Empresariado alemão aguarda sinal verde para investir no Afeganistão | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.01.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Empresariado alemão aguarda sinal verde para investir no Afeganistão

No país em que falta toda e qualquer infra-estrutura, empresas alemãs vêem chances de investimentos imediatos. Todas elas afirmam, no entanto, que só fecham contratos cujo financiamento estiver cem por cento assegurado.

default

A Hochtief é uma das empresas alemãs interessadas na realização de projetos no Afeganistão

Os bilhões destinados à reconstrução do Afeganistão estão, teoricamente, disponíveis. No entanto, falta definir exatamente em que projetos eles serão investidos e quais empresas receberão os contratos em questão. A fazer, há muito: estradas precisam ser construídas, linhas telefônicas instaladas, o fornecimento de água e energia elétrica regularizado.

Construtoras – Frank Kehlenbach, da Federação Alemã da Construção Civil, espera um bom número de licitações a serem disputadas por empresas do país. Construtoras nacionais, como a Hochtief, por exemplo, já estiveram por muitos anos presentes no Afeganistão. "Nós observamos com atenção como a situação se desenrola", afirma Katja Klemm, porta-voz da empresa. Há meio século, a construtora desenvolveu inúmeros projetos em Cabul, tendo assinado um "contrato geral" para a construção de prédios públicos com o governo de então.

Também a concorrente Philipp Holzmann AG, sediada em Frankfurt, foi a responsável nos anos 60 e 70 pela construção das embaixadas da Alemanha e do Japão, uma escola, um ginásio e de toda a canalização principal da capital afegã.

Telecomunicações – Ruínas relembram também a presença do grupo farmacêutico Hoechst, em atividade no Afeganistão até 1999. Tanto tempo a Siemens não conseguiu ficar. A empresa manteve suas atividades no país, principalmente no setor de telecomunicações, apenas até o início dos anos 80. "O interesse em voltar ao Afeganistão existe, é claro", afirma uma porta-voz da empresa.

Se a Siemens pretende investir no setor de telecomunicações ou em outros projetos, só deve ser definido in loco. Para isso, um representante da empresa deve acompanhar o assessor do Ministério da Economia, Siegmar Mosdorf, em sua viagem a Cabul no início de fevereiro próximo.

Também representantes da Thales ATM Air Traffic, antiga subsidiária da Siemens, devem acompanhar Mosdorf ao Afeganistão. Entre outros possíveis contratos, está a reconstrução do sistema eletrônico e de radares do aeroporto de Cabul, observa Hans Jörg Brandenburger, representante da empresa.

Incerteza – De forma geral, no entanto, paira um clima de incertezas entre o empresariado alemão. Os riscos de investimentos em um Estado falido são grandes e só serão enfrentados se o retorno for seguro.

O grupo Bilfinger Berger, de Frankfurt, por exemplo, anuncia que só se envolverá "com projetos de grande porte e completamente seguros", segundo Joachim Lemm, do Departamento Internacional da empresa.