Facebook mantém suspensão de Trump | Notícias internacionais e análises | DW | 05.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Facebook mantém suspensão de Trump

Painel de especialistas diz que foi correta a decisão de proibir o ex-presidente de postar na mídia social, mas critica forma como ela foi tomada e encomenda nova revisão.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump

Trump perdeu plataforma política nas redes sociais

Um painel independente de jornalistas, juristas e ativistas designado pelo Facebook decidiu nesta quarta-feira (05/05) por manter a suspensão da conta do ex-presidente americano Donald Trump na rede social.

O painel, que delibera sobre as decisões de conteúdo da empresa, considerou que foi correta a decisão de proibir Trump de postardepois que ele usou a ferramenta para fomentar a invasão do Capitólio em janeiro. A invasão terminou com cinco mortes e foi considerada um grave atentado à democracia americana.

O risco contínuo de violência, afirmou o painel, "justificava" a suspensão.

A decisão torna difícil para Trump voltar às principais mídias sociais do mundo, que serviram de trampolim para ele montar uma base eleitoral, chegar à presidência e, uma vez na Casa Branca, manter a comunicação com seus adeptos, contornando a mídia tradicional.

Twitter e YouTube também baniram Trump em janeiro, sob o argumento de que o risco de dano e o potencial de violência que ele criou eram grandes demais para permitir que ele continuasse postando.

"Decisão certa, mas arbitrária"

Na decisão publicada nesta quarta-feira, o conselho ressaltou que "apoia" a suspensão das contas do ex-presidente porque suas publicações durante o ataque ao Capitólio "violaram gravemente as regras" de utilização da rede social, mas considerou que a sanção, por tempo indefinido, é arbitrária.

"Não é permitido que o Facebook mantenha um usuário fora da plataforma por um período indefinido, sem nenhum critério por quanto tempo ou se a conta será restaurada", disseram os especialistas. O painel disse que o Facebook "pode impor uma suspensão limitada de tempo ou a exclusão da conta".

"Em vez de aplicar uma das sanções estabelecidas por violações graves, o Facebook concebeu uma suspensão indefinida que não está incluída nas suas políticas de conteúdo (...) uma sanção arbitrária", detalhou o organismo independente.

Os 20 membros do conselho ainda lamentaram que o veto tenha ocorrido "sem critérios que possam ser examinados pelos utilizadores ou observadores externos" e, portanto, pediram à empresa que "reexamine" sua sanção e imponha outra em conformidade com os regulamentos internos da rede social.

Decisão terá que passar por revisão

Esta revisão deve ocorrer durante os próximos seis meses, e o Facebook comprometeu-se, desde o momento da criação do conselho em 2019, a cumprir todas suas resoluções.

Se o Facebook determinar que deve suspender o veto indefinido, Trump poderá voltar a utilizar suas contas no Facebook e no Instagram, embora no momento ainda esteja bloqueado na maioria das outras redes sociais, como Twitter e YouTube.

Mark Meadows, ex-chefe de gabinete de Trump, condenou a decisão da empresa que gere o Facebook. Para ele, a decisão tem um efeito negativo na liberdade de expressão. 

"É um dia triste para a América, é um dia triste para o Facebook", disse Meadows, em entrevista ao canal Fox News. 

O antigo conselheiro de Trump Jason Miller chegou a anunciar que o ex-presidente lançaria a sua própria plataforma digital, "com dezenas de milhões de seguidores", mas, no momento, existe apenas um "blog" associado a um site com algumas mensagens datadas de fevereiro deste ano.

Outras redes

Outras redes sociais tomaram medidas semelhantes às do Facebook, após a invasão do Capitólio, e mantiveram Trump sem o direito de postar. 

O YouTube anunciou que vai esperar até que "o risco de violência diminua", antes de permitir que o ex-presidente volte a colocar vídeos no seu canal. 

O Twitter – a rede social preferida de Trump, que tem quase 89 milhões de seguidores – suspendeu a conta do ex-presidente, de forma irrevogável. Mas Jack Dorsey, o fundador da rede social, lamentou não ter existido a possibilidade de "promover uma conversa saudável". 

rpr/ek (AP, Efe)