Do brasileiro cordial a Bolsonaro | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 10.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Cartas do Rio

Do brasileiro cordial a Bolsonaro

Candidato de extrema direita apela aos instintos mais baixos do ser humano, e seus apoiadores incitam ao ódio e à violência. Não é necessário ser vidente para saber que um governo de pessoas assim resultará no caos.

Jair Bolsonaro será o próximo presidente da República. Não é necessário ser vidente para saber disso. É quase impossível que Fernando Haddad ainda consiga vencer a eleição.

O Brasil entrará, então, numa nova fase da autodestruição. Pois o projeto que Bolsonaro personifica não é positivo: ele não desperta alento nas pessoas, não cria esperanças no futuro nem se apresenta com ideias progressistas e modernas para um Brasil melhor.

Bem ao contrário: ele apela aos instintos mais baixos. Ele representa aquilo que o ser humano tem de pior. Ignorância, avareza, prepotência.

Siga a DW Brasil Instragram

Isso ficou evidente já na noite da eleição. Em Teresina, um homem com uma camiseta vermelha foi espancado em via pública por uma turba. Em Salvador, um apoiador de Bolsonaro matou um professor de capoeira a facadas porque este não gostava de Bolsonaro. No pequeno vilarejo no Maranhão onde agora estou, um jovem de 18 anos me disse que em breve iria providenciar uma arma, como prometido por Bolsonaro, "para acertar contas".

Mas é principalmente nas redes sociais que o ódio dos apoiadores de Bolsonaro pode ser percebido. Adversários são ameaçados sem qualquer pudor: sabemos onde você mora, sua família não está mais segura, logo você será morto.

Uma amiga minha, negra, foi incluída num grupo de Whatsapp no qual ela sofreu ameaças de cunho racistas e sexista. Outros negros receberam mensagens no Facebook como esta: "Vc quer ir embora meu brother? Então vai! Aqui é 17 sim! Vai ter arma de fogo sim! O futuro Dono do Brasil não gosta de vcs, e se ele quiser ver vcs de perto ele vai num zoológico."

Há pessoas que sentem prazer nesse tipo de coisa, e a ascensão de Bolsonaro faz com que elas se sintam encorajadas.

Também eu sou xingado cada vez mais por causa da minha coluna na DW. Chamam-me de "parasita" e dizem que eu deveria voltar correndo para a Alemanha. Um homem escreveu, no meu Facebook, que eu sou "um esquerdista desesperado".

Mas não precisa ser um "esquerdista" para ser contra Bolsonaro. Bastam decência, humanidade e senso crítico. Qualquer conservador com valores e coragem estaria se posicionando contra ele. Eu teria gostado de ver o Ciro ou até o Alckmin no poder, dois gestores capazes.

Agora me pergunto por que 49 milhões de brasileiros se sentem representados por um homem que, em toda a sua vida, não fez muito mais do que passar 27 anos sentado no Parlamento, embolsando um tremendo salário. Nesse período, ele nunca se importou em ofender pessoas e falar grosso. Aí ele colocou os próprios filhos nesse negócio lucrativo que é ser político no Brasil. Também eles não se importam em ofender pessoas e espalhar o ódio.

E essa família é ovacionada pelas massas. Como explicar isso para alguém de fora? O Brasil não queria ser um país sério?

Em 1936, o historiador Sérgio Buarque definiu o arquétipo do brasileiro como "o homem cordial", em seu livro fundamental Raízes do Brasil. Poucos anos depois, o escritor austríaco Stefan Zweig considerava o Brasil "o país do futuro" sobretudo porque, aqui, ele acreditava não ver nem fanatismo racista nem nacionalismo. Por mais distorcida que fosse essa percepção, muitos brasileiros e estrangeiros acreditaram nela.

Com Jair Bolsonaro, o homem cordial virou o homem horrendo.

Sem nenhum pudor ele mostra uma impressionante incompetência. Não tem uma resposta para nenhuma das questões importantes do nosso tempo. Parece não ter lido nada além do livro do coronel Ustra, um sadista que torturou pessoas. Bolsonaro não tem formação cultural – e tem orgulho disso.

O governo de Bolsonaro vai atrair um monte de radicais de direita e oportunistas. A corrupção vai aumentar e já agora dá para prever que o Brasil não vai se acalmar. O Brasil vai sair mais dividido dessas eleições.

Para desviar a atenção dos próprios fracassos, Bolsonaro e sua gente vão atacar cada vez mais seus adversários políticos e as minorias. É essa a estratégia que fez Bolsonaro crescer. É a estratégia de todos os sistemas fascistas. A sociedade é lançada num estado de guerra interna permanente: contra os moradores de favelas, os indígenas, os defensores de direitos humanos e ativistas ambientais. E contra os "esquerdistas".

A história está cheia de exemplos: um gritalhão fascinado por militares chega ao poder. Depois demora anos para lidar com a destruição que ele e seus seguidores causaram.

Philipp Lichterbeck queria abrir um novo capítulo em sua vida quando se mudou de Berlim para o Rio, em 2012. Desde então, ele colabora com reportagens sobre o Brasil e demais países da América Latina para os jornais Tagesspiegel (Berlim), Wochenzeitung (Zurique) e Wiener Zeitung. Siga-o no Twitter em @Lichterbeck_Rio.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Links externos