Flexibilização do bloqueio a Gaza ainda não é suficiente, diz UE | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Flexibilização do bloqueio a Gaza ainda não é suficiente, diz UE

Sob pressão internacional após o ataque à frota humanitária em maio último, Israel anuncia que vai flexibilizar o bloqueio a Gaza. Informações do gabinete de Benjamin Netanyahu são, no entanto, vagas e descompromissadas.

default

Alimentos enviados pela ONU diante do muro na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza

Após a crescente pressão da comunidade internacional, Israel decidiu flexibilizar o bloqueio à Faixa de Gaza. Nesta quinta-feira (17/06), o governo israelense anunciou que vai ampliar a lista de itens com entrada permitida na região palestina.

Entre as mercadorias a serem liberadas estão materiais de construção, item de primeira necessidade na região. No entanto, eles só poderão ser usados em projetos civis e sob inspeção internacional. O Hamas criticou o anúncio israelense como sendo superficial e exigiu o levantamento total do bloqueio.

As informações fornecidas pelo gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, continuaram bastante vagas e descompromissadas. O gabinete de Netanyahu deixou claro, todavia, que o bloqueio marítimo não será abolido. Na resolução, Israel informou que "manterá as atuais medidas de segurança para impedir a entrada de armas e material bélico".

Túneis de contrabando

Até o momento, segundo a Cruz Vermelha Internacional, Israel permite a entrada de apenas cerca de 80 itens. Antes do bloqueio à Faixa de Gaza, 4 mil produtos diversos poderiam ser fornecidos.

Estima-se que 90% do abastecimento da população civil palestina com bens de primeira necessidade seja feito através dos chamados túneis de contrabando, localizados entre a Faixa de Gaza e o Egito.

Após a ação militar de Israel contra uma flotilha que levava bens de ajuda humanitária para Faixa de Gaza, que resultou na morte de nove ativistas turcos em maio último, o bloqueio à região palestina, que já existe há três anos, voltou ao centro das atenções da comunidade internacional.

A Turquia exige um pedido de desculpas por parte de Israel, o pagamento de indenizações, uma investigação internacional do ataque à frota e libertação de três cidadãos turcos detidos na operação do dia 31 de maio.

Segundo declarações de um diplomata turco à agência France Press, as relações com Israel serão arrefecidas caso Tel Aviv não atenda a todas as exigências.

Fischerboote im Hafen von Gaza-Stadt

Bloqueio impede palestinos de pescar fora do porto de Gaza

Reconstrução da Faixa de Gaza

Para a União Europeia (UE), a anunciada flexibilização do bloqueio a Gaza ainda não é suficiente. Catherine Ashton, alta representante da UE para Política Externa, declarou nesta quinta-feira em Bruxelas que "uma quantidade bem maior de mercadorias deve chegar a Gaza, para que as pessoas possam novamente levar uma vida normal". Além disso, os postos de controle devem ser abertos, acresceu.

Ashton salientou que a UE exige que a lista de bens permitidos seja substituída por uma lista de itens proibidos limitada a armas e material bélico. O motivo é que os morosos processos de liberação para os poucos itens cuja entrada é permitida dificultam o abastecimento da população palestina.

Papel proibido

Atualmente, milhares de produtos, entre eles, bens de uso cotidiano, como papel higiênico, são considerados um risco para a segurança pelo governo israelense e, por esse motivo, sua entrada é proibida na Faixa de Gaza. Canos metálicos, por exemplo, também não são permitidos, já que poderiam ser usados para a construção de foguetes, afirma Israel.

A resolução anunciada por Tel Aviv nesta quinta-feira se baseia em negociações entre Tony Blair, enviado especial do Quarteto do Oriente Médio (EUA, Rússia, ONU e União Européia) e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Segundo a mídia israelense, a nova lista de bens proibidos englobaria 120 produtos e materiais.

CA/afp/dw/apn

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais