Dificuldades da Alitalia expõem crise da aviação civil européia | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 24.09.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Dificuldades da Alitalia expõem crise da aviação civil européia

Os altos preços do petróleo colocam em risco a existência de companhias aéreas menores e acabam favorecendo as gigantes, como a alemã Lufthansa, a britânica British Airways e a franco-holandesa Air France-KLM.

default

Caso Alitalia pode ser só o primeiro de uma onda de quebras e fusões que mudará o setor

A companhia aérea italiana Alitalia tem até esta quinta-feira (25/09) para apresentar um plano de recuperação financeira ou, no mínimo, uma oferta para a compra da empresa. Do contrário, perderá a licença de vôo. O ultimato foi dado nesta segunda-feira pela Enac, o órgão responsável pela aviação civil da Itália.

Para o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, as chances de sobrevivência da Alitalia estão no consórcio Companhia Aérea Italiana (CAI), uma sociedade formada por 16 empresários italianos. Mas a CAI retirou na semana passada uma oferta bilionária por não conseguir a aprovação de parte dos sindicatos. Ainda assim, assessores de Berlusconi negociam com a CAI e o governo mantém as esperanças de que o consórcio salve a companhia aérea.

Berlusconi também não descarta participações acionárias minoritárias das gigantes Lufthansa, Air France-KLM e British Airways. Já a própria Alitalia, pressionada, resolveu publicar nesta terça-feira anúncios em jornais para apresentação de ofertas por um ou mais setores da empresa.

Crise no setor

Fato é que a Alitalia não é a única companhia aérea européia em dificuldades. A escandinava SAS e a austríaca Austrian Airlines não estão numa situação tão desesperadora como a empresa italiana, mas para ambas procura-se um comprador.

Nos dois casos, o comprador em potencial é a alemã Lufthansa. Segundo a imprensa alemã, o conselho de administração da Lufthansa se reunirá nesta quarta-feira para decidir sobre a participação da empresa em outras companhias aéreas.

Lufthansa steigt bei Brussels Airlines ein

A Lufthansa incorporou há pouco a belga Brussels Airlines

A Lufthansa não confirma nem desmente a informação. Mas desde meados de setembro, quando a companhia alemã incorporou a Brussels Airlines, especialistas do setor esperam uma grande onda de fusões e aquisições na Europa. Principais motivos da crise são os altos preços do petróleo, o desaquecimento da economia e a queda no número de passageiros.

Grandes saem ganhando

Como lembra o analista Ulrich Horstmann, do banco alemão Bayerische Landesbank, as companhias que não são sólidas do ponto de vista financeiro são as primeiras a enfrentar dificuldades.

Para ele, quem sai ganhando com a atual conjuntura são as gigantes do setor, notadamente a Lufthansa, a Air France-KLM e a British Airways. "A tendência é favorável às grandes, e as pequenas companhias deverão sumir do mapa", afirmou.

O mesmo afirma o consultor Douglas McNeil, do banco de investimentos britânico Blue Oar Securities. Para ele, o aumento do preço do petróleo vai transformar a indústria do transporte aéreo, e mais de 50 companhias estão em risco de desaparecer.

Um relatório do Blue Oar afirma que, no grupo das sobreviventes, estão a Lufthansa, a Air France-KLM e a British Airways, que se beneficiam do seu poder financeiro e da flexibilidade de determinar preços.

Lufthansa: disposição de comprar

Caso o preço do petróleo aumente ainda mais e a conjuntura econômica continue esfriando, pode-se contar com novas quebras no setor aéreo, assegurou o analista.

A incorporação da SAS e da Austrian Airlines deixaria a Lufthansa mais próxima da líder do setor, a Air France-KLM. Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), a aliança franco-holandesa somou 203 bilhões de passageiros-quilômetros voados em 2007. Em segundo lugar vem a Lufthansa, com 147 bilhões. A SAS tinha 41 bilhões de passageiros-quilômetros voados no mesmo ano, e a Austrian Airlines, 17 bilhões.

A Lufthansa também cala sobre outras possíveis incorporações. Horstmann não elimina essa hipótese: com a aquisição da Brussels Airlines, a Lufthansa mostrou estar de olho no mercado e disposta a fazer compras. O analista também não descarta um possível ingresso na Alitalia.

"No final, é tudo uma questão de condições", avaliou. Para ele, nenhuma companhia séria estaria disposta a salvar a Alitalia nes atuais condições. Para a Lufthansa, o negócio seria interessante. "Mas não a qualquer preço", ressalvou.

Leia mais