EUA proíbem concerto de orquestra alemã na fronteira com México | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 22.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

EUA proíbem concerto de orquestra alemã na fronteira com México

Orquestra Sinfônica de Dresden tem permissão negada para se apresentar em solo americano em protesto a muro proposto por Trump. Diretor musical afirma que concerto será mantido e realizado do lado mexicano da fronteira.

Cerca fronteiriça divide as cidades de San Diego, nos EUA, e Tijuana, no México

Cerca fronteiriça divide as cidades de San Diego, nos EUA, e Tijuana, no México

Autoridades dos Estados Unidos negaram à Orquestra Sinfônica de Dresden, na Alemanha, a permissão de realizar, no lado americano da fronteira com o México, um concerto em protesto à construção de um muro entre os dois países, proposta pelo presidente americano, Donald Trump.

O diretor musical da orquestra, Markus Rindt, disse que as autoridades locais citaram preocupações com a segurança e com a preservação de aves como razões para a decisão de impedir a apresentação. Com temática política, o concerto deveria ser realizado no Parque da Amizade, que atravessa a fronteira entre San Diego e Tijuana.

A apresentação está planejada para 3 de junho no local onde o presidente dos EUA, Donald Trump, planeja construir um muro fronteiriço, como um protesto contra a divisão, o extremismo e o nacionalismo mundo afora. O concerto será realizado agora no lado mexicano do parque, afirmou Rindt à agência de notícias alemã DPA.

Rindt salientou que a decisão dos EUA só se aplica à apresentação no Parque da Amizade e apelou a músicos para organizarem seus próprios protestos. "Todo mundo está convidado a participar e compartilhar vídeos de seus próprios protestos com a hashtag #teardownthiswall (derrube este muro)", disse.

Assistir ao vídeo 01:25
Ao vivo agora
01:25 min

Orquestra alemã quer fazer concerto na fronteira entre EUA e México

"Queremos protestos pacíficos, ações artísticas originais, jogos de voleibol usando o muro como rede – ao menos nos locais em que não é tão alto –, música, dança e performances de todos os tipos. Queremos fazer uma declaração de que os muros não são a solução para os problemas deste mundo", disse Rindt.

Numa entrevista anterior à DW, em abril, o diretor musical afirmou que se as autoridades dos EUA decidissem não "dar a permissão para que músicos toquem em nosso concerto no Parque da Amizade, teríamos realmente que levantar questões difíceis sobre o estado da liberdade artística nos Estados Unidos".

O concerto planejado não tinha apenas a intenção de destacar os planos de Trump para a fronteira americana com o México, mas foi concebido para "chamar a atenção para o sofrimento de refugiados no Mar Mediterrâneo e ao longo de muitas fronteiras deste mundo, também na Europa".

A Orquestra Sinfônica de Dresden é conhecida por combinar música contemporânea com questões sociopolíticas. Em 2016, ela apresentou um controverso projeto de concerto envolvendo alemães, turcos e armênios em memória do genocídio armênio, incomodando autoridades da Turquia.

Residentes de Dresden, no leste da Alemanha, a maioria dos músicos da orquestra cresceu atrás de um muro, pois a cidade fazia parte da República Democrática Alemã (RDA), a antiga Alemanha Oriental. A queda do muro de Berlim em 1989 reunificou a Alemanha após décadas de divisão, marcando o fim da Guerra Fria.   

PV/dpa/dw

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados