Em vídeo de 46 minutos, Trump insiste em fraude eleitoral | Notícias internacionais e análises | DW | 03.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Em vídeo de 46 minutos, Trump insiste em fraude eleitoral

No que chamou de "o discurso mais importante" de sua presidência, republicano repete acusações sem provas para contestar a vitória de Biden. Twitter e Facebook colocam alertas na postagem.

Donald Trump

"Estas eleições foram roubadas. Todos sabem disso", disse Trump, sem apresentar provas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, divulgou nesta quarta-feira (02/12) um vídeo de 46 minutos, gravado na Casa Branca, no qual insiste em suas denúncias sem provas de fraude eleitoral na eleição presidencial nos EUA, vencida pelo democrata Joe Biden.

As afirmações de Trump contradizem as do procurador-geral William Barr, que um dia antes declarou que o Departamento de Justiça não encontrou provas de qualquer fraude que possa ter alterado o resultado da eleição presidencial dos EUA em 2020.

Tanto o Twitter como o Facebook colocaram alertas no vídeo de Trump. O Facebook acrescentou uma nota que diz que Biden é o vencedor da eleição.

Trump repetiu as acusações sem provas que a sua equipe de advogados tem feito e que têm fracassado sucessivamente nos tribunais dos estados decisivos, em especial o argumento de terem votado imigrantes e pessoas que "estão mortas há 25 anos".

Alegações sem provas

Na gravação, que Trump chamou de "o discurso mais importante" de sua presidência, ele declara: "Estas eleições foram roubadas. Todos sabem disso." Ele disse que houve uma "ação orquestrada" de declarar Biden como vencedor, sem apresentar qualquer prova.

O republicano, que teve a derrota certificada em todos os estados-chave, insistiu que a certificação dos resultados nesses estados tem de ser "adiada imediatamente" porque houve "milhões de votos emitidos de forma ilegal", afirmação de novo sem base em provas.

"Ainda há tempo de sobra para certificar o vencedor correto da eleição", disse Trump, em referência aparente à data de 14 de dezembro, quando o Colégio Eleitoralvai se reunir para oficializar a vitória de Biden.

O vídeo lança questões sobre até que ponto Trump pretende ir na sua campanha para tentar reverter a vitória de Biden. Aliados sugerem que ele poderá pressionar os republicanos no Congresso para não certificarem o resultado da votação no Colégio Eleitoral.

A recusa de Trump em reconhecer a derrota tem lhe custado o afastamento de vários líderes republicanos. Até mesmo o senador Mitch McConnell, líder do governo no Senado, que até aqui evitou se posicionar sobre as declarações de Trump, referiu-se esta semana à "nova administração" que assumirá no ano que vem.

AS/lusa/ap

Leia mais