Entre dois candidatos extremos, peruanos elegem presidente | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 05.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Entre dois candidatos extremos, peruanos elegem presidente

Segundo turno contrapõe candidatos desiguais: a filha do ex-presidente Alberto Fujimori, preso por corrupção e violação dos direitos humanos, e o ex-ministro neoliberal Kuczynski. Enquetes prometem disputa acirrada.

Pedro Pablo Kuczynski (esq.) e Keiko Fujimori

Pedro Pablo Kuczynski (esq.) e Keiko Fujimori: cordialidade diante das câmeras

O segundo turno da eleição presidencial deste domingo (05/06) no Peru é a escolha entre dois estilos de governo: autoritário-populista contra conservador-liberal. E os candidatos não poderiam ser mais distintos.

Keiko Fujimori, de 41 anos, já foi primeira-dama do país, papel que lhe coube em 1998, após o afastamento de seu pai, o então presidente Alberto Fujimori. O adversário dela é Pedro Pablo Kuczynski, ex-ministro de Economia e Finanças, de 77 anos.

Apesar das personalidades contrastantes, pelo menos dois pontos em comum unem os rivais políticos: ambos vêm de famílias de imigrantes, e concorreram no pleito presidencial de 2011.

"Ela sabe se vender bem, exatamente como o pai dela, que ia de trator até os lugarejos e inaugurava pessoalmente cada ponte", admitiu o adversário Kuczynski sobre Fujimori ao jornal espanhol El País. "E a minha idade não é, definitivamente, nenhum ponto de vantagem."

Decisão cabe aos indecisos

No entanto o político nascido em 1938 em Lima, filho de um médico de Berlim de origem polonesa, emigrado para o Peru durante o nacional-socialismo, vai recuperando terreno. As últimas pesquisas de intenção de voto antes das eleições indicam um empate técnico: 50,3% para Keiko Fujimori contra 49,7% para Pedro Kuczynski.

No primeiro turno, em 10 de abril último, o quadro ainda era totalmente outro: ela liderava as sondagens, com 40% dos votos, enquanto os 21% dele só bastavam para chegar até o segundo turno. Agora a decisão sobre o resultado do escrutínio cabe aos indecisos do Peru – 19% dos 23 milhões de votantes.

Fujimori reagiu a esse recuo com uma avalanche de promessas aos diferentes grupos de interesse. Aos policiais assegurou que em seu tempo livre eles poderão voltar a trabalhar para firmas de segurança privadas. Aos evangélicos prometeu "frear" os abortos e os casamentos homossexuais. E aos produtores de leite deu esperanças de preços mais altos.

Pedro Pablo Kuczynski

Kuczynski é político veterano e alvo de críticas

Luta contra o próprio passado

Os tempos parecem de conto de fadas para os peruanos. Enquanto nos vizinhos Venezuela, Brasil e Argentina, a população geme sob ditados de austeridade e preços de eletricidade em alta, o país andino ostenta crescimento econômico. Segundo o Banco Mundial, nos últimos dez anos a economia peruana cresceu, em média, 5,9% ao ano. Entre 2005 e 2015 a taxa de pobreza caiu de 55% para 22%.

Apesar dos números promissores, o diário El Comercio se mostra intransigente com as "ofertas populistas" de Fujimori: "Talvez uma lamentável ignorância possa desculpar uma sugestão ou outra. Quanto à proposta de controlar os preços do leite, contudo, trata-se de má intenção."

Outro ponto une os dois candidatos desiguais: eles têm que lutar contra o próprio passado político. Enquanto o ex-chefe da pasta das Finanças e ex-presidente do Banco Central peruano Kuczynski é taxado de defensor neoliberal da economia de mercado, Fujimori é acusada de intenções antidemocráticas.

Seu pai, Alberto Fujimori, presidente de 1990 a 2000, cumpre 25 anos de prisão por corrupção e crimes contra os direitos humanos. Em 1992, com a ajuda dos militares, ele dissolveu o congresso nacional e se estabeleceu como governante autocrata.

Sob suas ordens foi implementado o altamente controverso Programa Nacional de Saúde Reprodutiva e Planejamento Familiar. Nele, sob o pretexto de planejamento, de 1996 a 2000 cerca de 300 mil mulheres das classes mais pobres, na maioria indígenas, sofreram esterilização compulsória.

Keiko Fujimori

Fujimori não poupa promessas para conquistar votos

Alerta contra o clã Fujimori

No entanto, sobretudo nas regiões rurais andinas, o ex-presidente ainda é honrado como herói, por sua vitória contra o Partido Comunista do Peru, conhecido como Sendero Luminoso. A guerra civil contra a guerrilha maoísta, que durou de 1980 a 2000, custou 70 mil vidas humanas.

Os adeptos de Keiko Fujimori esperam que, assim como o pai, ela vá investir "com mão dura" contra os criminosos. Seus críticos, em contrapartida, temem uma volta da autocracia, populismo e clientelismo.

Num editorial, El País adverte contra um retorno do clã Fujimori ao poder. "Demasiados críticos de Keiko estão concentrados em atacá-la por causa do passado dela. Muito mais perigosas, entretanto, são as consequências políticas de uma vitória sua para o futuro do país."

Leia mais