Estudo indica que imunidade contra covid-19 pode durar apenas três meses | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Estudo indica que imunidade contra covid-19 pode durar apenas três meses

Cientistas observaram ainda que pacientes assintomáticos podem desenvolver menos anticorpos do que aqueles que apresentaram sintomas. Conclusões levantam dúvidas sobre estratégias como "passaportes de imunidade".

Mãos seguram aparelhos e amostras em laboratório

Estudo publicado na "Nature Medicine" analisou 37 pacientes assintomáticos e 37 sintomáticos

Um estudo comandado por cientistas chineses apontou que os anticorpos desenvolvidos pelo corpo humano contra a covid-19 após uma infecção podem durar apenas dois ou três meses. Dessa forma, a imunidade contra a doença pode não ter um efeito de longo prazo, de acordo com informações publicadas no periódico científico Nature Medicine e reproduzidas nesta segunda-feira (22/06) pela imprensa chinesa.

Tal quadro também pode vir a afetar as possibilidades de aplicação das novas vacinas em desenvolvimento e levanta dúvidas sobre estratégias como a dos "passaportes de imunidade" para pessoas que já se curaram.

Além disso, o estudo indicou que pacientes assintomáticos infectados pelo Sars-Cov-2 podem ter uma resposta imunológica mais fraca do que aqueles que desenvolveram os sintomas, que incluem febre e tosse.

O estudo da Universidade de Medicina de Chongqing, no sudoeste da China, intitulado "Avaliação clínica e imunológica de infecções assintomáticas por Sars-Cov-2", comparou os resultados da detecção de anticorpos no sangue de 37 pacientes sintomáticos e 37 assintomáticos, sendo homens e mulheres com idades entre 8 e 75 anos.

O estudo constatou que a maioria dos infectados produziu anticorpos para o novo coronavírus, especificamente IgG e IgM. Este último, o primeiro anticorpo que o organismo produz para combater uma nova infecção, apareceu geralmente em primeiro e com a menor duração.

Por sua vez, o anticorpo IgG, que aparece mais tarde e dura mais tempo, é o anticorpo mais abundante no corpo e fornece proteção contra infecções bacterianas e virais, mas pode levar tempo para se formar após uma infecção.

O estudo revelou que, dentro de três a quatro semanas após a infecção, em sua fase aguda, o grupo de pacientes assintomáticos apresentava uma taxa de IgM de 62,2% e uma taxa de IgG de 81,1%. No grupo com sintomas, a IgM foi de 78,4% e a IgG foi de 83,8%.

Assim, o estudo conclui que as infecções assintomáticas apresentam níveis mais baixos de anticorpos que os casos confirmados, embora sejam semelhantes nos dois grupos.

No entanto, o nível de anticorpos da maioria das pessoas infectadas mostrou uma diminuição significativa de dois a três meses após a infecção.

Os níveis de anticorpos IgG em 93,3% do grupo assintomático e 96,8% do grupo sintomático começaram a diminuir precocemente no período de reabilitação, ou seja, oito semanas após a alta.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório científico em 24 de abril no qual assegurou que "não há evidências" que possam provar que os anticorpos produzidos após a infecção pelo coronavírus possam proteger o organismo de uma segunda infecção.

No entanto, o professor de virologia Jin Dong-Yan, da Universidade de Hong Kong – que não participou do grupo de pesquisa, mas que analisou as conclusões –, disse que o estudo não nega a possibilidade de outras partes do sistema imunológico poderem oferecer proteção.

"A descoberta neste estudo não significa que o céu está desabando", disse Dong-Yan, enfatizando ainda que o número de pacientes estudados foi pequeno.

JPS/rtr/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais