Entenda a nova crise que sacode o Irã | Notícias internacionais e análises | DW | 13.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Entenda a nova crise que sacode o Irã

Liderança na República Islâmica está sob pressão após derrubada de avião comercial. Milhares ocupam as ruas do país, acusando os governantes de encobrir a verdade. Leia aqui um resumo dos fatos.

Iran | Trauer und Proteste | Flugzeugabsturz (picture-alliance/dpa/Photoshot/A. Halabisaz)

Luto e protesto após anúncio de abate de avião comercial ucraniano no Irã

Dez dias se passaram desde que os Estados Unidos mataram o principal general iraniano, Qassim Soleimani. Ambos os países estiveram à beira de uma guerra. Então a maré virou. Atualmente, é a situação política interna que ameaça escalar ainda mais.

O que levou aos recentes protestos?

O Irã foi responsável pela derrubada de um avião comercial ucraniano perto do aeroporto de Teerã. Após dias de desmentidos, os militares admitiram no sábado (11/01) o abate acidental. Segundo as autoridades, um soldado acreditou que se tratava de um míssil de cruzeiro inimigo e disparou um foguete. Toda a liderança iraniana pediu desculpas pelo incidente, no qual 176 pessoas morreram.

O abate do avião mudou o clima no país. Entre os mortos estão também muitos iranianos que vivem no exterior e queriam visitar suas famílias na República Islâmica. Centenas de pessoas se reuniram em frente à Universidade Amir Kabir em Teerã, na noite de sábado, para lembrar os mortos. No entanto, a vigília se transformou num protesto furioso, em que os manifestantes exigiam a renúncia dos responsáveis.

Iran | Trauer und Proteste | Flugzeugabsturz (picture-alliance/dpa/Photoshot/A. Halabisaz)

População lembra mortos de avião derrubado em Teerã

Duas diferenças importantes dos protestos de novembro

Embora a polícia e os militares tenham se deslocado para frente das três principais universidades e para praças importantes de Teerã no domingo, milhares de pessoas foram às ruas novamente. Vídeos circularam em várias redes sociais, mostrando os manifestantes clamarem "morte ao ditador" ou pedir a renúncia do "comandante em chefe". Nos dois casos, tratava-se do homem mais poderoso do país, o líder espiritual aiatolá Ali Khamenei.

Em novembro, já foram registrados protestos generalizados que provocaram a morte de até 1.500 pessoas no país. Desta vez, no entanto, existem duas diferenças fundamentais: o atual protesto é realizado pela classe média, especialmente por estudantes que não participaram das manifestações em novembro.

Em segundo lugar, a liderança iraniana havia bloqueado a internet por dias em novembro. Desta vez, ela está funcionando amplamente, fazendo os vídeos de Teerã dar a volta ao mundo. E as reações de lá não demoraram a chegar.

"O mundo está assistindo"

No último fim de semana, o presidente dos EUA, Donald Trump, tuitou em inglês e persa, expressando sua solidariedade com os manifestantes iranianos: "O mundo está assistindo", escreveu Trump, exigindo da liderança iraniana: "Não mate seus manifestantes".

O governo canadense também comentou o caso. 57 dos 176 passageiros mortos no avião ucraniano abatido eram canadenses. O primeiro-ministro Justin Trudeau prometeu "justiça" aos familiares. "Não descansaremos até que haja respostas", disse Trudeau numa cerimônia de luto em homenagem às vítimas na Universidade de Edmonton, no oeste do país.

O Canadá está participando do esclarecimento do abate com uma equipe de especialistas. Três membros já desembarcaram em Teerã. O ministro das Relações Exteriores canadense, François-Philippe Champagne, anunciou que seis outros especialistas haviam obtido visto para o Irã.

Kanada Trauer um die Opfer des Flugzeuabsturzes in Toronto (Reuters/C. Osorio)

Mortos no acidente também são lembrados no Canadá

Que perguntas ainda estão em aberto?

Embora o Canadá esteja fazendo esforços para elucidar o ocorrido, ainda não está claro quem exatamente é o responsável pela derrubada da aeronave e quando a pessoa será responsabilizada. A liderança em Teerã falou inicialmente de um defeito técnico como causa do acidente, mas depois admitiu o abate. Por esse motivo, alguns responsáveis foram acusados de mentira e encobrimento dos fatos.

O porta-voz do governo Ali Rabiei, no entanto, negou que o governo tenha tentado acobertar a verdade. “Com toda a honestidade, esse não foi o caso", disse, acrescentando que, inicialmente, as informações dentro do próprio Irã não estavam claras.

Os protestos serão reprimidos à força?

Uma das maiores questões ainda em aberto é se os protestos se tornarão violentos no Irã. Vídeos que circularam no Twitter na noite de domingo e também nesta segunda-feira (13/01) mostram poças de sangue nas ruas de Teerã. Tiros podem ser ouvidos em outros vídeos.

Também há homens armados que parecem ser membros das forças de segurança. Em alguns vídeos, policiais atacam os manifestantes com cassetetes. As pessoas gritam: "Não batam nelas". E: "Fiquem juntos, caso contrário eles vão nos prender."

O chefe de polícia Hossein Rahimi rejeitou as alegações: "Os policiais não dispararam durante os protestos, porque a polícia da capital recebeu ordens de contenção", disse um comunicado divulgado nesta segunda-feira no site da televisão estatal.

Iran Trauerzeremonie für getöteten General Soleimani in Teheran (picture-alliance/AP Photo/E. Noroozi)

Cortejo fúnebre de general assassinado Soleimani reuniu milhares no Irã

Quem apoia quem?

Também não está claro qual é a dimensão do apoio ao general Soleimani. Teerã rejeitou as expressões de solidariedade de Trump como "lágrimas de crocodilo". Afinal, ele matou um "herói nacional", disseram as autoridades iranianas. Centenas de milhares de pessoas acompanharam o funeral de Soleimani.

No entanto, não se sabe até que ponto a participação foi voluntária. Os vídeos do Twitter também mostram iranianos rasgando e queimando cartazes com a imagem do general. Resta saber se a morte de Qassim Soleimani uniu os iranianos ou, pelo contrário, revelou as profundas fendas que dividem o país.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais