Empresas europeias ameaçam boicotar produtos brasileiros por desmatamento | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Empresas europeias ameaçam boicotar produtos brasileiros por desmatamento

Em carta, gigantes do varejo afirmam que proteção ambiental é fundamental para comércio com o Brasil. Grupo se opõe a projeto de regularização fundiária, derivado da MP da grilagem, que tramita no Congresso.

Fachada de supermercado Tesco, no sul de Londres

Diversas redes de supermercados, incluindo a britânica Tesco, apoiam boicote

Um grupo de empresas europeias, que inclui as redes britânicas de supermercado Tesco e de lojas de departamentos Marks & Spencer, ameaçou parar de comprar commodities brasileiras caso o Congresso aprove um projeto de lei de regularização fundiária que é derivado da medida provisória conhecida como MP da grilagem.

Em carta aberta enviada a senadores e deputados nesta quarta-feira (05/05), as empresas expressam preocupação com o aumento do desmatamento observado no Brasil no ano passado, a redução no orçamento para a fiscalização e combate de crimes ambientais, e também com o Projeto de Lei (PL) 510/21, apresentado no Senado, que traz à tona novamente o cerne da MP da grilagem, que caducou no ano passado.

"Essas medidas são contrárias à narrativa e à retórica que o Brasil apresentou internacionalmente na cúpula com o presidente americano, Joe Biden, em 22 de abril", afirma o texto. "As proteções existentes e designações territoriais consagradas na legislação brasileira têm sido fundamentais para nossas organizações terem confiança de que nossos produtos, serviços, investimentos e relações comerciais no Brasil estão alinhados com os compromissos ambientais e sociais de nossas empresas, que são esperados pelos nossos clientes e investidores."

A carta ressalta que os signatários continuam dispostos a trabalhar com parceiros no Brasil, apoiando assim o desenvolvimento sustentável agrícola e defendendo povos indígenas e comunidades tradicionais. "Mas se essa ou outras medidas que enfraquecem as proteções existentes se tornarem lei, não temos outra alternativa a não ser reconsiderar nosso apoio e o uso da cadeia de fornecimento de commodities agrícolas brasileiras", afirma.

Entre os 36 signatários da carta estão ainda grandes redes de supermercados alemãs, como Aldi, Lidl e Metro, e investidores como a maior empresa de previdência da Noruega, KLP, o fundo público de pensões sueco AP7 e outras companhias de gestão de investimentos.

PL 510/21

Críticos da PL afirmam que a proposta, derivada da antiga MP da grilagem, incentiva o desmatamento na Amazônia ao compensar grileiros com a legalização de áreas desmatadas ilegalmente. Os defensores do projeto alegam, no entanto, que essa legalização fará com que propriedades passem a ter que cumprir leis rígidas que limitam o desmatamento de 20% das propriedades privadas na região.

A PL deveria ser votada na semana passada no Senado, mas a votação foi adiada diante das críticas. Ela pode, porém, voltar a ser pautada nesta semana. O atual projeto possibilita a legalização de uma quantidade muito maior de terras ocupadas ilegalmente do que o previsto na proposta original da MP da grilagem.

Essa não é a primeira vez que empresas europeias ameaçam boicotar produtos brasileiros devido à intenção de parlamentares de aprovarem leis de regularização fundiária que ameaçam a proteção ambiental. Em maio do ano passado, redes enviaram também uma carta ao Congresso se opondo à MP da grilagem.

cn/ek (Reuters, ots)

Leia mais