1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Profissionais de saúde em volta de leito em hospital
Dos pacientes com covid-19, 16,3% precisaram de cuidados nas UTIs, contra 10,8% dos internados com gripeFoto: Callaghan O'Hare/REUTERS
SaúdeGlobal

Covid-19 é quase três vezes mais letal do que a gripe

18 de dezembro de 2020

Pacientes infectados pelo coronavírus passam mais tempo em UTIs e precisam duas vezes mais de ventiladores. Entretanto, um número bem menor de crianças com covid-19 precisa de internação.

https://www.dw.com/pt-br/covid-19-%C3%A9-quase-tr%C3%AAs-vezes-mais-letal-do-que-a-gripe-diz-estudo/a-55990657

Uma pesquisa feita na França publicada nesta quinta-feira (17/12) no jornal científico The Lancet Respiratory Medicine concluiu que o índice de mortalidade entre os pacientes hospitalizados com covid-19 é quase três vezes maior do que as mortes causadas pela gripe do tipo influenza.

Os pesquisadores compararam dados de 89.530 pacientes com covid-19 em março e abril com outros 45.819 hospitalizados em razão da gripe sazonal entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019 na França.

Dos pacientes internados após infecção pelo novo coronavírus, 16,9% morreram durante o período do estudo, ante 5,8% de mortes entre as pessoas com gripes suficientemente graves para exigir internação.

Segundo o estudo, 16,3% das pessoas internadas com covid-19 precisaram de cuidados nas UTIs, contra 10,8% dos pacientes com gripe. O tempo de permanência nessas unidades de tratamento intensivo foi quase o dobro, com 15 dias em média, contra 8 dias dos demais. As pessoas infectadas pelo coronavírus também necessitam duas vezes mais de ventiladores.

A pesquisa, porém, traz alguns dados positivos sobre crianças. Um número bem menor de menores de 18 anos teve de ser hospitalizado por covid-19 (1,4%) do que pela gripe (19,5%).

A pesquisa contradiz declarações dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, que compararam o coronavírus ao vírus da gripe. O brasileiro − que desde o início da pandemia minimiza a covid-19 e, mais recentemente, as vacinas contra a doença − chegou a chamar a covid-19 de "gripezinha" durante um pronunciamento em cadeia nacional.

"Nosso estudo demonstra que a covid-19 é bem mais grave do que a gripe", afirmou em nota a médica Catherine Quantin, do Hospital Universitário de Dijon, na França. Ela destaca que as conclusões do estudo são particularmente alarmantes, considerando-se que a gripe na França em 2018/2019 foi a mais mortal em cinco anos.

RC/dpa/afp/rtr/ap