheres e pequenos agricultores e uma maior integração das camadas mais pobres no processo democrático. Algumas das mudanças urgentes poderiam ser iniciadas nas relações comerciais regionais, sugeriu Schäuble, lembrando que a cota de exportação agrícola da África se reduz a apenas 13% de sua produção.

Leia mais