Exposição retrata papel das estradas de ferro alemãs no Holocausto | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.01.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Exposição retrata papel das estradas de ferro alemãs no Holocausto

"Trens especiais para a morte" é o nome da exposição que retrata o papel das estradas de ferro alemãs na deportação de milhões de judeus e ciganos da etnia sinti e roma para os campos de extermínio no Holocausto.

default

Após muita polêmica, exposição foi inaugurada em Berlim

Foi aberta nesta quarta-feira (23/01), na Estação Ferroviária Potsdamer Platz, em Berlim, a exposição Trens especiais para a morte. Em 40 painéis, ela procura relatar o papel da então companhia ferroviária alemã Reichsbahn na deportação de vítimas do Holocausto para os campos de extermínio nazistas.

Elaborada em cooperação com o Museu Alemão da Técnica e a Fundação Nova Sinagoga de Berlim – Centrum Judaicum, a exposição tem como iniciadora Beate Klarsfeld, pesquisadora franco-alemã do Holocausto. Ela organizou semelhante mostra em estações ferroviárias francesas, reportando a deportação de crianças do país.

Durante anos, Klarsfeld brigou com o chefe da companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn, Hartmut Mehdorn, para conseguir montar sua exposição, que seguirá para outras cidades alemãs, após Berlim.

Exposição polêmica

Deutschland Bahn NS-Zeit Jahrestag Ausstellung Auschwitz Serge und Beate Klarsfeld

Serge e Beate Klarsfeld na Potsdamer Platz

Segundo o chefe da Deutsche Bahn, o tema seria "sério demais" para ser tratado apressadamente. Somente a Mehrdorn caberia decidir sobre a forma de recordar os crimes da Reichsbahn.

A disputa entre Beate Klarsfeld e Hartmut Mehdorn só foi resolvida após a intervenção do ministro alemão dos Transportes, Wolfgang Tiefensee (SPD), em 2006.

Outro ponto polêmico de Trens especiais para a morte foi a escolha do seu local. Afinal, a exposição que lhe deu origem aconteceu sempre nas "maiores estações ferroviárias francesas", afirmou Klarsfeld na abertura da mostra na Estação Potsdamer Platz.

Apesar de ser bastante visitada e estar situada no centro da capital alemã, a Potsdamer Platz é apenas uma estação regional. A jornalista e editora Lea Rosh critica o fato de não se haver escolhido a Estação Central de Berlim para sediar a mostra.

Papel explícitado

Deutschland Bahn NS-Zeit Jahrestag Ausstellung Auschwitz

Mostra documenta transporte das vítimas

De qualquer forma, a abertura da exposição instalada em 200 metros quadrados nas instalações subterrâneas da Potsdamer Platz atraiu um grande número de visitantes. O chefe da Companhia Ferroviária Alemã não pôde estar presente, por se encontrar de viagem.

Além de fotos das vítimas, a mostra documenta o papel da Reichsbahn nas deportações para os campos de concentração.

Como afirma o semanário Die Zeit, tal papel pode ser entendido quando se lê, por exemplo, num dos painéis, a correspondência entre o ajudante pessoal de Heinrich Himmler, que comandava a SS, tropa de elite nazista, e o vice-chefe da Reichsbahn alemã, Albert Ganzenmüller.

"Recebi com grande prazer sua notícia de que, já há 14 dias, circula um trem diário com 5 mil membros do povo escolhido para Treblinka e, desta forma, estamos aptos a abarcar a tarefa do transporte populacional em tempo hábil", escrevia cinicamente Karl Wolff, ajudante de Himmler.

Trens especiais para a morte poderá ser visitada até 11 de fevereiro próximo, na estação ferroviária regional berlinense Potsdamer Platz. Em seguida, a exposição segue para as cidades de Halle, Münster e Schwerin. (ca)

Leia mais