Eleições do Peru ocorrem após campanha tumultuada | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 10.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Eleições do Peru ocorrem após campanha tumultuada

Escolha do novo presidente do país acontece após corrida marcada por denúncias de compra de votos, mortes e uma favorita cujo pai é um ex-ditador, preso por ordenar massacres e por desvio de dinheiro público

Candidatos peruanos à presidência Fujimori, Kuczynski e Mendoza

Candidatos peruanos à presidência Keiko Fujimori, Pedro Pablo Kuczynski e Veronika Mendoza

Os peruanos foram às urnas neste domingo (10/04) em uma eleição tumultuada, marcada por denúncias de compra de votos, mortes, e uma candidata favorita na corrida presidencial cujo pai é um ex-ditador, atualmente preso por ordenar massacres.

Cerca de 23 milhões de eleitores foram convocados para votar neste país de 30 milhões de habitantes, onde o voto é obrigatório.

Rígidas novas leis eleitorais fizeram que quase metade dos candidatos desistisse ao longo da campanha eleitoral, deixando a populista de direita Keiko Fujimori como a favorita, em meio a acusações de que ela distribui presentes a seus eleitores em troca de votos. "Eu tenho a firme convicção de que, com a ajuda de Deus, vou me tornar a primeira mulher presidente do Peru", afirmou ela, diante de milhares de simpatizantes em um comício antes da votação.

Keiko, de 40 anos, é filha de Alberto Fujimori, cujos 10 anos na presidência, entre 1990 e 2000, ainda estão frescos na memória de muitos peruanos. Ele está cumprindo uma pena de prisão por crimes contra a humanidade, depois de tribunais o considerarem culpado pelo assassinato de 25 pessoas que ele afirmava serem terroristas em 1991 e 1992. Além disso, ele também foi condenado por desvio de fundos do Estado.

Assistir ao vídeo 01:04
Ao vivo agora
01:04 min

Peruanos protestam contra Keiko Fujimori

Rebeldes maoístas e ataque

Alguns peruanos, no entanto, têm uma opinião menos negativa do velho Fujimori (e, portanto, de sua filha) pelo seu papel em reprimir o grupo guerrilheiro maoísta Sendero Luminoso.

O conflito de longa data foi reavivado no sábado, quando três soldados e um civil foram mortos em um ataque executado supostamente por membros remanescentes do Sendero Luminoso, que ainda estão escondidos na selva.

Em comunicado, a missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) enviou condolências aos familiares das vítimas e rejeitou "veementemente qualquer tipo de violência que vise afetar o desenrolar pacífico das eleições".

Três pesquisas de opinião separadas publicadas na sexta-feira deram a Fujimori um terço dos votos, claramente à frente de seus rivais mais próximos Pedro Pablo Kuczynski, um ex-primeiro-ministro e banqueiro de Wall Street, e Veronika Mendoza, uma parlamentar de esquerda.

Embora Fujimori esteja lidere as intenções de voto, o ganhador precisa da maioria absoluta para se eleger presidente e, por isso, provavelmente será necessário um segundo turno, a ser realizado em junho.

MD/afp/ dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados