Economia da Alemanha desacelera em 2019 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Economia da Alemanha desacelera em 2019

Em meio ao Brexit, disputa comercial entre EUA e China e crise na indústria automobilística, país registra crescimento anual de apenas 0,6%. Pressão por mais investimentos do Estado deverá aumentar.

Construção civil ajudou a manter o PIB alemão positivo em 2019

Construção civil ajudou a manter o PIB alemão positivo em 2019

A economia da Alemanha desacelerou em 2019 e registrou alta de apenas 0,6%, bem abaixo dos crescimentos de 2,5% em 2017 e de 1,5% em 2018, anunciou nesta quarta-feira (15/01) o Departamento Federal de Estatísticas (Destatis) do país, com base em dados preliminares.

Economistas apontam as incertezas causadas pelo Brexit e pelo conflito comercial entre os Estados Unidos e a China, bem como a crise no setor automobilístico, como os principais fatores para a desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB).

O crescimento se deu graças ao consumo, que registrou alta de 1,6%, e à boa conjuntura no setor da construção civil, com alta de 3,8%. Os gastos e investimentos do Estado também aumentaram de um ano para o outro.

"Que a economia alemã ainda tenha conseguido crescer deve-se ao forte consumo interno e à construção civil", comentou o economista Claus Michelsen, do instituto econômico DIW.

Apesar de menor, a alta de 2019 foi a décima consecutiva e encerrou uma "década dourada" de crescimento para a economia alemã, iniciada logo após a crise econômica mundial de 2008 e 2009. É o maior período de crescimento econômico desde a Reunificação.

A década que se inicia pode não ser tão positiva. Economistas veem elevados riscos na continuidade da guerra comercial entre a China e os EUA, nas políticas protecionistas adotadas por outros países, na crescente concorrência da China, no envelhecimento da população alemã e na crise instalada na indústria automobilística, que tenta a duras penas fazer a transição dos motores a combustão para os carros elétricos.

O baixo crescimento do PIB em 2019 deve inflar o debate sobre os investimentos do Estado, vistos pela oposição e por setores do Partido Social-Democrata (SPD), que está no governo, como necessários para estimular a conjuntura.

O governo alemão, porém, se mantém firme na decisão de não fazer novas dívidas e de gastar apenas o que arrecada. Essa posição é defendida pelo ministro das Finanças, Olaf Scholz, que é do SPD.

Em 2019, governo federal, estados e municípios tiveram um superávit orçamentário de 49,8 bilhões de euros, equivalente a 1,5% do PIB. No ano anterior, o excedente havia sido de 62,4 bilhões de euros, ou 1,9% do PIB.

AS/dpa/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

503 Service Unavailable

No server is available to handle this request.