Fabricante da vacina Sputnik V ameaça processar Anvisa | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 29.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Fabricante da vacina Sputnik V ameaça processar Anvisa

De acordo com os desenvolvedores, a Anvisa fez "afirmações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina". República Tcheca também afirma que não recebeu documentação suficiente sobre vacina russa.

Doi frascos da Sputni V. Eles são transparentes e tem a tampa verde.

Na União Europeia, apenas a Hungria utiliza a Sputnik V

Os fabricantes da vacina russa contra a covid-19 Sputnik V ameaçaram, nesta quinta-feira (29/04), processar por difamação a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) "por espalhar informações falsas e imprecisas intencionalmente".

Na segunda-feira, a diretoria da Anvisa rejeitou, por unanimidade, pedidos de autorização da importação da vacina, por considerar que faltam dados técnicos para verificar a segurança e a eficácia do imunizante. Um dos argumentos foi o de que, em todos os lotes apresentados à Anvisa, foram detectados adenovírus capaz de se replicar.

Os desenvolvedores da Sputnik V também disseram que a "Anvisa fez declarações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina Sputnik V" e que desconsiderou um ofício informando que "apenas vetores não replicantes são usados" na fabricação do imunizante.

De acordo com os desenvolvedores, a Anvisa fez "afirmações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina" e está rejeitando a carta oficial do Centro Gamaleya, onde o imunizante foi criado, que afirma que não há adenovírus capaz de se replicar e que apenas vetores não replicantes são usados.

A publicação no Twitter se refere à declaração do gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da agência, Gustavo Mendes Lima Santos, à revista Superinteressante.

 "Esse adenovírus replicante foi detectado em todos os lotes apresentados da vacina Sputnik para a Anvisa. Todos os laudos de controle de qualidade que foram apresentados na documentação [a] que nós tivemos acesso, mostravam a presença desse vírus replicante”, disse ele à revista. 

O adenovírus deve ser utilizado apenas para carregar o material genético do coronavírus para as células humanas, para promover a resposta imune. No entanto, segunda a Anvisa, no caso da Sputnik V, ele mesmo se replica, o que, de acordo com a agência, poderia levar desde a infecções variadas até à exacerbação da resposta imunológica.

Na quarta-feira, os desenvolvedores da vacina russa já haviam rejeitado as críticas brasileiras, afirmando que carecem de embasamento científico. Eles argumentam que a decisão de não permitir a importação tem "natureza política".

República Tcheca também nega autorização

O órgão regulador da República Tcheca também afirmou nesta quinta-feira que não tinha a documentação necessária para avaliar completamente a vacina russa. Da mesma forma que com o Brasil, a Rússia afirma que a decisão tcheca também foi política.

O novo ministro da Saúde tcheco, Petr Arenberger, disse em 7 de abril que não iria se opor ao uso da Sputnik V como parte de um ensaio clínico.

No entanto, a chefe do Instituto Estadual de Controle de Drogas (SUKL), Irena Storova, afirmou à imprensa local que o órgão não recebeu documentação suficiente para fazer a avaliação da eficácia e segurança do imunizante.

"O que vimos é uma fração da documentação que deveria ser fornecida para o registro de uma vacina ou medicamento", disse ela.

A República Tcheca e a Rússia estão envolvidas em sua pior briga em décadas depois que Praga disse que os mesmos agentes russos acusados ​​de uma tentativa de envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido em 2018 também estariam por trás de explosões em um depósito de munições tcheco, em 2014.

Em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, relacionou o aparente revés para a vacina na República Tcheca à disputa por causa das explosões no depósito de armas.                                                                                                  

No entanto, mesmo antes da disputa sobre as explosões do depósito, a República Tcheca ainda não havia optado pelo uso da Sputnik por não ter a aprovação das autoridades da União Europeia (UE).

Na vizinha Eslováquia, onde uma discussão sobre a Sputnik V forçou o primeiro-ministro a renunciar, o órgão regulador também ainda não endossou a vacina, citando a falta de dados. Na UE, apenas a Hungria está utilizando o imunizante russo. 

le (lusa, efe, reuters, ots)