Desenvolvimento humano cresce no Brasil, mas em ritmo menor | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Desenvolvimento humano cresce no Brasil, mas em ritmo menor

Estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) revela que qualidade de vida melhorou no país de 2011 a 2014, mas em passos mais lentos ante 2000-2010. Apenas a renda cresceu em ritmo mais acelerado.

O desenvolvimento humano cresceu no Brasil entre 2011 e 2014, mas em ritmo mais lento quando comparado à década anterior, informou o estudo Radar IDHM divulgado nesta terça-feira (22/11).

O relatório – parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro – compara 60 indicadores socioeconômicos usando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

De acordo com o estudo, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) brasileiro cresceu a uma taxa média anual de 1% entre 2011 e 2014, subindo de 0,738 para 0,761 e mantendo-se, assim, numa classificação considerada alta – quanto mais próximo de 1, maior é o desenvolvimento humano na região. Em comparação, o ritmo de crescimento no período de 2000 a 2010 foi de 1,7%.

Todas as três dimensões que compõem o IDHM – educação, renda e longevidade – apresentaram crescimento contínuo entre 2011 e 2014. O indicador de educação passou de 0,820 em 2011 para 0,836 em 2014, permanecendo muito alto. O de longevidade pulou de 0,676 para 0,706, subindo do nível médio para alto. Já o IDHM de renda cresceu de 0,718 para 0,741, mantendo-se alto.

Dos três subíndices, apenas a renda apresentou taxa de crescimento anual acima da verificada nos anos de 2000 a 2010, quando ficou em 0,7%. Entre 2011 e 2014, o ritmo de crescimento foi de 1,1%.

O IDHM de educação, por sua vez, cresceu anualmente a uma taxa de 1,5% entre 2011 e 2014, ante 3,4% no período anterior. Já o índice de longevidade, que havia registrado crescimento anual de 1,2% nos anos de 2000 a 2010, subiu apenas 0,6% ao ano no período avaliado neste último estudo.

A pesquisa analisou ainda 60 indicadores para o Distrito Federal e nove regiões metropolitanas. Segundo o relatório, todas apresentaram tendência de aumento do desenvolvimento humano, com destaque para Curitiba, Recife e Rio de Janeiro. Entre as que apresentaram os menores avanços estão as regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Belo Horizonte e São Paulo.

O Radar IDHM destaca que, apesar de os indicadores econômicos terem dado os primeiros sinais de desaceleração e estagnação entre 2011 e 2014, "a população brasileira não sofreu grandes impactos no período". De acordo com o relatório, isso se deve à "robustez dos programas sociais, que ofereceram apoio em dimensões básicas da vida humana, como saúde, educação e renda".

EK/abr/efe/lusa/ots

Leia mais