Crise venezuelana chega ao setor da aviação | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 25.03.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Crise venezuelana chega ao setor da aviação

Entre as empresas aéreas cresce a insatisfação com o governo do país, que retém valores obtidos com a venda de passagens. Dívida com o setor chega a 3,7 bilhões de dólares.

"É lamentável que companhias aéreas não consigam mais voar para a Venezuela. Nós pedimos ao governo que apresente um cronograma do pagamento das dívidas", afirma Jason Sinclair, porta-voz da Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata). Segundo ele, a Venezuela precisa cumprir suas obrigações contratuais e liberar, às empresas do setor de aviação, as receitas por elas obtidas no país.

A Iata congrega 240 companhias aéreas e corresponde a 84% da aviação mundial. Segundo a associação, a Venezuela está devendo cerca de 3,7 bilhões de dólares para as 24 companhias aéreas estrangeiras que operam no país. Há meses o governo em Caracas se nega a trocar os bolívares obtidos com a venda de passagens e fretes aéreos por dólares.

A situação está causando irritação na Iata. Em dezembro e janeiro, o chefe da associação, Tony Tyler, enviou correspondência ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pedindo uma solução para o problema. Até agora não recebeu resposta.

Assim, a Iata optou por elevar ainda mais a pressão sobre o governo venezuelano. O porta-voz da associação falou à DW que comunicou o problema à Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), uma agência das Nações Unidas à qual pertencem 191 países.

Crise econômica e política

Venezuela Präsident Nicolas Maduro

Maduro se recusa a liberar dinheiro de empresas aéreas

Para o economista Frederico Foders, do instituto econômico IfW, de Kiel, as dívidas com as companhias internacionais são somente a ponta do iceberg. "A Venezuela empurra cerca de 10 bilhões de dólares em dívidas com fornecedores", afirma Foders, acrescentando que o país se isola cada vez mais.

A fuga de capitais e a escassez de divisas estão por trás da dívida venezuelana. Justamente o país que possui a maior reserva de petróleo do mundo luta contra a rápida queda de suas reservas cambiais. Além disso, a exploração de petróleo está diminuindo, diminuindo ainda mais a receita com a exportação da matéria prima. A inflação anual subiu para 56%, e cada vez mais produtos desaparecem das prateleiras das lojas.

O país também está politicamente divido. O conflito entre oposição e seguidores do ex-presidente Hugo Chávez e seu sucessor Maduro se agravou perigosamente. Há meses milhares de venezuelanos protestam contra a crescente corrupção, a crise econômica e a criminalidade. Durante os protestos, 29 pessoas morreram.

Punição para as companhias

Bildergalerie Airlines Logo Lufthansa

Lufthansa voa para o país com aviões menores

Diante da insegurança e das grandes perdas financeiras, algumas companhias aéreas reduziram as conexões para a Venezuela. A Air Canada anunciou a suspensão de todos os voos para o país. A empresa equatoriana Tame também não tem mais rotas para o país vizinho. A colombiana Avianca planeja cortar 75% de seus voos. A Air Europa e Aeroméxico também diminuíram a frequência de seus voos.

A Lufthansa também se adaptou à nova situação. Em vez de voar com o Airbus A340 para Caracas, o trecho é feito com um avião menor, o modelo A330. "Nós não queremos desistir facilmente desse mercado, mas em algum momento vamos chegar ao nosso limite", disse o porta-voz da empresa, Boris Ogursky. Segundo fontes do setor, a companhia alemã perdeu 100 milhões de dólares nesse impasse.

Já o governo venezuelano ameaçou punir severamente as companhias aéreas que reduzirem ou cancelarem voos de e para a Venezuela. Após o anúncio feito pela Air Canada, Maduro declarou que quem deixar o país não voltará durante o seu mandato.

"Muitas venezuelanos altamente qualificados estão no Canadá, e eles voavam com a Air Canada. Caracas sabe disso", comenta Foders. O especialista em América Latina prevê uma aterrissagem forçada da economia venezuelana durante o governo de Maduro. "A Venezuela está gastando suas reservas cambiais para comprar alimentos no exterior. Nem Cuba se encontra nessa situação", argumenta Foders.

Leia mais