Empresa que adquiriu aeroportos no Brasil é acusada de evasão fiscal na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 17.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Empresa que adquiriu aeroportos no Brasil é acusada de evasão fiscal na Alemanha

Parlamentar acusa Fraport, que obteve concessões dos aeroportos de Porto Alegre e Fortaleza, de manter empresas de fachada em Malta para pagar menos impostos na Alemanha.

O grupo alemão Fraport (Frankfurt Airport Services), que adquiriu as concessões dos aeroportos de Fortaleza e Porto Alegre no leilão realizado pelo governo federal nesta quinta-feira (16/03), é acusado de evasão fiscal na Alemanha.

Segundo o jornal Süddeutsche Zeitung, o conglomerado pertencente ao setor público e à iniciativa privada detém empresas de fachada em Malta, no Mar Mediterrâneo, e dessa maneira paga menos impostos na Alemanha. O estado de Hessen detém 31,32% da Fraport, 20% pertencem à cidade de Frankfurt e o restante à iniciativa privada.

Para a líder da bancada estadual do partido A Esquerda, Janine Wissler, é um escândalo que uma empresa com participação do setor público se dedique a práticas como essa. Segundo ela, é óbvio que a única razão para a existência das empresas em Malta é pagar menos impostos na Alemanha. "Um governo estadual que tolera a evasão fiscal praticada pela Fraport não pode ser considerado credível na luta por mais honestidade fiscal", afirmou Wissler.

Ter uma empresa em Malta não é ilegal, desde que as autoridades fiscais alemãs sejam informadas. Para o deputado Marius Weiss, do Partido Social-Democrata (SPD), "a ação é legal, mas isso não significa que seja legítima".

A secretária das Finanças do estado de Hessen, Bernadette Weyland (CDU), argumentou que a Fraport é uma empresa de capital aberto e, por isso, deve prestar conta a seus acionistas, além de competir no mercado internacional.

A Fraport adquiriu as concessões dos aeroportos de Fortaleza por um valor total de outorga de 1,5 bilhão de reais (425 milhões na assinatura) e de Porto Alegre por um total 383,5 milhões de reais (290,5 milhões à vista).

KG/ots/abr

 

Leia mais