EUA autorizam uso de remédio experimental contra coronavírus | Notícias internacionais e análises | DW | 02.05.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

EUA autorizam uso de remédio experimental contra coronavírus

Remdesivir tratará pacientes em estado grave. Medicamento mostrou resultado em estudo, mas fabricante adverte que segurança e eficácia do tratamento não foram comprovadas. Anvisa diz que vai se reunir com a farmacêutica.

O Remdesivir, fabricado pela Gilead, é um medicamento antiviral experimental não vendido em farmácias

O Remdesivir, fabricado pela Gilead, é um medicamento antiviral experimental não vendido em farmácias

O governo dos Estados Unidos autorizou o uso do medicamento antiviral Remdesivir para tratar pacientes com covid-19 em estado grave, embora a própria fabricante do remédio, a Gilead Sciences, reconheça que ainda não foram comprovadas segurança e eficácia do tratamento.

O presidente americano, Donald Trump, anunciou que a droga recebeu uma "liberação de emergência" da Administração de Alimentos e Drogas dos EUA (FDA, na sigla em inglês), agência governamental que aprova o uso de produtos de saúde pública.

"É realmente uma situação muito promissora", disse Trump na Casa Branca nesta sexta-feira (01/05), ao lado do CEO da Gilead, Daniel O'Day, e do chefe da FDA, Stephen Hahn.

"[A aprovação] aconteceu na velocidade da luz", disse Hahn, chamando o medicamento de um "importante avanço clínico". "É a primeira terapia autorizada para covid-19, então estamos muito orgulhosos de fazer parte disso." O'Day também se disse satisfeito com a liberação do remédio e anunciou que a Gilead doará 1 milhão de doses.

O presidente americano explicou que o fármaco só será usado para tratar pacientes internados em estado grave, como aqueles com problemas respiratórios que necessitam de oxigênio suplementar e de ventiladores, por exemplo.

Durante a semana, Trump já havia manifestado o desejo de que a FDA, que em teoria é uma agência independente, acelerasse o processo de aprovação do remédio, administrado por via intravenosa.

Em comunicado, a FDA admitiu que há informações limitadas sobre segurança e eficácia do Remdesivir no tratamento do vírus Sars-cov-2, mas disse que embasou a liberação em um estudo clínico recente que mostrou que o medicamento encurta o tempo de recuperação em alguns pacientes.

A pesquisa, realizada nos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos EUA, mostrou que 1.063 pacientes internados com covid-19 que receberam Remdesivir tiveram uma recuperação 31% mais rápida, de 11 dias em média, do que aqueles que receberam placebo, recuperados em 15 dias.

Também em nota, a Gilead foi cautelosa e disse que a eficácia do Remdesivir ainda está sendo pesquisada. Além disso, a empresa com sede no estado da Califórnia observou que a dose e a duração do tratamento ainda são desconhecidas. Por enquanto, sob autorização da FDA, o remédio será administrado por cinco ou dez dias, dependendo do estado de saúde do paciente.

A farmacêutica disse ainda que será dada prioridade às regiões mais afetadas. Por isso, espera-se que o medicamento chegue em breve ao estado de Nova York, epicentro da pandemia nos Estados Unidos, que já soma 313 mil casos confirmados e mais de 23 mil mortes.

O vice-presidente americano, Mike Pence, anunciou que 1,5 milhão de frascos do remédio começarão a ser distribuídos aos hospitais do país na segunda-feira.

Trump anunciou a liberação do remédio em coletiva na Casa Branca nesta sexta-feira

Trump anunciou a liberação do remédio em coletiva na Casa Branca nesta sexta-feira

Anvisa em contato com a Gilead

Após a aprovação da droga nos Estados Unidos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que vai se reunir nos próximos dias com a Gilead para "verificar o interesse e a viabilidade do fornecimento" do Remdesivir no Brasil.

"A Anvisa está em contato com a Gilead, empresa que fabrica o Remdesivir no exterior, a fim de acompanhar a evolução dos estudos do medicamento para o tratamento da covid-19", disse a agência em comunicado.

"A Gilead tem vários ensaios clínicos em andamento para o Remdesivir, com dados iniciais esperados nas próximas semanas. Caso o benefício do medicamento se comprove, a Anvisa possui mecanismos, como anuência de uso em programa assistencial e priorização de registro, para garantir o acesso célere do medicamento à população", completou.

O Ministério da Saúde informou, também em nota, que a Fiocruz participa de uma pesquisa comandada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para testar a segurança e eficácia de uma série de medicamentos contra a covid-19, e o Remdesivir é um deles.

Fracasso em teste experimental

Embora dados clínicos recentes tenham aumentado a esperança de que a droga da Gilead possa ser um tratamento eficaz contra o novo coronavírus, o rascunho de um sumário sobre testes com o medicamento,divulgado por acidente pela OMS recentemente, revelou que o remédio fracassou em um primeiro teste clínico.

O sumário afirma que, em testes realizados na China em 237 pacientes, com 178 medicados e outros 79 em um grupo de controle da doença, não houve melhoras nas condições de saúde nem redução da presença de patógenos no sangue. A aplicação do Remdesivir foi até mesmo interrompida precocemente em 18 pacientes em razão de efeitos colaterais.

À época, um porta-voz da Gilead disse que o texto continha "caracterizações inadequadas do estudo", afirmando que a pesquisa foi encerrada precocemente em razão do baixo número de voluntários, o que a tornaria irrelevante em termos estatísticos.

O Remdesivir, droga experimental não vendida em farmácias, pertence a uma categoria de medicamentos que agem diretamente contra o vírus, impedindo que o patógeno se reproduza, ao contrário de outros que controlam as reações no sistema imunológico.

O novo coronavírus já infectou mais de 3,3 milhões de pessoas no mundo e matou 238 mil. Os EUA são o país mais atingido em números absolutos, com 1,1 milhão de casos confirmados e 65 mil mortes, com grande parte do país em confinamento para conter a propagação do vírus. O Brasil soma 91.589 casos e 6.329 mortes, segundo o Ministério da Saúde.

EK/afp/ap/rtr/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais