1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Deutschland LKW nach dem Anschlag am Breitscheidplatz in Berlin
Foto: Reuters/H. Hanschke

Dono quer reaver caminhão do ataque de Berlim

25 de fevereiro de 2017

Empresário polonês enfrenta problemas financeiros e necessita do veículo para evitar falência da sua transportadora. Automóvel usado em atentado contra mercado de Natal está retido desde dezembro pela Justiça alemã.

https://www.dw.com/pt-br/dono-quer-reaver-caminh%C3%A3o-do-ataque-de-berlim/a-37717897

O dono do caminhão usado no atentado do mercado de Natal em Berlim pede que o veículo seja devolvido rapidamente, porque sua empresa enfrenta problemas econômicos. Ariel Zurawski disse em entrevista à televisão polonesa neste sábado (25/02) que sua transportadora tem prejuízo por não poder usar o caminhão, que continua retido pela Justiça alemã.

Zurawski disse à emissora TVN24 que passa por dificuldades financeiras e sua firma está ameaçada de falência. Ele diz que perdeu a carga que era transportada. "Nem mesmo eu sei que o valor da mercadoria, já que ninguém quer me dizer, porque é um segredo comercial. Além disso, a procuradoria alemã não entrou em contato conosco para nos dizer o que vai acontecer com a carga. Então eu temo que acabarei ficando sozinho com este problema", lamentou.

O empresário afirmou que o caminhão estava transportando vigas metálicas, que já estão cobertas de ferrugem e se tornaram inutilizáveis. Ele disse que a carga estava segurada, mas não contra "atos de terrorismo".

Após notícias sobre a situação financeira do empresário polonês, muitas pessoas ofereceram dinheiro para ajudá-lo. Zurawski frisou em sua página no Facebook que não quer "esmolas" e pediu para que as pessoas parem de fazer doações. Ele afirmou que quer continuar vivendo do próprio trabalho e que, por isso, necessita que seu caminhão seja liberado o quanto antes.

O caminhão foi roubado pelo tunisiano Anis Amri, que usou o veículo para invadir um mercado de Natal em Berlim em 19 de dezembro, matando 11 pessoas e ferindo dezenas de outras. O motorista do caminhão, primo de Zurawski, foi morto por Amri.

MD/efe/dpa