Espumante Rotkäppchen: sucesso como nos contos de fada | Página especial sobre a data da queda do Muro de Berlim | DW | 20.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

9 de novembro de 1989

Espumante Rotkäppchen: sucesso como nos contos de fada

O vinho espumante Rotkäppchen, da antiga Alemanha Oriental, é apreciado no país inteiro, e seu fabricante conseguiu comprar concorrentes no Oeste, tornando-se líder no mercado alemão.

default

Fábrica do espumante em Freyburg

Poucos artigos da antiga Alemanha Oriental (RDA) têm hoje lugar garantido também nos carrinhos de compras dos consumidores do Oeste alemão. O creme Florena e o sabão em pó Spree são dois raros exemplos. Mas não se deve esquecer do vinho espumante Rotkäppchen, a única marca do Leste a fazer sucesso nacional, ainda por cima mantendo-se autônoma.

Deutschland Rotkäppchen Sekt Produktion Freyburg

Operária controla nível das garrafas do Rotkäppchen

A empresa da Saxônia-Anhalt comprou várias concorrentes no Oeste e é hoje líder de mercado na produção alemã de vinhos espumantes. A marca Florena, pelo contrário, pertence hoje à Beiersdorf, que também produz o creme Nivea, e a marca Spree foi incorporada pelo grupo Henkel, que produz o sabão em pó Persil.

Reunificação trouxe retrocesso

Rotkäppchen (Chapeuzinho Vermelho) é uma história de sucesso empresarial da antiga RDA sem igual. A fábrica de vinhos espumantes foi criada há mais de 150 anos, em 1856, em Freyburg (Unstrut).

Lá encontra-se hoje, com apenas 650 hectares, um dos menores vinhedos da Alemanha. Este fornece apenas uma pequena porcentagem das uvas utilizadas na produção do Rotkäppchen. A maior parte dos frutos é adquirida na França, Itália, Espanha e no Oeste da Alemanha.

Durante o período da RDA, a empresa foi estatizada e produzia anualmente, como "empresa de propriedade do povo" (VEB – Volkseigener Betrieb ), 15 milhões de garrafas de vinho. Depois da transição política, em 1989, também os alemães do Leste preferiram beber os espumantes do Oeste ou os estrangeiros. A reunificação alemã trouxe o retrocesso. Em 1991, a venda das garrafas com a cápsula vermelha caiu para 2,9 milhões.

Transição através de management buy-out

A transição só chegou em 1993 para a fábrica, quando, através de um processo de management buy-out , o então diretor técnico Gunter Heise, junto com quatro colegas, comprou da administradora a precária empresa estatal. A maior parcela do preço da compra foi paga pelo empresário Harald Eckes-Chantré e sua família. Os outros cinco gerentes envolvidos assumiram o restante. Hoje, mais de 50% da empresa pertence à família Eckes-Chantré, Heise e outros três colegas possuem a outra parte.

A partir de 1994, o objetivo da empresa passou a ser estabelecer a marca Rotkäppchen, originária do Leste alemão, também no mercado do Oeste. Uma meta alcançada com enorme sucesso. No ano 2000, a fábrica de espumante conquistou a liderança de mercado na Alemanha, com uma venda total de 50 milhões de garrafas.

Chapeuzinho vai às compras no Oeste

Deutschland Märchen Rotkäppchen Wolf

Chapeuzinho Vermelho...

Em 2002, a administração da empresa dispunha de capital suficiente para comprar as marcas de espumante Mumm, Jules Mumm e MM Extra, originárias do estado de Hessen e que pertenciam à fabricante de bebidas canadense Seagram.

Um ano mais tarde, a Rotkäppchen-Mumm Sektkellereien comprou também a marca nobre de champanhe Geldermann, de Baden. Em 2007, a participação da Rotkäppchen no mercado alemão de vinhos espumantes foi de quase 40%, segundo as estatísticas da empresa. A marca espanhola Freixenet vem em segundo lugar, com uma parcela de 17%. No mercado mundial, a ordem é inversa: a Freixenet lidera o mercado, enquanto a Rotkäppchen ocupa um respeitável segundo lugar.

Entrando na indústria dos destilados

A Rotkäppchen-Mumm comprou, no final de 2006, outra empresa do Oeste da Alemanha: a fábrica de destilados Eckes Spirituosen & Wein, com suas marcas de conhaque Chantré e Mariacron, o licor Eckes Edelkirsch e a aguardente Nordhäuser Doppelkorn. Desde então, a empresa ocupa também o primeiro lugar no mercado alemão de bebidas destiladas.

O ano de 2007 foi até agora o de maior sucesso da Rotkäppchen, uma fábrica que, no passado, precisou ser saneada. De acordo com seus próprios dados, a venda de espumantes, destilados e vinhos chegou ao total de 186 milhões de garrafas, um saldo positivo de 10,5% em comparação ao ano anterior.

A venda dos espumantes, que corresponde à maior parcela, cresceu 12,6%. Com um faturamento de 709,5 milhões de euros, a empresa obteve um crescimento de 8,9% em relação a 2006. Quanto ao lucro, a empresa, de capital fechado, não fornece nenhuma indicação.

Objetivo: uma marca nacional

Deutschland Rotkäppchen Sekt Flasche

... e sua versão moderna, 'atacada' pelo diretor Gunter Heise

Uma coisa é certa: nesse meio tempo, o espumante Rotkäppchen também borbulha, em muitas ocasiões, nas taças do Oeste da Alemanha. Mas a bebida ainda não se libertou da imagem de ser uma marca do Leste alemão, apesar de a empresa afirmar nunca ter feito um esforço ativo para se comunicar com sua clientela oriental.

"De preferência, nós nos desfaríamos por completo dessa imagem do Leste", fala um porta-voz da firma. Por isso, a administração não se dispõe a prestar depoimentos para matérias jornalísticas que abordam a Rotkäppchen como uma história de sucesso do Leste alemão. A justificativa: "A história da RDA é apenas uma parte da nossa tradição de mais de 150 anos. Somos uma empresa voltada para o futuro“, continua o porta-voz da firma.

O sucesso confirma a estratégia de marca nacional. "Compradores do Leste da Alemanha não se sentem negligenciados. A propaganda se dirige a eles assim como a compradores do Oeste", fala Joachim Schütz, da associação Markenverband, que representa os interesses dos produtores de artigos de marca. Uma história de sucesso da reunificação alemã para se comemorar com a taça de vinho espumante na mão.

Leia mais