EUA afirmam que russos impediram fuga de Maduro | Notícias internacionais e análises | DW | 01.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

EUA afirmam que russos impediram fuga de Maduro

Sem apresentar evidências, secretário de Estado americano diz que líder venezuelano estava pronto para abandonar o país e partir para Cuba, mas Kremlin o convenceu a ficar. Maduro e Moscou rechaçam afirmação. 

Nicolás Maduro

Maduro chamou levante convocado por Guaidó de golpe e disse que os oposicionistas foram derrotados

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou nesta terça-feira (30/04) que o líder venezuelano Nicolás Maduro estava pronto para deixar o seu país nesta manhã, mas que desistiu após ser convencido pela Rússia a permanecer em Caracas.

"Ele tinha um avião na pista, estava pronto para ir embora nesta manhã, e os russos indicaram que ele deveria ficar", disse Pompeo em entrevista concedida à rede de televisão CNN. Ele não apresentou provas que respaldassem a afirmação.

Ao longo do dia, o regime chavista enfrentou um levante convocado pelo líder oposicionista Juan Guaidó, que foi reconhecido como presidente interino da Venezuela por cerca de 50 países. Em um vídeo divulgado durante a manhã, Guaidó afirmou que os militares venezuelanos haviam abandonado o regime e aderido ao movimento. 

No entanto, conforme as horas passaram, o regime reagiu, reprimindo manifestantes que saíram às ruas de Caracas. Logo também ficou claro que o movimento convocado por Guaidó só havia encontrado respaldo entre alguns militares de baixa patente, sem a adesão dos generais que efetivamente controlam as tropas militares do país.

Enquanto Caracas era palco de confrontos, Maduro não fez aparições públicas, se limitando a publicar no Twitter uma mensagem na qual afirmou que os comandos militares permaneciam leais ao regime. Ele só reapareceu cerca de 15 horas após o anúncio de Guaidó. Em um pronunciamento na TV, Maduro chamou o levante de golpe e disse que os oposicionistas foram derrotados.

Mas, de acordo com a Casa Branca, Maduro estava pronto para fugir para Havana quando o levante foi convocado. Questionado se os EUA garantiriam a segurança de Maduro caso o presidente da Venezuela fugisse para Cuba, Pompeo deixou no ar uma dúvida sobre se o avião poderia ser derrubado.

"Maduro entende o que ocorreria se subir nesse avião", afirmou o secretário de Estado americano em tom de mistério, sem dar mais detalhes sobre o que isso significaria.

O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, também alimentou nesta terça-feira especulações sobre a unidade do regime venezuelano. Segundo ele, membros do regime como o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, haviam se voltado contra Maduro e passado a negociar com a oposição, mas depois voltaram atrás.

"Personalidades como o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, o presidente do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, Maikel Moreno, e o comandante da Guarda de Honra Presidencial, Rafael Hernández Dala, todos eles concordaram que Maduro deve ir embora", disse Bolton a jornalistas na Casa Branca.

Assistir ao vídeo 01:32

Venezuela tem dia de confrontos nas ruas

O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliott Abrams, também afirmou em outro evento com a imprensa que essas três importantes figuras do regime negociaram ao longo do último mês com a oposição sobre como restabelecer a democracia no país.

No entanto, tanto Padrino quanto Moreno deram demonstrações de apoio a Maduro ao longo do dia. Padrino inclusive apareceu ao lado do líder venezuelano no pronunciamento transmitido pela TV estatal no início da noite.

Maduro, por sua vez, desmentiu que tivesse a intenção de deixar o poder e refugiar-se em Cuba, como afirmou Pompeo.

"Mike Pompeo disse que eu, Maduro, tinha um avião preparado para ir a Cuba, para fugir, e os russos desceram do avião e me proibiram de sair do país. Senhor Pompeo, por favor, que falta de seriedade", disse Maduro, durante o pronunciamento.

Maduro ainda acusou os EUA e a Colômbia de apoiarem a revolta e disse que o presidente Donald Trump "não passa um dia sem se envolver" com a Venezuela.

"Nos Estados Unidos da América não houve antes um governo tão louco como este", afirmou, se referindo a Trump.

Nesta quarta-feira, o Ministério do Exterior russo rejeitou a afirmação de Washington de que teria convencido Maduro a não fugir do país, classificando tal alegação de parte de uma "guerra de informação".

Por enquanto, Guaidó ainda tenta manter a pressão sobre Maduro. Ele convocou novos protestos para esta quarta-feira, feriado de 1° de maio, e fez um novo apelo para que os militares se juntem ao movimento. "Nós vamos continuar por toda a Venezuela, nós vamos estar nas ruas", disse Guaidó na noite de terça-feira.

 JPS/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados