EUA lamentam vazamento sobre ataque em Manchester | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA lamentam vazamento sobre ataque em Manchester

Secretário de Estado americano diz que Washington assume total responsabilidade por informações confidenciais vazadas, incluindo fotos, e destaca relação especial entre os dois países.

O ministro britânico do Exterior, Boris Johnson (esq.), e o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, em Londres

O ministro britânico do Exterior, Boris Johnson (esq.), e o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, em Londres

O secretário de Estado Americano, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira (26/05) que seu país assume total responsabilidade pelo vazamento de informações confidenciais sobre o ataque terrorista em Manchester, no Reino Unido, no início da semana.

Leia mais:

Rastros do terrorista de Manchester começam a aparecer

Retrato de uma Manchester inabalável

Em sua primeira viagem oficial ao Reino Unido, Tillerson disse que Washington lamenta a divulgação de informações confidenciais, que incluíam fotografias da polícia forense tiradas no local do ataque, publicadas inicialmente pelo jornal americano The New York Times, e que seu país assume a total responsabilidade pelo vazamento.

A polícia britânica chegou a interromper brevemente o compartilhamento de informações com os EUA na quinta-feira, após detalhes da investigação serem divulgados diversas vezes pela imprensa americana.

"A relação especial que existe entre nossos países vai certamente superar esse episódio particularmente infeliz", afirmou o secretário ao lado do ministro britânico do Exterior, Boris Johnson, durante entrevista coletiva.

O presidente americano, Donald Trump, disse que os EUA vão investigar os vazamentos, afirmando que são "extremamente preocupantes" e representam "uma séria ameaça à nossa segurança nacional".

Tillerson disse que há uma "sede de justiça" após o atentado e prometeu varrer os terroristas e extremistas "para fora de nossas comunidades".

O governo britânico disse que a visita de Tillerson foi uma "expressão da solidariedade" entre os dois países, após o ataque terrorista que matou 22 pessoas ao final do concerto da cantora pop Ariana Grande no Manchester Arena na última segunda-feira.

Johnson disse que discutiu com Tillerson sobre a Coreia do Norte, Irã e Síria, ressaltando a "vital importância do trabalho" que os dos países realizem juntos numa variedade de temas, incluindo a compartilhamento de informações de inteligência.

RC/rtr/ap/dpa

Leia mais