Escândalo de assédio sexual em Hollywood vai virar filme | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Escândalo de assédio sexual em Hollywood vai virar filme

Investigação de repórteres do "New York Times" sobre denúncias de abusos contra o produtor Harvey Weinstein será tema de longa rodado por produtora de Brad Pitt. Caso gerou indignação e desencadeou o movimento #MeToo.

Harvey Weinstein

Harvey Weinstein foi acusado de abuso por dezenas de mulheres

Os bastidores da reportagem investigativa do New York Times que revelou o escândalo de assédio sexual envolvendo o renomado produtor de Hollywood Harvey Weinstein vão virar filme. O caso desencadeou o movimento internacional #MeToo e rendeu ao jornal americano um prêmio Pulitzer. 

As produtoras Annapurna e Plan B Entertainment, que pertence a Brad Pitt, adquiriram os direitos cinematográficos sobre a história, baseada na reportagem conduzida pelas jornalistas Jodi Kantor e Megan Twohey.

O filme não vai girar em torno do produtor hollywoodiano, mas sim mostrar como Kantor e Twohey investigaram denúncias de repetidos abusos atribuídos a Weinstein para elaborar a reportagem, publicada em outubro do ano passado.

Segundo Ashley Momtaheni, porta-voz da Annapurna, o filme será construído de modo semelhante a Spotlight, vencedor do Oscar de melhor filme em 2015 e que abordou a reportagem do Boston Globe sobre abuso sexual na Igreja Católica. Outro longa nessa linha é Todos os homens do presidente, sobre os repórteres do Washington Post que destaparam o escândalo Watergate.

Na semana passada, Kantor e Twohey receberam o Pulitzer, o mais importante prêmio de jornalismo dos EUA, junto com Ronan Farrow, que investigou o caso Weinstein para a revista New Yorker.

As jornalistas Jodi Kantor (esq.) e Megan Twohey

As jornalistas Jodi Kantor (esq.) e Megan Twohey, que denunciaram o caso Weinstein pelo "New York Times", estarão no centro do filme

Mais de 70 mulheres acusaram Weinstein, que já foi uma das figuras mais poderosas de Hollywood, de má conduta sexual, incluindo estupro. Entre as mulheres que fizeram denúncias estão as atrizes Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie e Uma Thurman. Weinstein nega ter tido relações sexuais não consensuais.

Os testemunhos das dezenas de mulheres que teriam sido abusadas pelo produtor encorajaram muitas outras vítimas a revelarem casos semelhantes, usando a hashtag #MeToo (#EuTambém).  As agressões sexuais atribuídas a Weinstein também desencadearam a iniciativa Time's Up, obrigaram empresas a reverem suas políticas e líderes políticos a se manifestarem sobre abusos no ambiente de trabalho.

A Annapurna já atuou como parceira da The Weinstein Company, produtora que pertencia a Weinstein e que está em processo de falência. A Plan B Entertainment é conhecida por produzir três filmes vencedores do Oscar: Os infiltrados, de 2006, 12 anos de escravidão, de 2013, e Moonlight, de 2016. A porta-voz da Annapurna não revelou quando o filme sobre Weinstein deve ser lançado.

LPF/rtr/dw

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais