Eventos e investidores estrangeiros ajudam Londres a enfrentar crise | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 07.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Eventos e investidores estrangeiros ajudam Londres a enfrentar crise

Alem da transferência de capital de países em crise, filmes, programas de TV e eventos de moda trazem dinheiro e publicidade para Londres. Heróis do cinema como Batman e James Bond já passaram pela capital britânica.

A City de Londres, distrito financeiro da capital britânica, está vivenciando dias difíceis. Segundo dados da consultoria imobiliária CB Richard Ellis, a taxa de imóveis vazios no mês de janeiro foi de 7%, o dobro em comparação com o mesmo período de 2007, na última crise no setor imobiliário. A movimentação neste mercado está agora nos aluguéis de escritórios vazios, ou até edifícios inteiros, para eventos e gravações de filmes.

Devido à crise financeira, os últimos meses de 2011 não foram nada bons para o Reino Unido: a economia encolheu. No setor imobiliário não é diferente, mas a venda de propriedades de alto padrão para estrangeiros e o aluguel de espaços para eventos e gravações de filmes movimenta agora o mercado imobiliário local.

Apesar da crise imobiliária, os preços dos imóveis em Londres continuam elevados e as vendas de propriedades mais caras, chamadas "super prime", continuam em alta. Isto porque a maioria dos compradores é composta por estrangeiros, principalmente da Grécia e da Itália.

De acordo com o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), metade das propriedades londrinas "super prime" avaliadas em mais de 1 milhão de libras (cerca de 2,8 milhões de reais) pertence a estrangeiros. "No último ano, 30% a mais de gregos e italianos compraram imóveis de luxo, avaliados entre 1 e 4 milhões de libras", disse o FAZ, citando um agente imobiliário londrino.

Eventos e telhados

London Eye

Em eventos importantes, pontos mais altos da cidade também são disputados

Até Hollywood tem ajudado os britânicos a enfrentar a crise financeira, transformando escritórios vazios em sets de filmagens, gerando dinheiro e publicidade para os proprietários que lutam para atrair inquilinos.

Um número crescente de imóveis londrinos está sendo utilizado não só como cenário de filmes, mas também para eventos de moda, programas de televisão ou aluguéis temporários para empresas como Amazon, eBay e Google. Até alguns telhados com vista panorâmica da cidade podem render algum dinheiro, principalmente em eventos como os Jogos Olímpicos ou as comemorações do 60 anos da coroação da rainha Elizabeth 2ª.

Os proprietários de edifícios com vista panorâmica nos últimos andares também lucram com estes eventos. O valor do aluguel, que normalmente é de 300 libras por hora, pode até dobrar em tais ocasiões.

Distrito financeiro nas telas

Nas proximidades do Bank of England, na principal área financeira da cidade, dois blocos de edifícios possuem o equivalente a 11 campos de futebol de área não alugada. Um deles é o conjunto comercial Cannon Place, que foi usado para a filmagem de um novo drama de espionagem produzido pela BBC.

O aluguel de um lugar como esse pode variar de 1.500 a 7.000 libras (média de 4 mil a 19 mil reais) por dia. "Nós escolhemos os eventos certos para manter o Cannon Place na memória do público, associando-o com marcas de qualidade", disse Mark Swetman diretor de projetos do local.

O outro edifício é o Walbrook. O último filme Johnny English, da famosa série de paródias de espionagem, foi gravado ali. O edifício ficou vazio por dois anos. A ideia de utilizar o prédio para outras finalidades conseguiu trazer novos negócios.

E não apenas os escritórios são usados como sets de filmagens, o novo filme de Batman, O cavaleiro das trevas ressurge, inclui uma cena no subúrbio londrino de Croydon, aproveitando a arquitetura dos anos 1960 como cenário para Gotham City. 

Já o filme 007 – Operação Skyfall, novo filme de James Bond, precisou procurar outro set para o seu filme. O prédio escolhido, o mais alto da Europa Ocidental com aproximadamente 309 metros, não abriu as suas portas.

Shard Tower in London

Prédio mais alto da Europa Ocidental não aceitou proposta de novo filme de James Bond

Outras possibilidades

Eventos de moda e conferências podem aumentar ainda mais os lucros. A Semana da Moda de Londres rendeu à imobiliária Land Securities mais de 10 mil libras ao instalar uma das maiores passarelas já vistas em Londres em um dos edifícios administrados pela empresa próximo da Catedral de St. Paul.

Empresas como a eBay também podem render. A criação de lojas temporárias, para ganhar a confiança dos clientes que não têm o costume de comprar online, é uma das fontes mais rápidas de novas receitas. Estas empresas geralmente ficam de uma semana a seis meses no local e a demanda é muito superior à oferta, disse Hughes-Webb, diretor do ESPAÇO-2 Consulting, à agencia Reuters.

Autora: Kamila Rutkosky
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais