Criticado pela gestão da pandemia, ministro da Saúde paraguaio renuncia | Notícias internacionais e análises | DW | 05.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Criticado pela gestão da pandemia, ministro da Saúde paraguaio renuncia

Titular enfrentava críticas pela falta de medicamentos para pacientes com covid-19 em hospitais e demora na aquisição de vacinas para o país.

Bandeira do Paraguai

Paraguai contabiliza 164.310 casos de infecção pelo coronavírus e 3.256 mortes desde o início da pandemia

O ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni, anunciou nesta sexta-feira (05/03) que deixará o cargo em meio a uma crise provocada pela falta de medicamentos nos hospitais públicos do país e críticas pela gestão da pandemia de covid-19.

"Decidimos em conjunto que eu deixo o cargo do Ministério da Saúde Pública para que possamos gerar a paz necessária para enfrentar este desafio. Tomara que essa decisão sirva para a união do país", disse o agora ex-titular da pasta, em declaração exibida pela televisão estatal paraguaia, após encontro com o presidente, Mario Abdo Benítez.

O anúncio ocorreu um dia depois de Mazzoleni ter garantido durante entrevista coletiva que não renunciaria, após pedido formal aprovado no Senado.

O ministro foi muito criticado durante a semana por grupos de médicos e outros funcionários do setor da saúde, que denunciaram a falta de medicamentos e insumos, especialmente os voltados para pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Além disso, o trabalho do ministério foi contestado diante da demora da chegada das vacinas ao Paraguai, que até agora se limitam a 4 mil doses da Sputnik V, que já foram aplicadas em profissionais de saúde.

Mazzoleni admitiu na quinta-feira que não poderia dar as datas exatas para a chegada de mais meio milhão de doses do imunizante produzido na Rússia, além de 4,3 milhões de doses que chegarão através do consórcio Covax, criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O ministro deixa o cargo num momento em que o Paraguai contabiliza 164.310 casos de infecção pelo coronavírus desde o início da pandemia e 3.256 mortes ligadas à covid-19.

De acordo com informações divulgadas pelo Gabinete da Presidência do Paraguai, o vice-ministro Julio Borba seguirá como ministro interino da Saúde, até a escolha de um sucessor a Mazzoleni.

jps/ek (Efe)

Leia mais