Facebook admite vazamento de dados de 87 milhões de usuários | Notícias internacionais e análises | DW | 04.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Facebook admite vazamento de dados de 87 milhões de usuários

Número é maior dos que os 50 milhões divulgados inicialmente. Dados foram acessados por consultoria britânica Cambridge Analytica e teriam sido usados para eleger Trump.

Vazamento de dados de usuários do Facebook é maior do que o estimado incialmente

Vazamento de dados de usuários do Facebook é maior do que o estimado incialmente

O Facebook admitiu nesta quarta-feira (04/04) que dados de 87 milhões de usuários da rede social foram acessados indevidamente pela consultoria britânica Cambridge Analytica. O número é muito maior do que os 50 milhões divulgados inicialmente.

"No total, acreditamos que informações de até 87 milhões de pessoas, a maioria dos Estados Unidos, podem ter sido compartilhadas inapropriadamente com a Cambridge Analytica", afirmou o diretor de tecnologia do Facebook, Mike Schroepfer.

Leia também: Exclua sua conta do Facebook

O diretor afirmou que o Facebook informará, a partir de 9 de abril, os usuários cujos dados tenham sido compartilhados com a Cambridge Analytica. Schroepfer detalhou ainda mudanças que a rede social adotará para restringir as informações acessadas por aplicativos na rede social. Os planos foram antecipados há duas semanas pelo fundador da empresa, Mark Zuckerberg.

O "feed de notícias" da rede social ganhará um link para mostrar os aplicativos que estão sendo utilizados e que tipo de informação eles têm acesso. Schroepfer afirmou que a plataforma restringirá os dados que podem ser acessados por aplicativos. As mudanças também afetarão o Instagram, comprado pelo Facebook em 2012.

A rede social desativou ainda a opção de buscar um usuário a partir do número de telefone ou do e-mail, um recurso utilizado de forma abusiva por "atores maliciosos", segundo a empresa. Os registros de ligações e textos do Facebook Messenger e do Lite também serão apagados se superarem um ano.

Informações divulgadas pelas imprensas americana e britânica em março revelaram que a Cambridge Analytica tinha acessado dados de 50 milhões de usuários do Facebook no desenvolvimento de técnicas para beneficiar a campanha eleitoral do presidente Donald Trump em 2016.

O escândalo transformou o Facebook em alvo de investigações de autoridades reguladoras e promotores públicos dos Estados Unidos. Políticos da Europa e dos EUA convocaram ainda Zuckerberg a se explicar.

Esclarecimentos ao Congresso americano

Dias depois, Zuckerberg admitiu que erros foram cometidos, anunciando uma revisão das práticas de proteção dos dados dos usuários e medidas para evitar que a situação se repita no futuro. O criador da rede social irá ao Congresso dos Estados Unidos no próximo dia 11 de abril para responder às perguntas dos legisladores sobre o uso e proteção dos dados dos usuários do Facebook.

Ele responderá às perguntas dos membros do Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes sobre o "uso e a proteção dos dados dos usuários da companhia", indicou o comitê em comunicado.

Neste momento, a rede social enfrenta pelo menos quatro processos coletivos de usuários e acionistas nos Estados Unidos por causa do vazamento de dados, bem como uma investigação da Comissão Federal de Comércio que pode render multas milionárias.

CN/efe/lusa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais