Desalojados ativistas que bloqueavam navio com soja brasileira | Notícias internacionais e análises | DW | 01.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

França

Desalojados ativistas que bloqueavam navio com soja brasileira

Greenpeace afirma que ativistas foram expulsos "sob ameaça" por funcionários portuários, e estes dizem que ato foi pacífico. ONG impedia descarga na França alegando que soja está "contaminada com desmatamento no Brasil".

Greenpeace pintou a mensagem 45 graus, zero comprometimento no casco de navio com soja do Brasil

"45 graus Celsius, zero comprometimento": ativistas do Greenpeace pintam mensagem no casco de navio com soja do Brasil

Cinco ativistas do Greenpeace que impediam o desembarque de uma embarcação do Brasil carregada de soja foram expulsos do porto de Sète, no sul da França, nesta segunda-feira (1º/07). A organização comunicou que os ativistas – que protestavam em defesa do meio ambiente – foram expulsos "sob ameaças" dos funcionários do porto, que negam a denúncia.

"Os ativistas do Greenpeace que ocuparam por três dias quatro guindastes portuários de Sète para travar a descarga de 50 mil toneladas de soja proveniente do desmatamento foram expulsos sob a ameaça virulenta de estivadores, enquanto as forças de ordem, normalmente responsáveis por garantir a segurança desse tipo de operação, permaneceram espectadoras", acusou a ONG em comunicado.

Membros do Greenpeace bloqueavam desde sexta-feira a descarga da embarcação brasileira a fim de "denunciar a falta de comprometimento do governo francês com as causas ambientais", já que a soja a bordo estaria "contaminada com o desmatamento no Brasil".

"Essa situação é inaceitável e extremamente séria", disse Suzanne Dalle, da campanha de agricultura do Greenpeace na França. "Esperamos três dias por respostas do governo à questão climática e ao desmatamento. No final, nossos ativistas são despejados por pessoas não autorizadas, agressivas e intimidadoras."

O diretor do porto de Sète, Marc Antoine, negou as acusações. "Sim, subimos com os operadores de guindastes. Conversamos com eles sem qualquer intervenção [policial]", disse. Segundo ele, os ativistas concordaram em descer e "tudo aconteceu com a maior gentileza".

O cargueiro ELLIREA saiu do porto de Cotegipe, em Salvador, e transportava 50 mil toneladas de farelo de soja, metade destinada à França e a outra metade, à Eslovênia.

Segundo o Greenpeace, a soja seria provavelmente usada para alimentar animais nesses dois países. O grupo denunciou ainda que por trás da cultura da soja "estão o desmatamento e as emissões massivas de gases de efeito estufa que estão aquecendo nosso planeta".

Para atrair atenções para sua causa ambiental, os ativistas do Greenpeace bloquearam o acesso do cargueiro ao cais – eles impediram o navio de atracar, com um ativista pendurado em sua âncora. Os quatro guindastes que seriam utilizados para descarregar a soja foram ocupados.

Faixas foram estendidas com os dizeres "Agricultura industrial = desmatamento" e "Aviso: soja de desmatamento". O casco do navio foi pintado com a mensagem "Assassino florestal".

"Enquanto a França está sufocada sob os efeitos da onda de calor, ela enviou um sinal muito ruim neste fim de semana na luta contra as alterações climáticas com a assinatura do acordo de livre-comércio entre a UE e o Mercosul, o que irá agravar ainda mais o desmatamento no Brasil e na América Latina", disse Suzanne Dalle.

A soja começou a ser descarregada na tarde desta segunda-feira, mas uma dúzia de ativistas ainda estava acorrentada a guindastes portuários, relatou o diretor do porto de Sète à agência francesa de notícias AFP.

PV/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais