Em Minas, o medo de viver perto de uma barragem | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Em Minas, o medo de viver perto de uma barragem

Ouro Preto, patrimônio da Humanidade, é uma das cidades mineiras próximas de barragens da mineração com risco de rompimento. Nelas, moradores estão inseguros e agora cobram explicações das mineradoras e autoridades.

Riqueza histórica e cultural de Ouro Preto atrai visitantes de todo o mundo

Riqueza histórica e cultural de Ouro Preto atrai visitantes de todo o mundo

Com mais de 70 mil habitantes, Ouro Preto recebe 1 milhão de turistas por ano e é um dos principais destinos para estrangeiros no Brasil. Foi a primeira cidade brasileira a receber o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, em 1980. Devido a exploração do ouro, a cidade já foi a maior da América, no século 18, e palco da Inconfidência Mineira.

Essa riqueza material, histórica e cultural, porém, poderá se perder caso uma das várias barragens próximas a Ouro Preto se rompa.

Essa é a preocupação de um relatório da Agência Nacional de Águas (ANA), que classificou cinco barragens em Minas Gerais como construções com "alto risco de rompimento" e "alto potencial de dano", capazes de causarem tragédias, caso colapsem, com a mesma proporção do ocorrido em Brumadinho, no dia 25 de janeiro, que já deixou mais de cem mortos.

Uma dessas barragens altamente perigosas está justamente na histórica Ouro Preto. Trata-se da Barragem Água Fria, da Topázio Imperial Mineração, que contém rejeitos de uma mineração de topázio e é classificada com sendo de "alto risco de danos" tanto à população como ao meio ambiente.

Outras barragens da região, contudo, também preocupam os moradores, principalmente por causa da proximidade com as áreas urbanas. Eles dizem que o medo é muito anterior às tragédias de Mariana, em 2015, e a atual, de Brumadinho. Em 2008, por exemplo, houve vazamento das barragens do Vigia e Auxiliar do Vigia, da Nacional Mineração (Namisa), após período de chuvas. Na época, as partes mais baixas da área rural de Ouro Preto e um bairro de Congonhas, cidade a 56 km de Ouro Preto, foram inundadas.

Em 2018, o jornal Estado de Minas denunciou que um capitão do Corpo de Bombeiros de Congonhas foi removido após afirmar que a barragem de rejeitos Casa de Pedra, da Companhia Siderúrgica Nacional, tinha estrutura "propensa a rompimento". A Casa de Pedra, entre Ouro Preto e Congonhas, é uma das maiores barragens de mineração do mundo localizada em área urbana.

Nesta terça-feira (29/01), 300 moradores se reuniram no distrito de Antônio Pereira, a 16 km de Ouro Preto, com autoridades do município-sede, cobrando informações da Vale sobre a Barragem do Doutor, localizada a menos de 1 km de áreas habitadas de Antônio Pereira e que se encontra em fase operacional de contenção de rejeitos de minério de ferro.

O ativista e vereador Vander Leitoa diz que a Vale afirma não haver risco com a Barragem do Doutor, mas representantes da mineradora não compareceram à reunião para esclarecerem as dúvidas dos moradores.

"Todos estão com medo", afirma um morador de Antônio Pereira que não quis ter o nome divulgado. "Como conviver com uma barragem a menos de 500 metros na nossa comunidade e a Vale não ter um plano emergencial para os moradores?"

O morador relata que, durante a reunião, foi formada uma comissão que levará as demandas diretamente para os representantes da Vale. "Queremos saber como a barragem de Brumadinho rompeu se ela tinha risco considerado mínimo pela Vale? Como as sirenes em Brumadinho não dispararam? Como vamos confiar que as barragens de nossa região estão seguras?", diz. "Queremos medidas de segurança."

Sirene ineficiente e poeira no ar

O morador de Antônio Pereira conta que, em 2018, após pedido da população, a Vale instalou sirenes na Barragem do Doutor. "Mas, para nós, da comunidade, essas sirenes não são confiáveis, pois já houve disparos sem acontecer nada! Quando perguntamos para os representantes da Vale sobre o porque dos disparos, eles falaram que era um teste. Como pode ter sido um teste sem terem avisado ninguém da comunidade?" Outra reclamação é que a sirene não pode ser ouvida em alguns pontos do distrito. 

Uma antiga moradora de Ouro Preto, que não quis se identificar, afirmou que sempre foi contrária à construção dessas barragens de rejeitos na região e que, desde que elas entraram em funcionamento, não se sente mais segura. A moradora reclama que Ouro Preto costuma ter uma poeira vermelha no ar em função das barragens. 

O morador de Antônio Pereira conta que a poeira pode ser vista do seu distrito. "Para eliminar essa poeira vermelha foi construído um sistema que joga água no topo da barragem, mas tem dias que nada é suficiente para limpar o ar", reclama.

Ejane Aparecida, moradora de Antônio Pereira, que já trabalhou para a Samarco, mineradora controlada pela Vale, afirma que as mineradoras são economicamente importantes para a região. "A Vale oferece muitas oportunidades para nós e é boa para os funcionários. O que estamos questionando são essas barragens, que poderiam ser em outro lugar, longe da área urbana, ou feitas de outra maneira que não prejudicasse as pessoas e o meio ambiente."

Natural de Mariana, Ejane tem conhecidos que trabalhavam em Bento Rodrigues no momento em que a Barragem do Fundão se rompeu, em 2015, e, desde então, passou a se preocupar com as barragens. "Estamos assustados, fica difícil ficar tranquilo com uma barragem em cima de nossa comunidade depois dessas tragédias", conta a moradora. "Eu não tenho dormido bem e qualquer barulho me assusta. Espero que isso passe logo."

Um terceiro morador de Antônio Pereira, que não quis ter o nome publicado, discorda de Ejane. "Os grandes empresários dessas mineradoras estão poucos se importando com os acontecimentos", afirma. "Já se passaram três anos da tragédia em Mariana e não se vê mudança alguma na região."

Além da insegurança que sente por morar perto de barragens, o morador também se incomoda com a poeira no ar da cidade. "Trabalho prestando serviços para essas mineradoras. Lembro que estive exatamente onde a barragem do Fundão se rompeu dias antes da tragédia. Naquele dia, deu uma chuva de poeira gigantesca na região que me assustou", conta. O morador perdeu um amigo na tragédia de Brumadinho, cujo o corpo ainda não foi localizado.

Mais da metade em Minas

Duas outras barragens em Minas Gerais classificadas pela ANA com alto risco de rompimento estão na região metropolitana de Belo Horizonte, outra na cidade de Itabirito e uma no município de Rio dos Machados. Somente esta última não é barragem semelhante às que se romperam em Mariana, em 2015, e em Brumadinho.

Em todo o Brasil, há 3.387 barragens de diversas finalidades consideradas instáveis, com riscos ambientais, econômicos e sociais considerados altos. Dessas, 1.862, ou 59%, estão em Minas Gerais, sendo que 203 são barragens de rejeito de mineração. De acordo com o governo federal, essas barragens passarão imediatamente por uma intensa fiscalização.

Em 2015, a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam) afirmara que a Barragem do Fundão, de propriedade da Samarco e localizada na região de Mariana, tinha "estabilidade garantida pelo auditor". A de Brumadinho nem mesmo era considerada de alto risco pela ANA.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais