Escócia não descarta ir à Justiça por referendo sobre independência | Notícias internacionais e análises | DW | 01.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Reino Unido

Escócia não descarta ir à Justiça por referendo sobre independência

Primeira-ministra deixa claro que poderá buscar nas cortes aval para realização de novo referendo sobre independência do Reino Unido. Governo britânico rejeita pedidos e diz que escoceses já puderam votar.

Nicola Sturgeon fala em videoconferência

Sturgeon falou durante congresso do seu partido, o SNP

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, voltou a defender nesta segunda-feira (30/11) a realização de um segundo referendo sobre a independência do seu país do Reino Unido.

Durante um congresso do seu partido, Sturgeon disse que levará a questão adiante se o Partido Nacional Escocês (SNP) vencer a eleição marcada para maio.

"No próximo mês de maio, pediremos ao povo escocês que nos dê confiança para continuar a construir um país melhor. Solicitarei a aprovação de vocês, e de mais ninguém, para que seja organizado rapidamente um referendo sobre a independência, assim que o novo parlamento for formado", afirmou Sturgeon durante o evento do SNP.

O governo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já disse que não dará permissão para um segundo referendo e argumentou reiteradas vezes que os escoceses já tiveram a oportunidade de se manifestar sobre essa questão.

Em declarações à emissora BBC, Sturgeon deixou claro que pode ir aos tribunais para contornar a necessidade de aprovação do governo britânico. "A questão sobre a concordância do governo em Westminster nunca foi testada nas cortes. Espero que nunca tenha que ser, mas não descarto algo assim", disse.

No referendo de 2014, 55% dos escoceses votaram pela permanência no Reino Unido. No entanto, Sturgeon argumenta que o Brexit mudou as regras do jogo para os escoceses, que votaram por ampla maioria contra a saída da União Europeia em 2016.

Uma pequena maioria de eleitores no Reino Unido, 52%, votou por deixar a União Europeia. Mas quando considerada só a Escócia, uma ampla maioria de eleitores, 68%, escolheu permanecer no bloco europeu.

O apoio à independência está em alta na Escócia, com a aproximação do fim do período de transição pós-Brexit e após a muito criticada gestão da pandemia do novo coronavírus por Londres.

No início de outubro, uma sondagem atribuiu à líder escocesa um apoio público "muito forte", satisfazendo 72% dos consultados com a sua gestão da pandemia.

AS/lusa/ap/afp/rtr/dpa