Em tempos de Trump, arte explora mito e realidade americanos | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 11.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Arte

Em tempos de Trump, arte explora mito e realidade americanos

Remetendo a "American dream" e "American way of life", exposição indaga que imagem se tem dos Estados Unidos num momento em que o presidente do país deixa ambíguos conceitos de verdadeiro e falso.

William N. Copley, Bandeira imaginária para os EUA, tecido, 1972

William N. Copley, "Bandeira imaginária para os EUA", tecido, 1972

Os Estados Unidos têm um posto de tamanho destaque na cultura mundial que conceitos abstratos como American dream (sonho americano) e American way of life (modo de vida americano) são ensinados em salas de aula no mundo todo – e agora também tematizados na arte.

Desvendar o verdadeiro significado desses conceitos é o objetivo autodeclarado da exposição America! America! How Real is Real? (EUA! EUA! Quanto de real há na realidade?), em cartaz no Museu Frieder Burda na cidade alemã de Baden-Baden. A mostra traz 70 trabalhos de artistas americanos contemporâneos, entre eles, Roy Lichtenstein, Cindy Sherman, Eric Fischl e William N. Copley.

Leia também:As mentiras que mudaram a História

A princípio, estava planejada uma exposição para mostrar o grande acervo de obras de artistas americanos do museu em Baden-Baden, mas a eleição de Donal Trump para a presidência dos EU mudou tudo. 

"Logo ficou claro que, sob as circunstâncias de uma atitude política e um linguajar mutáveis e confusos por parte do então novo presidente americano [Donald Trump], a questão do que associávamos com os EUA nos levaria além da nossa coleção de expressionismo abstrato", relatou o curador Helmut Friedel.

Fotografia da artista americana Cindy Sherman é uma das obras da mostra em Baden-Baden

Fotografia da artista americana Cindy Sherman é uma das obras da mostra em Baden-Baden

Assim, a seleção dos trabalhos foi complementada com empréstimos. As obras de artistas como Jeff Koons, Cindy Sherman e Andy Warhol adicionam um componente atual à discussão proposta pela mostra. Trata-se de explorar a divergência entre fato e realidade num momento político em que é cada vez mais ambíguo o que é real ou falso. 

No início da exposição, serigrafias de Andy Warhol sobre fotos de criminosos, acidentes de carro e a cadeira elétrica são contrapostas com o mito do American way of life, muitas vezes glorificado por Hollywood e pela mídia.

Questões sobre o capitalismo e o comportamento dos consumidores, levantadas pelo movimento da pop art, ainda são temas centrais da arte americana contemporânea. A exposição mostra que não há respostas simples. Ela estimula a discussão sobre o papel dos EUA e sua memória visual.

Baden-Baden Ausstellung America! America! How Real is Real? (VG Bild-Kunst)

Robert Longo: tríptico "The Haunting" ("A assombração"), carvão sobre papel, 2005

Debate com a realidade

O artista Robert Longo aborda o impulso de documentar eventos noticiáveis 24 horas por dia: por meio de um tríptico com uma imagem em preto e branco dos aviões que atingiram o World Trade Center, em 2001.

Um autorretrato de Cindy Sherman como Marilyn Monroe dá prosseguimento à ideia de Andy Warhol de examinar com mais vagar o culto da celebridade e suas implicações na vida moderna.

"É muito importante para nós usar esta exposição para estimular uma troca de ideias sobre os temas atuais de 'atitude perante a verdade' e 'respeito pela verdade', tanto no âmbito individual quanto no contexto global", explicou o diretor do museu, Henning Schaper.

A mostra America! America! How Real is Real? pode ser visitada até 21 de maio de 2018 no Museu Frieder Burda, em Baden-Baden.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais