Economia alemã deve recuar 9,8% no segundo trimestre | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Economia alemã deve recuar 9,8% no segundo trimestre

País está diante de seu pior desempenho trimestral já registrado, preveem institutos de pesquisa. PIB deve cair 4,2% em 2020, e desemprego pode subir para quase 6% devido a medidas para conter o coronavírus, apontam.

Aviões enfileirados em chão de aeroporto

Aviões ficam no chão e fábricas automotivas, vazias, para conter víru

De acordo com os maiores institutos econômicos da Alemanha, o Produto Interno Bruto (PIB) do país deverá encolher em 4,2% este ano devido à pandemia do coronavírus, e somente no segundo trimestre do ano, a economia deverá recuar 9,8% em decorrência das medidas de isolamento social.

Divulgada nesta quarta-feira (08/04), a avaliação intitulada "Economia em choque – política financeira resiste", que serve de orientação para o governo alemão, alerta que a situação econômica da Alemanha ainda pode piorar.

"A pandemia poderia desacelerar mais lentamente do que o esperado, e a retomada da atividade econômica poderia ter menos êxito e impulsionar uma nova onda de contágio", diz o texto conjunto. O relatório foi elaborado por cinco órgãos de pesquisa econômica na Alemanha: DIW, IFO, IFW, IWH e RWI. 

Segundo os especialistas, medidas adicionais para conter o avanço da infecção pelo coronavírus Sars-Cov-2, causador da doença pulmonar covid-19, poderiam paralisar a produção por mais tempo do que o previsto ou mais amplamente, levando à  falência de empresas.

No primeiro trimestre, a previsão é de que o desempenho econômico da Alemanha tenha encolhido 1,9%. O declínio de 9,8% previsto para o segundo trimestre seria o mais intenso desde 1970, quando o desempenho trimestral começou a ser calculado, e mais do que o dobro da queda avaliada durante o primeiro trimestre de 2009, na esteira da crise financeira global.

Alinhada a essa projeção, a Federação Alemã da Indústria (BDI) previu na última segunda-feira que o PIB do país poderá sofrer contração de 3% a 6% este ano se a atividade econômica ficar suspensa por até seis semanas. 

O núcleo industrial da Alemanha está no epicentro da pandemia do coronavírus. O governo anunciou medidas de distanciamento social em meados de março para conter a disseminação do Sars-Cov-2, causando a quase paralisação de vários setores importantes, como a aviação, a produção automotiva e o comércio. 

Na terça-feira, pequenas e médias empresas na Alemanha aumentaram a pressão para que o governo levante as restrições. O maior sindicato dessas companhias pediu um debate intenso sobre uma estratégia de saída para a crise. 

Porém, apesar de etapas de alívio das restrições anunciadas pela Dinamarca e pela Áustria e sinais de que o número de casos na Alemanha possam estar chegando ao nível máximo, a chanceler federal Angela Merkel insistiu que ainda é muito cedo para definir uma data de reativação da economia do país. 

Economicamente, a Alemanha depende fortemente dos estados da Baviera, de Baden-Württemberg e da Renânia do Norte-Vestfália, os mais atingidos pela pandemia. Essas regiões sediam gigantes corporativos, como as montadoras Mercedes Benz, Porsche e BMW, além de empresas como a E.On, ThyssenKrupp e Allianz. Os três estados concentram dois terços dos cerca de 108 mil casos confirmados de infecção pelo coronavírus no país.

Desemprego em quase 6%

"A recessão deixa marcas profundas no mercado de trabalho e no orçamento do Estado", afirma o diretor de conjuntura do Ifo, Timo Wollmershäuser. "No pico [da crise], a taxa de desemprego subirá para 5,9% este ano", projeta o especialista, que diz também que o número de trabalhadores com jornada de trabalho reduzida (Kurzarbeiter, em alemão) deverá aumentar para 2,4 milhões. O programa de Kurzarbeit foi implementado na Alemanha para minimizar as demissões durante a crise de 2008. 

De acordo com Wollmershäuser, porém, a Alemanha tem boas condições de lidar com a recessão e de chegar ao nível econômico que teria alcançado sem a crise. O especialista apontou que a situação financeira confortável permite ao Estado adotar medidas amplas para amortecer as consequências negativas de curto prazo para empresas e domicílios. Essas medidas deverão resultar num déficit recorde de 159 bilhões de euros na Alemanha em 2020.

Para o próximo ano, os pesquisadores preveem recuperação econômica e um crescimento de 5,8%.

RK/rtr/dpa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais