Estudo mostra como maioria dos alemães se infecta | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia

Estudo mostra como maioria dos alemães se infecta

Relatório de agência sanitária do governo alemão aponta que é nos próprios domicílios e em lares de idosos que o coronavírus mais se alastra. Abrigo de refugiados também tem altas taxas de infecção.

Asilo de idosos na Baviera: um dos lugares onde o vírus se propaga mais rápido

Asilo de idosos na Baviera: um dos lugares onde o vírus se propaga mais rápido

Asilos de idosos e domicílios são responsáveis pela maior parte das transmissões de coronavírus da Alemanha, segundo um estudo do Instituto Robert Koch (RKI), uma agência do governo alemão.

O estudo, publicado na sexta-feira (21/08), constatou que a maioria dos surtos de coronavírus na Alemanha ocorre dentro de casa, com uma pessoa infectando em média outras 3,2. Nesses casos, a transmissão provavelmente só ocorreu entre familiares.

Os lares de idosos são os segundos mais afetados pela pandemia, mas o risco de infecção generalizada é muito maior, com um surto que resulta em uma média de quase 19 outras infecções.

Segundo o estudo, os abrigos de refugiados enfrentam o maior risco de infecções no caso de um surto de covid-19, com uma média de 21 infecções por foco da doença - mais do que em qualquer outro lugar.

"Além de surtos individuais que se tornaram conhecidos em todo o país, há transmissões no ambiente familiar e doméstico que não levam necessariamente a muitos casos secundários e mostram apenas alguns casos por surto, mas aparentemente ocorrem com muita frequência", afirma o estudo.

"A convivência em lares de idosos parece frequentemente levar à transmissão, mas as infecções ao ar livre são muito menos comuns", acrescenta, listando os parques e zoológicos como menos propensos a resultar em infecções generalizadas.

As escolas na Alemanha, por outro lado, não estão levando a grandes novos focos da doença no momento, com apenas 31 surtos e 150 contágios até aqui, de acordo com o RKI. E apenas um pequeno número de casos pôde ser rastreado até restaurantes, hotéis e escritórios.

A maioria das escolas na Alemanha fechou am março, antes da maioria de outros estabelecimentos em todo o país. Milhões de pessoas trabalham de casa desde então.

O estudo observa que surtos em transportes públicos, como trens, são difíceis de avaliar, devido a dificuldades em rastrear a identidade dos infectados.

O RKI destaca que encontrar a fonte das infecções não é sempre confiável. Os números baseiam-se em apenas cerca de 27% de todas as infecções que puderam ser relacionadas a um local específico do surto.

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais