1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Celular com o símbolo de "curtir" na tela. Ao fundo, o logo da Meta.
Investigação não encontrou evidências suficientes para estabelecer se eles seguiam ordens ou se agiam de forma independenteFoto: CHRIS DELMAS/AFP

Facebook remove perfis ligados a militares por desinformação

8 de abril de 2022

Em relatório, Meta, empresa dona da rede social, diz que foram excluídos 14 perfis falsos e nove páginas do Facebook, bem como 39 contas do Instagram, por espalharem fake news sobre o desmatamento na Amazônia.

https://p.dw.com/p/49dmm

A Meta, proprietária do Facebook e do Instagram, disse nesta quinta-feira (07/04) que removeu uma rede de perfis falsos ligados a  militares brasileiros que promoviam a desinformação sobre questões ambientais, como o desmatamento da Amazônia.

A empresa afirmou, em seu relatório do primeiro trimestre, que removeu 14 perfis falsos e nove páginas do Facebook, bem como 39 contas do Instagram.

De acordo com o relatório, os perfis e páginas se faziam passar por organizações não governamentais (ONGs) e ativistas interessados em preservar a maior floresta tropical do mundo.

Algumas das informações publicadas nestas contas, por exemplo, afirmavam que "nem todo desmatamento é prejudicial". Além disso, os posts criticavam ONGs ambientais que lidam com o desflorestamento na Amazônia, diz o documento.

Segundo o Facebook, as investigações internas da empresa revelaram que pessoas ligadas a militares brasileiros estavam por trás destas contas. As identidades, porém, não foram reveladas. 

"Embora os indivíduos por detrás das contas tentassem esconder identidades e coordenação, a nossa investigação encontrou ligações a indivíduos associados ao Exército brasileiro", consta no relatório.

Apesar de os envolvidos na rede serem militares da ativa, a investigação não encontrou evidências suficientes para estabelecer se eles seguiam ordens ou agiam de forma independente, disse uma fonte à agência de notícias Reuters.

Golpe para Bolsonaro

O relatório trimestral da Meta é mais um golpe para o presidente Jair Bolsonaro, que por várias vezes minimizou as queimadas e o desmatamento na Amazônia e a atuação de ONGs ambientais no país. O presidente enviou forças armadas para a Amazônia em missões malsucedidas para reduzir a destruição da maior floresta tropical do mundo.

A remoção dos perfis pode aumentar os ataques de Bolsonaro a grandes empresas de tecnologia, que ele acusa de sufocarem vozes conservadoras em suas plataformas.

Críticos dizem que Bolsonaro e seus apoiadores usam as redes sociais para espalhar desinformação perigosa, minando as instituições democráticas brasileiras.

Mudança de foco

Em seu relatório, a Meta disse que a rede usou contas falsas no Facebook e no Instagram para postar, inicialmente, sobre a reforma agrária e a pandemia de covid-19, em 2020. Depois, mudou o foco para questões ambientais no ano passado.

"Em 2021, eles criaram páginas que se apresentavam como ONGs e ativistas fictícios focados em questões ambientais na região da Amazônia", diz o relatório.

O Exército brasileiro afirmou em comunicado que estava ciente das alegações da Meta e que entrou em contato com a empresa para obter acesso aos dados que sustentam as afirmações de envolvimento militar. O gabinete de Bolsonaro não respondeu a um pedido de comentário feito pela Reuters.

le (Lusa, Reuters)

 

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado