1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Symbolfoto zur Telemedizin Ärztin in einer Praxis kommuniziert mit dem Patienten über eine Webcam
Foto: Imago/Jochen Tack

Existe um lado bom nas pandemias?

Leila Endruweit | Maurício Cancilieri
24 de junho de 2020

A história nos mostra que além de mortes e caos econômico, pandemias podem acelerar processos esperados há muito tempo e popularizar novos hábitos. O próximo Futurando mostra alguns exemplos.

https://www.dw.com/pt-br/existe-um-lado-bom-nas-pandemias/a-53923635

Se por um lado pandemias escancaram deficiências no modo de produção das sociedades e horrorizam pelo número de mortos, por outro, aceleram processos esperados há muito tempo. No caso da covid-19, exemplos seriam a digitalização do trabalho e a telemedicina, discutidas há anos e implementadas às pressas nesse momento de emergência. O próximo Futurando mostra as mudanças impulsionadas por outras pandemias ao longo da história.

E também pensando em avanços na área médica, pesquisadores alemães querem identificar os genes que exercem papel na perda ou no ganho de peso e entender como eles funcionam. No futuro, essas descobertas poderão ajudar pessoas com sobrepeso. Já se sabe que certos genes podem ajudar uma pessoa a pensar menos em comida e, consequentemente, se manter magra. Há também aqueles que interferem na saciedade, dando a impressão de que nunca se está satisfeito. E existem os que influenciam diretamente na queima de gordura.

Mas, enquanto uma terapia genética para perder peso ainda não é viável, o jeito é recorrer à receita tradicional: exercícios e alimentação saudável. Anna e Lara decidiram mudar o estilo de vida. Não muito tempo atrás, as duas estavam com sobrepeso e corriam risco de desenvolverem diabetes, pressão alta, insuficiência renal e até problemas mais graves, como AVC e infarto. Agora, as duas têm uma rotina de exercícios, que inclui treinos de cardio e musculação. Em um ano e meio, Lara já perdeu cerca de 18 quilos. Anna não imagina mais a vida sem atividades esportivas.

Nem todo mundo, porém, é como Anna e Lara e muita gente prefere recorrer a medicamentos que prometem queima de gordura sem esforço e de maneira rápida – e eles existem aos montes. O problema é que poucos, ou talvez nenhum, têm a eficácia comprovada e dão mesmo resultado. Será que isso mudará no futuro? Pesquisadores do Instituto Helmholtz, na Alemanha, conseguiram identificar um tratamento combinado com resultados surpreendentes, como você confere no Futurando.

Além de ajudar a perder peso, movimentar-se auxilia na digestão. Embora de extrema importância para o corpo humano, o funcionamento interno do intestino ainda é pouco conhecido. Mesmo com novas tecnologias, apenas recentemente partes dele puderam começar a ser estudadas. É no intestino que a maior parte dos nutrientes é absorvida e que vivem milhares de microrganismos, fundamentais para nossa digestão – 90% deles são bactérias. No próximo Futurando, acompanhe a jornada de Luise, uma pera, através do sistema digestivo do corpo humano e entenda como ele funciona.

As frutas são importantes para o nosso intestino pela quantidade de fibras. Uma das mais populares em todo mundo é a banana. A variedade selvagem conta com sementes duras e as utiliza na reprodução. No entanto, as bananas comestíveis, as que compramos no supermercado, por um acaso da natureza, há muito tempo sofreram uma mutação genética que as deixou mais saborosas, mas permanentemente estéreis. Como então elas se reproduzem? Elas são “clones” de seus antepassados, como explica o próximo programa.