Europa eleva tom contra Maduro | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 07.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Europa eleva tom contra Maduro

União Europeia diz que destituição de procuradora-geral deixa Venezuela mais distante da volta à ordem democrática. Governo britânico pressiona por ações urgentes para solucionar crise.

Maduro discursa após sublevação militar: cada vez mais isolado diplomaticamente

Maduro discursa após sublevação militar: cada vez mais isolado diplomaticamente

A União Europeia elevou o tom nesta segunda-feira (07/08) sobre a situação na Venezuela e condenou de forma dura a instalação da Assembleia Constituinte e a destituição da procuradora-geral Luisa Ortega Díaz.

A destituição de Ortega Díaz foi aprovada no sábado pela Assembleia Constituinte, organismo instalado pelo presidente Nicolás Maduro para mudar a Constituição. Simpatizante do chavismo, a jurista converteu-se recentemente em uma das principais críticas do governo.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que a eleição da Assembleia Constituinte, duramente criticada pela oposição, e a cassação de Ortega Díaz dificultam "a volta pacífica à ordem democrática”.

Essas medidas, afirma Mogherini em comunicado, "aumentaram a polarização de uma sociedade já dividida”. A UE pede a Maduro que libere todos os prisioneiros políticos e garanta o respeito aos direitos humanos e às leis do país.

"O governo da Venezuela tem a responsabilidade de garantir o respeito à Constituição venezuelana”, enfatizou. Ela reiterou que a UE "chama todos os atores na Venezuela a trabalharem para instalar a confiança necessária para uma solução negociada da crise institucional”.

A troca na comando do órgão é uma das primeiras decisões da Assembleia Constituinte. O posto de Ortega Díaz foi ocupado pelo titular da Defensoria Pública, Tarek William Saab, que terá poderes de emergência para reformar a Procuradoria-Geral.

No domingo, contudo, Ortega Díaz afirmou que continua sendo a procuradora-geral da Venezuela e que a sua destituição foi ordenada pelo Executivo à Assembleia Constituinte, órgão que chamou de "ilegítimo".

A França seguiu a crítica da UE na mesma linha e "deplorou” a destituição de Ortega Díaz, afirmando que a medida "não contribui para a pacificação” e a "reconciliação nacional indispensáveis para acabar com a atual crise”. O porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores da França acrescentou que Ortega Díaz encarnava "uma instituição fundamental para o Estado de Direito no país”.

O Reino Unido também endureceu a retórica, com o porta-voz da primeira-ministra britânica, Theresa May, pedindo que o governo venezuelano respeite a democracia e os direitos humanos.

"É uma tragédia que tantas pessoas tenham perdido suas vidas em protestos na Venezuela. É claro para nós que ações urgentes precisam ser tomadas para impedir que a situação se agrave”, disse o porta-voz de May a jornalistas.

Cerca de 120 pessoas morreram ao longo de quatro meses de protestos contra o governo na Venezuela. Uma sublevação militar no fim de semana – a primeira contra o governo Maduro – aumentou os temores de que a violência possa entrar em outro patamar.

Embora o governo Maduro esteja cada vez mais isolado diplomaticamente, a aplicação de sanções à Venezuela é um dilema para a comunidade internacional. O temor é de que retaliações econômicas, sobretudo por parte dos EUA, UE e vizinhos sul-americanos contribuiria apenas para agravar o drama da população, que já sofre com grave escassez de produtos básicos.

PJ/ap/efe/rtr

Leia mais