1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
USA Rechtsanwalt Michael Cohen in Washington
O advogado de Trump, Michael Cohen.Foto: Reuters/J. Ernst

FBI faz buscas no escritório de advogado de Trump

9 de abril de 2018

Agentes apreendem documentos relacionados com pagamento pelo silêncio de atriz pornográfica Stormy Daniels, que disse ter feito sexo com o presidente em 2006.

https://p.dw.com/p/2vkR4

O FBI, a polícia federal dos EUA, realizou nesta segunda-feira (09/04) uma operação no escritório de Michael Cohen, advogado pessoal do presidente Donald Trump, relatou o jornal New York Times.

Cohen está no centro de uma controvérsia que envolve pagamento para a estrela pornô Stormy Daniels, que afirmou ter feito sexo com Trump em 2006. O dinheiro foi enviado pouco antes das eleições de 2016 em troca do silêncio da atriz.

Stephen Ryan, advogado de Cohen, confirmou a operação do FBI e disse que alguns documentos e registros foram apreendidos. Segundo o NYT, alguns dos documentos estão relacionados ao escândalo envolvendo o pagamento de 130 mil dólares à atriz pornográfica, mas outros registros não parecem ter ligação com o caso.

Os agentes foram ao local após obterem um mandado de busca após uma recomendação do promotor especial Robert Mueller, responsável pela investigação sobre a suposta interferência da Rússia nas eleições de 2016 e as possíveis ligações da campanha de Trump com o Kremlin.

Segundo o NYT, a ação de hoje não parece estar diretamente relacionada à investigação de Mueller, mas parece ter sido resultado de alguma descoberta que ele fez na condução do seu caso e que foi entregue ao FBI.

Após a operação, o advogado de Cohen classificou a ação como "completamente inadequada e desnecessária", dizendo que vários registros apreendidos incluem comunicação privilegiada entre Cohen e seus clientes.

Escândalo

No mês passado, em entrevista ao programa 60 Minutes, Daniels, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, disse que foi ameaçada, e por isso manteve silêncio sobre um alegado encontro sexual que teria mantido com Trump em 2006.

Ela também contou que, em 2011, um homem não identificado se aproximou dela num estacionamento em Las Vegas, dizendo para que ela ficasse quieta sobre a relação com Trump se não quisesse ter problemas no futuro.

Na ocasião, ela estava com sua filha. "Deixe Trump em paz. Esqueça a história", teria dito o homem. Em seguida, olhou para a filha da atriz, sentada no banco traseiro do carro, e continuou a ameaça: "É uma menina linda. Seria uma pena se algo ocorresse com a mãe dela."

Segundo ela, o medo a levou a assinar um acordo de confidencialidade de 130 mil dólares sobre seu romance com Trump, perto do fim da campanha presidencial de 2016.

"Eu estava preocupada com a nossa segurança", explicou. Durante a entrevista, Daniels detalhou que a única vez que fez sexo com Trump, quando ele tinha 60 anos e ela 27, foi de maneira consentida e sem proteção. Na ocasião, ele a teria comparado com sua filha, Ivanka.

O acordo foi pago e assinado por Cohen, advogado de Trump. Na semana passada, quando perguntando sobre o caso, Trump disse que não sabia de nenhum pagamento para a atriz. "Vocês terão que perguntar a Michael Cohen. Michael é meu advogado", disse Trump.

JPS/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado

Conteúdo relacionado