1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Philippinen Präsident Rodrigo Duterte
Foto: picture-alliance/AP Photo/B. Marquez

Duterte pede desculpas a judeus após se comparar com Hitler

2 de outubro de 2016

Presidente das Filipinas diz que não quis denegrir memória dos seis milhões de judeus mortos pelos nazistas, dois dias depois de se comparar com Adolf Hitler e usar Holocausto como modelo para sua campanha contra drogas.

https://www.dw.com/pt-br/duterte-pede-desculpas-a-judeus-ap%C3%B3s-se-comparar-com-hitler/a-35943357

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, pediu desculpas à comunidade judaica neste domingo (02/10) pelo comentário no qual se comparou com Adolf Hitler e usou o Holocausto como modelo para sua violenta campanha contra o narcotráfico.

Duterte disse na sexta-feira que "gostaria massacrar" os três milhões de drogados que há no país, tal como o líder nazista fez com milhões de judeus, para "salvar a próxima geração da perdição".

"Jamais houve a intenção de minha parte de denegrir a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos alemães", disse o presidente na abertura de um festival em Negros Ocidental, no centro do arquipélago.

Presidente das Filipinas se compara a Hitler

"Peço desculpas profundas à comunidade judaica", acrescentou Duterte, segundo a rede de televisão GMA.

A comparação feita por Duterte provocou a apresentação de um protesto formal da Alemanha perante a embaixada filipina em Berlim, a rejeição da ONU e críticas dos Estados Unidos, que qualificaram as palavras do líder filipino de "profundamente perturbadoras".

Duterte defende como necessária a campanha que iniciou em junho para acabar com o tráfico de drogas no país que, segundo números oficiais, deixou mais de 3,5 mil mortos, apesar das críticas da ONU, dos EUA, da União Europeia e de organizações de defesa dos direitos humanos.

O líder ganhou com folga as eleições com a promessa de acabar com o narcotráfico nos primeiros seis meses de mandato, e desde então pediu em várias ocasiões à polícia e aos cidadãos que matem narcotraficantes e consumidores de drogas.

FC/efe/dpa