1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
"Sem espaço para nazistas", diz faixa estendida em Colônia
"Sem espaço para nazistas", diz faixa estendida em ColôniaFoto: picture-alliance/dpa/R. Pfeil

Cronologia de atentados de extrema direita na Alemanha

Peter Hille as
20 de fevereiro de 2020

Violência e crimes cometidos pela extrema direita são registrados oficialmente no país desde 1990. Dados oficiais totalizam 94 mortos, mas analistas criticam autoridades e dizem que no mínimo 198 pessoas foram mortas.

https://www.dw.com/pt-br/cronologia-de-atentados-de-extrema-direita-na-alemanha/a-52446366

Vítimas do extremismo de direita são contabilizadas na Alemanha desde a Reunificação do país, em 1990. Desde então, foram 94 mortos registrados.

No entanto, analistas afirmam que muitos casos são registrados de forma errada pelas autoridades e que o número real de vítimas é bem maior, devendo chegar a, no mínimo, 198 mortos.

Os crimes incluem ataques a estrangeiros, judeus, muçulmanos, adversários políticos ou governantes. Confira alguns deles:

Ataque a dois bares de narguilé em Hanau, em 19 de fevereiro de 2020

Ataques subsequentes a dois bares de narguilé em Hanau, no oeste da Alemanha, resultaram na morte de nove pessoas que estavam nos locais. Horas depois, a polícia encontrou o cadáver do provável atirador na residência dele, em Hanau. No mesmo local foi encontrado o corpo de uma mulher. Investigadores também localizaram um bilhete do suposto atirador, no qual ele reivindica a autoria do crime, e um vídeo no qual ele faz declarações racistas. Promotores federais assumiram as investigações por causa da suspeita de que se trate de um crime perpetrado pela cena de extrema direita.

Ataque a uma sinagoga e a uma lanchonete de kebab em Halle em 2019

Em 9 de outubro de 2019, o neonazista Stephan B, de Eisleben, saiu de casa com a intenção de cometer um massacre de judeus. Ele alugou um carro, o encheu de armas e explosivos feitos em casa e vestiu uma roupa militar de combate, incluindo coturnos e capacete. Depois de fracassar na tentativa de entrar na sinagoga, onde estavam 51 pessoas, matou a tiros uma mulher que passava em frente ao local e pouco depois atacou uma lanchonete de kebab, matando um homem. Na fuga feriu mais duas pessoas. Ele acabou detido pela polícia. Ele registrou por escrito seu ódio a judeus e negros.

Assassinato do chefe de governo de Kassel

O então chefe do governo da cidade de Kassel, Walter Lübcke, foi assassinado diante de sua residência em 2 de junho de 2019, com um tiro na cabeça. O suspeito, o extremista de direita Stephan E., era conhecido da polícia desde os anos 1990 e já havia cometido vários crimes. Em 1993, ele atacara um centro de refúgio com uma bomba artesanal. As motivações de Stephan ainda não estão claras, nem se ele teve cúmplices. Lübcke pode ter virado alvo por ter se engajado pelo acolhimento de refugiados.

Ataques a centros de refugiados em 2015 e 2016

O aumento no número de refugiados, a partir do segundo semestre de 2015, logo se tornou o assunto principal na Alemanha. Em seguida aumentaram também o número de crimes que tinham refugiados como vítimas. O ápice dos ataques a centros de refúgio foi registrado em 2015 e 2016. Só neste ano foram 995 crimes registrados.

O grupo extremista Gruppe Freital, inicialmente criado como uma milícia civil, executou ataques com explosivos contra refugiados e seus apoiadores. Em 2018, oito pessoas foram condenadas por formação de grupo terrorista.

Outro grupo, o Oldschool Society, foi desmantelado pelas autoridades antes da execução de atentados com material explosivo. Em 2015, membros desse grupo neonazista foram detidos em cinco cidades alemãs.

Ataques com faca a políticos em 2015 e 2017

Os ataques a políticos que ocorreram em 2015 e 2017 foram executados por pessoas que agiram sozinhas e que não tinham contato com a cena terrorista de direita.

Em outubro de 2015, um extremista de direita feriu no pescoço, com uma facada, a então candidata à prefeitura de Colônia Henriette Reker. O agressor não concordava com as posições da candidata, que era conselheira municipal, sobre o acolhimento de refugiados. Reker sobreviveu por pouco e, no dia seguinte, venceu a eleição.

Em novembro de 2017, um homem de 56 anos colocou uma faca contra o pescoço do prefeito de Altena, Andreas Hollstein, que estava numa lanchonete. O dono do estabelecimento interveio, e Hollstein sofreu apenas ferimentos leves. "Você me deixa morrendo de sede, mas traz 200 estrangeiros para a cidade", disse o agressor ao prefeito.

Franco A.: o falso refugiado

O soldado alemão Franco A. foi preso em abril de 2017 porque investigadores suspeitaram que ele planejava um atentado terrorista para colocar a culpa em refugiados sírios. Para isso, Franco A. se registrou como refugiado de guerra vindo da Síria e solicitou refúgio na Alemanha.

Sua audiência foi em francês e conduzida por um soldado da Bundeswehr que recebera um treinamento de três semanas. Aparentemente, ele não percebeu que estava diante de um alemão que não falava árabe e que se apresentou como um cristão sírio educado num colégio francês na Síria.

Hoje Franco A. aguarda o julgamento do seu caso pela Justiça alemã. Franco tinha elaborado uma lista com possíveis vítimas, incluindo o hoje ministro do Exterior, Heiko Maas. O caso abriu um debate sobre a presença de extremistas de direita na Bundeswehr, as Forças Armadas da Alemanha.

O caso NSU

A organização terrorista NSU permaneceu por 13 anos despercebida. Seus integrantes Uwe Böhnhardt e Uwe Mundlos, dois neonazistas conhecidos da polícia, executaram atentados e mataram nove pessoas com origem estrangeira e uma policial.

Em novembro de 2011, os dois se mataram diante de iminência de serem descobertos de detidos pela polícia depois de um assalto a banco. A terceira integrante do grupo, Beate Zschäpe, foi condenada à prisão perpétua em julho de 2018 por cumplicidade nos assassinatos.

O caso NSU também gerou um amplo debate na Alemanha, desta vez sobre a possível subestimação dos riscos do terrorismo de direita pelas autoridades e pela imprensa. Ao longo de anos, os investigadores focaram no entorno social das vítimas e ignoraram a possibilidade de se tratar de uma série de crimes de motivação xenófoba.

Na imprensa, o caso foi tratado como Döner-Morden (assassinatos-döner, em tradução livre) por causa da origem estrangeira das vítimas e por duas delas trabalharem em lanchonetes de kebab. Döner é o nome alemão do kebab. As abordagens dos investigadores e da imprensa foram consideradas racistas.

Incêndios e ataques no início dos anos 1990

No início dos anos 1990, neonazistas puseram fogo em centros de refugiados e em casas de estrangeiros. Na época, a Alemanha debatia acaloradamente o direito de refúgio, e a violência de extrema direita alcançara um novo ponto alto. Os atos de violência deixaram vários estrangeiros feridos, por exemplo nos pogroms de Rostock-Lichtenhagen, em 1992.

Em Mölln, no mesmo ano, duas meninas de 10 e 14 anos e a avó delas morreram em decorrência de um incêndio criminoso na casa delas, causado por neonazistas que arremessaram explosivos contra a casa delas.

Em maio de 1993, em Solingen, cinco mulheres e meninas de origem turca morreram num incêndio semelhante.

Entre 1990 e 1993, 58 pessoas foram mortas em atos violentos executados por extremistas de direita. Uma delas foi o angolano Amadeu António Kiowa, que foi brutalmente atacado por um grupo de neonazistas em 24 de novembro de 1990. Jogado ao chão, Kiowa foi pisoteado na cabeça.

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter