Em pronunciamento, Temer pede aprovação da reforma da Previdência | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 25.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Em pronunciamento, Temer pede aprovação da reforma da Previdência

Em discurso natalino, presidente afirma que polêmica reforma não é ideológica ou partidária, mas sim uma questão do futuro do país. Apesar dos baixos índices de aprovação a seu governo, ele fala de 2018 com otimismo.

Michel Temer

Temer: "Estamos abrindo as portas para um 2018 de mais estabilidade, de mais empregos, de mais realizações"

Em pronunciamento à nação neste domingo (24/12), o presidente Michel Temer fez uma retrospectiva de 2017 – segundo ele, um ano de "grandes desafios", mas também "conquistas importantes" – e voltou a defender que a reforma da Previdência seja aprovada.

"Quero dizer uma palavra sobre a reforma da Previdência: não é uma questão ideológica ou partidária. É uma questão do futuro do país e para garantir que os aposentados de hoje e os de amanhã possam receber suas pensões”, disse Temer,

O presidente citou o exemplo da Argentina, que acaba de aprovar sua reforma previdenciária. "Tenho plena convicção de que nossos parlamentares darão o seu voto e o seu aval para que isso também aconteça aqui", disse o presidente, conclamando os legisladores a votarem a favor das mudanças.

No último dia 14 de dezembro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maias, adiou para fevereiro do ano que vem o início da votação da polêmica reforma previdenciária. Para que seja aprovada uma mudança na Constituição, que é o caso da reforma da Previdência, Temer precisa de 308 votos favoráveis na Câmara, em dois turnos de votação.

Se aprovada, a proposta segue para o Senado. A reforma vem enfrentando resistência inclusive entre aliados de Temer, que temem que, se votarem a favor das mudanças, serão punidos nas urnas.

"Colocamos a economia em ordem"

Em cadeia nacional de rádio e televisão, Temer também afirmou que seu governo não adotou "modelos populistas” nem escondeu a realidade, destacando feitos econômicos.

"Em um curto espaço de tempo colocamos a economia em ordem, saímos da recessão e temos as taxas de juros mais baixas dos últimos anos”, disse o presidente. "O risco Brasil diminuiu e os investimentos estão de volta. A bolsa de valores registra alta após alta. O Produto Interno Bruto (PIB) também. A safra agrícola quebra recordes. A inflação está abaixo do piso. A balança comercial atingiu um superávit histórico. A indústria e o comércio dão sinais claros de revitalização.”

Segundo Temer, com a reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro, o número de vagas de emprego disponíveis será cada vez maior.

Desde que assumiu a presidência, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em agosto de 2016, Temer impulsionou uma agenda econômica com reformas profundas e um amplo pacote de privatizações e concessões a fim de reverter o desequilíbrio das contas públicas provocado pela recessão dos últimos anos.

Após dois anos de queda, a economia brasileira voltou a registrar um pequeno crescimento no primeiro trimestre deste ano – 1% em relação aos últimos três meses de 2016. No segundo trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 0,7% em relação ao período anterior, e no terceiro, apenas 0,1%.

O presidente conclui seu discurso ainda que o momento é de "esperança” e "otimismo". "Estamos abrindo as portas para um 2018 de mais estabilidade, de mais empregos, de mais realizações."

Segundo a mais recente pesquisa Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada em 20 de dezembro, apenas 6% dos brasileiros consideram o governo Temer bom ou ótimo. Ao mesmo tempo, 74% veem a gestão como ruim ou péssima.

LPF/abr/efe

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais