Coronavírus: Reino Unido amplia restrições sociais | Notícias internacionais e análises | DW | 23.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Coronavírus: Reino Unido amplia restrições sociais

Merkel tem teste negativo para covid-19. Alemanha registra mais de 22 mil casos, segundo instituto. Gestão de Bolsonaro é reprovada por 33%. Mais notícias desta segunda-feira sobre a pandemia de covid-19.

Boris Johnson

Boris Johnson fez pronunciamento para anunciar medidas

  • Mortes pelo coronavírus no mundo passam de 15 mil; casos somam mais de 350 mil; mais de 100 mil se recuperaram
  • Brasil tem, segundo Ministério da Saúde, 1.891 casos confirmados e 34 mortes
  • Canadá cancela participação na Olimpíada de Tóquio
  • Alemanha registra mais de 22 mil casos, segundo Instituto Robert Koch
  • Merkel tem teste negativo para covid-19, diz porta-voz

Transmissão encerrada. As atualizações desta segunda-feira (23/03) estão no horário de Brasília:

21:30 – França indica cloroquina apenas para pacientes em estado grave

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, anunciou que o uso da cloroquina para tratar infectados pelo novo coronavírus só é recomendado em pacientes em estado grave e que estão hospitalizados.

Entre os diversos tratamentos potenciais surgidos até o momento, a cloroquina é um dos que traz maiores esperanças, depois de testes realizados em um centro especializado em infecções de Marselha, no sul do país.

Em entrevista coletiva, o ministro explicou que o Alto Conselho de Saúde Público somente indica o uso em pacientes que estão em estado grave, sempre a partir da decisão da equipe médica e com o doente em extrema observação.

O Alto Conselho de Saúde Pública, inclusive, indicou para que os hospitais incluam o "maior número possível de pacientes" nos testes preliminares, para conhecer a eficácia.

"Há estudos clínicos importantes em andamento para identificar os tratamentos mais eficazes e para torná-los possíveis aos franceses, mas os resultados ainda demorarão alguns dias ainda. Confiemos em nossos pesquisadores, em nossos médicos", afirmou Véran.

No Hospital Universitário de Marselha, o infectologista Didier Raoult utilizou a cloroquina em 24 pacientes, com o consentimento das famílias. Destes, 75% apresentaram melhora, enquanto o restante não teve recuperação, mas também não registrou agravamento do quadro.

20:56 – Argentina oferece ajuda aos habitantes das Ilhas Malvinas

Diante da pandemia da covid-19, a Argentina, num gesto sem precedentes desde a Guerra das Malvinas em 1982, ofereceu apoio aos cerca de 4 mil habitantes das ilhas por meio do envio de alimentos, material médico e testes para o novo coronavírus, além de aceitar receber pacientes em hospitais argentinos.

 "Transmiti ao embaixador [Mark] Kent a mensagem do ministro do Exterior Felipe Solá de que, em momentos tão difíceis, a solidariedade deve ser o caminho para superar a situação provocada pelo coronavírus", informou numa nota oficial o secretário para as Malvinas, Antártida e Atlântico Sul, Daniel Filmus.

O gesto argentino não tem precedentes desde a guerra de 1982 entre a Argentina e o Reino Unido pela soberania das ilhas ocupadas em 1833 pelos britânicos. O governo britânico ainda não se manifestou.

Embora, oficialmente, ainda não existam casos confirmados do novo coronavírus no arquipélago, o governo local das Falklands, como o Reino Unido designa as ilhas, considerou que "é provável" que o vírus já ali tenha chegado.

A diretora médica das Malvinas, Becky Edwards, admitiu, na semana passada, que "as ilhas não possuem a possibilidade de testar casos da covid-19" e que "seria ideal confirmar os casos através de laboratórios", mas que às habituais demoras no envio de testes ao Reino Unido somam-se agora as interrupções nas linhas aéreas.

Se as Malvinas ficarem isoladas, a economia local sofrerá um golpe e deixará o arquipélago sem a possibilidade de retirada de pessoas para tratamentos médicos no exterior. 

20:39 – Cuba coloca turistas em quarentena

O primeiro-ministro de Cuba, Manuel Marrero, anunciou que os cerca de 32 mil turistas que estão na ilha serão colocados em quarentena em hotéis e pousadas para evitar a propagação do novo coronavírus. Eles ficarão isolados enquanto aguardam um voo de volta aos seus países de origem.

O governo proibiu ainda cubanos de deixar a ilha sem autorização ou de se deslocarem pelas províncias. Também só será permitida a entrada de residentes no país.

Cuba registrou 40 casos da covid-19. Mais de mil pessoas estão em isolamento hospitalar preventivo.

20:17 – Trump assina decreto que criminaliza estocagem de suprimentos médicos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem executiva que criminaliza a acumulação e superfaturamento de suprimentos médicos necessários para o combate ao novo coronavírus.

O procurador-geral William Barr afirmou que o Departamento de Justiça já iniciou investigações contra pessoas que estão acumulando produtos médicos de proteção, além dos níveis considerados razoáveis, e contra quem está vendendo esses itens com preços superfaturados.

Segundo Barr, a ordem executiva não lista itens específicos. "Se você tem um grande estoque de papel higiênico em sua casa, não é preciso se preocupar. Mas se você está sentando num armazém de máscaras de proteção, alguém pode bater em sua porta", disse o procurador-geral.

19:43 – Médico que coordena enfrentamento em SP está com coronavírus

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus do estado de São Paulo, David Uip, foi diagnosticado com a covid-19. O médico ficará de quarentena pelos próximos 14 dias. O anúncio foi feito pelo governador João Doria, que disse que fará também um teste, e confirmado pelo infectologista.

"Acabo de saber que meu exame deu positivo. Estou bem, febre baixa, tosse e repouso. Ficarei em quarentena por 14 dias. Espero voltar rápido as minhas atividades. Agradeço a solidariedade. Obrigado", afirmou Uip. Ele começou a sentir sintomas de gripe e fez o teste nesta segunda-feira.

19:26 – Flip é adiada para novembro

A edição deste ano da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) foi adiada para novembro devido à pandemia do novo coronavírus. Programada para entre os dias 29 de julho e 02 de agosto, a Flip ocorrerá no fim do ano, mas a data exata não foi divulgada.

"Sentimos anunciar o adiamento da Festa Literária Internacional de Paraty. O agravamento da pandemia global do coronavírus e a necessidade de distanciamento social, com duração ainda bastante incerta, levou-nos a tomar as medidas cabíveis para preservar a saúde e a segurança de todos", diz um comunicado enviado pela organização.

19:18 – EUA podem vetar voos do Brasil devido avanço nos casos de coronavírus

Os Estados Unidos podem proibir a chegada de voos e outros tipos de transportes vindos de países da América do Sul, como Brasil e Equador, em medida similar aplicada a 26 países da Europa para evitar a propagação do novo coronavírus, segundo a agência de notícias EFE.

Um funcionário do alto escalão do Departamento de Segurança Nacional americano afirmou, em entrevista coletiva virtual, que a situação está sendo avaliada em cada diferença nação. A fonte explicou que o governo dos EUA está observando o avanço do coronavírus em países como Brasil e Equador, onde "há uma aceleração" considerada significativa no número de novos casos.

18:50 – Como a Alemanha está enfrentando o impacto econômico da pandemia

Conhecida por sua disciplina fiscal, a Alemanha resolveu botar a mão no bolso para conter os impactos da pandemia de coronavírus sobre a economia. Ao todo, um pacote de ajuda anunciado nesta segunda-feira (23/03) soma 750 bilhões de euros. "Encerrar a crise vem em primeiro lugar. Ao final de tudo isso, veremos em que situação estará nosso orçamento", disse a chanceler federal Angela Merkel.

Entre as medidas anunciadas, o governo alemão ampliará a complementação de salários de quem tiver jornada reduzida, dará auxilio de até 15 mil euros a autônomos e pequenas empresas, e garantirá empréstimos a companhias.

Leia a matéria completa

18:20 – Brasil tem 1.891 casos da covid-19 confirmados

De acordo com o Ministério da Saúde, o número de casos do novo coronavírus no país chegou a 1.891 e o de mortes em decorrência da covid-19 a 34. Há registros de infecções em todos os estados.

São Paulo registra a maioria de casos (745) e de mortes (30), seguido pelo Rio de Janeiro, com 233 infecções e quatro óbitos. Os estados de Minas Gerais, Ceará, e o Distrito Federal tem mais de 100 casos do novo coronavírus confirmados.

18:00 – Avião pede para moradores ficarem em casa em Hamburgo

Em Hamburgo, um avião sobrevoou a cidade com uma faixa dizendo "fique em casa". No domingo, a Alemanha ampliou a medidas de restrição e proibiu interações que envolvam mais de duas pessoas em espaços públicos. Uma multa de até 25 mil euros (cerca de 136 mil reais) pode ser aplicada a quem desrespeitar a proibição.

17:35 – Reino Unido amplia medidas restritivas

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ampliou as medidas de restrição de movimento no Reino Unido para tentar conter o avanço do novo coronavírus. Os cidadãos poderão sair apenas para trabalhar, ir ao mercado ou ao médico e fazer exercícios em espaços públicos.

"A partir desta noite, preciso dar aos britânicos uma instrução simples, fiquem em casa. Se as regras não forem seguidas, a polícia tem poder de aplicá-las", disse Johnson, num pronunciamento transmitido na televisão.

As restrições ficam em vigor pelas próximas três semanas.

O número de mortos no país passou de 54 para 335 nas últimas 24 horas.

17:05 – Governo anuncia pacote de ajuda a estados e municípios

O presidente Jair Bolsonaro anunciou um pacote de medidas para ajudar estados e municípios a enfrentar a pandemia de coronavírus. O plano chega a 85,8 bilhões de reais e prevê transferência de 8 bilhões de reais para gastos em saúde e suspensão de dívidas com a União.

Entre as medidas estão ainda a renegociação de dívidas de estados e municípios com bancos, facilitação de crédito e transferência de 2 bilhões de reais para gastos em assistência social.

O anúncio foi feito um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) atender um pedido de São Paulo para que a União suspendesse, por seis meses, o pagamento da dívida do estado.

16:45 – UEFA adia final da Champions League

A Uefa decidiu adiar a final  da Champions League. A final do campeonato estava marcada para maio em Istambul. Com a pandemia da covid-19, os jogos foram cancelados e ainda faltam 16 partidas para a conclusão do torneio. Uma nova data ainda não foi definida. Os clubes esperam completar a temporada até o final de junho.

A Uefa anunciou ainda que a final da Europa League e da Champions League feminina, ambas marcadas para maio, também foram adiadas.

16:11 – Alemanha espera aumento da violência doméstica

A ministra da Família da Alemanha, Franziska Giffey, afirmou que restrições impostas à vida pública podem levar ao aumento da violência doméstica e pediu que autoridades locais ajudem mulheres em situação de risco.

"É ainda mais importante manter abrigos de proteção funcionando", disse Giffey.

Com as restrições de movimento e famílias passando mais tempo juntas em casa, surgiram temores do aumento da violência doméstica, principalmente contra mulheres e crianças. Estima-se que cerca de 144 mil mulheres sejam vítimas de violência doméstica na Alemanha.

15:30 - Itália vê cair número de novas infecções e mortes

A Itália registrou nesta segunda-feira um número menor de novas infecções e mortes por coronavírus em relação ao dia anterior. Autoridades do país confirmaram 4.789 novos casos em 24 horas, quase 700 a menos que o reportado no domingo, 5.560 infecções. O aumento diário nesta segunda foi de 8,1%, enquanto na véspera foi de 10,4%. Há duas semanas, estava em torno de 20%.

O número de mortes também foi menor nesta segunda-feira em relação à véspera: 602 óbitos foram notificados, elevando para 6.078 o total de vítimas no país. No domingo, foram 651 novas mortes.
Em comparação, no sábado foram 793 (um recorde) e, na sexta, 627.

Autoridades de saúde italianas, porém, alertam que é cedo para saber se o país está no início de uma tendência positiva, e ainda serão necessários alguns dias para chegar a essa confirmação. "Ainda não é hora de declarar vitória, pelo contrário, é hora de estarmos mais focados que nunca. Mas podemos ver uma luz no fim do túnel", disse Giulio Gallera, autoridade de saúde da Lombardia.

Com um total de 63.927 infecções, a Itália é o segundo país do mundo mais afetado pela pandemia, atrás da China, mas é o primeiro em número de mortos.

15:00 - Panamá confirma morte de menina de 13 anos por coronavírus

O Ministério da Saúde panamenho confirmou a morte de uma menina de 13 anos diagnosticada com a doença covid-19. A garota morreu num hospital pediátrico na Cidade do Panamá. Segundo a imprensa local, ela já sofria de uma doença cardíaca antes de contrair o vírus.

Até o momento, o país da América Central possui 313 casos confirmados do novo coronavírus em seu território. Três deles morreram.

14:40 - Alemanha já repatriou 120 mil cidadãos

O ministro do Exterior alemão, Heiko Maas, anunciou que o país já retornou 120 mil cidadãos que estavam no exterior e não conseguiam voltar para casa devido às restrições de viagem impostas em meio à pandemia. O governo estima que 80 mil alemães ainda estejam nessa situação.

A organização dos voos se tornou cada vez mais desafiadora, à medida que mais países fecham aeroportos e restringem o espaço aéreo, disse Maas. O governo alemão tem feito a repatriação por meio de parcerias com companhias aéreas privadas, mas também tem fretado seus próprios voos, trazendo para casa cerca de 10 mil alemães por dia.

Berlim agora tenta trazer de volta cidadãos presos em países como México, Nova Zelândia e Gâmbia, onde a repatriação é mais complicada logisticamente. O ministro ainda pediu melhor cooperação dentro da União Europeia para repatriar cidadãos dentro do bloco.

14:20 - Bolsonaro revoga artigo de MP que permite suspender contrato de trabalho

O presidente Jair Bolsonaro disse que mandou revogar o artigo da medida provisória (MP) que  autorizava a suspensão de contratos de trabalho por até quatro meses durante o estado de calamidade pública, decretado em razão da pandemia de coronavírus.

13:50 - Propagação do coronavírus está acelerando, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta contra o aumento no ritmo de novas infecções em todo o mundo. "Foram 67 dias desde o primeiro caso reportado até os primeiros 100 mil, 11 dias para alcançar uma segunda leva de 100 mil casos, e apenas quatro dias para os terceiros 100 mil", disse o chefe da organização, Tedros Ghebreyesus.

Ele também pediu solidariedade e que os países trabalhem juntos para combater a pandemia. "A solução desse problema requer coordenação política em nível global", afirmou. "Vou conversar com chefes de Estado dos países do G20 nesta semana."

O número de infecções confirmadas em todo o mundo ultrapassou 350 mil nesta segunda-feira, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins. Ainda segundo a contagem, mais de 15 mil pessoas morreram, e outras 100 mil se recuperaram. 

13:30 - Bolsonaro é reprovado por um terço dos brasileiros na gestão da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro tem uma avaliação pior que governadores estaduais e o próprio Ministério da Saúde quanto à gestão da crise do coronavírus, apontou uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira. Enquanto 35% avaliam o desempenho do presidente como ótimo ou bom, uma média de 54% aprova a gestão de seus governadores.

O desempenho do Ministério da Saúde é aprovado por 55%. Outros 31% o consideram regular, e 12%, ruim ou péssimo; 2% não souberam responder. Em relação a Bolsonaro, 26% dos entrevistados consideram seu desempenho como regular, e 33%, como ruim ou péssimo; 5% não sabem.

Nos estados, os governadores do Sul são mais bem avaliados por seus próprios cidadãos: 61% dos entrevistados da região aprovam o desempenho de seus governantes. No Norte e no Centro-Oeste, essa cifra é de 56%, enquanto no Sudeste é de 52%, e no Nordeste, 51%.

Atitudes do presidente também foram questionadas pelo Datafolha. Enquanto 54% discordam da declaração de Bolsonaro sobre haver uma "histeria" em torno do vírus, 34% concordam. Além disso, 68% reprovam o gesto do mandatário de cumprimentar pessoas durante um protesto pró-governo em 15 de março; 27% aprovam, e 4% não opinaram.

O instituto ouviu 1.558 pessoas em todas as regiões do país, por telefone, entre os dias 18 e 20 de março. A margem de erro é de três pontos percentuais para cima ou para baixo.

13:00 - Merkel tem teste negativo para covid-19

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, teve um primeiro resultado negativo para o coronavírus, anunciou nesta segunda um porta-voz do governo alemão. A chefe de governo, entretanto, deverá realizar novos testes.

Ela está em casa, de quarentena, desde a noite de domingo. Após uma entrevista coletiva transmitida na televisão, ela foi informada de que um médico que aplicou nela uma vacina pneumocócica na sexta-feira havia sido diagnosticado com o novo coronavírus.

A quarentena de Merkel, porém, não deixa a Alemanha sem um líder. A chanceler federal pode continuar realizando suas funções de casa, como fez na manhã desta segunda-feira, quando conduziu por telefone uma reunião com o gabinete de governo para discutir medidas para lidar com a pandemia do coronavírus.

12:50 - Curva alemã de contágios dá sinal de estabilidade

O presidente do Instituto Robert Koch (RKI), Lothar Wieler, diz estar cautelosamente otimista de que as medidas de distanciamento social adotadas na Alemanha brevemente começarão a contribuir para a desaceleração da disseminação da covid-19.

"Vemos uma tendência de leve achatamento da curva de crescimento exponencial", disse Wieler nesta segunda-feira em Berlim. Ele ressaltou, entretanto, ainda ser muito cedo para confirmar que isso esteja ocorrendo com 100% de certeza.

Wieler revelou também que o RKI vem detectando desde a segunda-feira passada uma menor mobilidade da população no país, através da avaliação de dados de celulares. "No geral, os movimentos diminuíram, mas isso ainda não é suficiente", afirmou o especialista.

Segundo o RKI, o número de infecções por coronavírus confirmadas na Alemanha é de 22.672. A contagem da Universidade Johns Hopkins fala em mais de 26 mil casos.

Portão de Brandemburgo, em Berlim, esvaziado

Portão de Brandemburgo, em Berlim, esvaziado

12:20 - Infecções globais ultrapassam 350 mil

O número de infecções por covid-19 confirmadas em todo o mundo ultrapassou 350 mil, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Segundo a contagem mantida pela universidade americana, 350.536 pessoas foram diagnosticadas com o vírus, das quais 15.328 morreram e 100.182 se recuperaram.

O país com o maior número de infecções confirmadas continua sendo a China, com 81.496; seguido pela Itália, país europeu mais afetado, com 59.138; EUA, com 35.225; Espanha com 33.089; e Alemanha, com 26.220.

11:50 - Dispara venda de armas na Hungria

A população da Hungria está estocando armas por medo de tumultos durante a crise do coronavírus. "Atualmente, estamos vendendo cinco vezes mais armas do que em um mês de março normal", diz Gabor Vass, que é dono de três lojas na capital do país, Budapeste.

"Poderíamos vender 15 vezes mais se tivéssemos mais armas para munição de borracha, mas elas estão esgotadas", lamentou. Na Hungria, as leis sobre armas de fogo são consideradas severas. Entretanto, armas de calibres menores não são consideradas pelas regras. "As pessoas ficaram loucas. Elas compram tudo para o que não precisam de uma licença: pistolas de pressão, de balas de borracha, até arco e flecha, que pode causar ferimentos graves."

11:30 - Grécia inicia quarentena

Na Grécia, entrou em vigor nesta segunda-feira uma ordem para restringir a circulação de pessoas em todo o país devido à pandemia de coronavírus. Na capital Atenas, quase não foram vistas pessoas nas ruas durante a manhã. Também o tráfego de automóveis ficou sensivelmente reduzido em relação ao dia anterior ou a uma segunda-feira normal. O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, anunciou a medida no domingo, em um discurso na televisão.

O país registrou 530 casos de coronavírus até agora, e 13 pessoas morreram. O governo já tinha determinado o fechamento de escolas, creches e universidades, além de museus, casas noturnas, bares, entre outros estabelecimentos culturais e de entretenimento. Só podem permanecer abertos supermercados, mercados, farmácias, postos de gasolina, lojas de animais, empresas de entrega de alimentos, padarias e bancos.

As pessoas ainda poderão ir a essas lojas ou ao local de trabalho, mas terão que ter seu documento de identidade e um certificado do empregador. O desrespeito à lei é passível de multa de até 150 euros.

11:00 - Frankfurt raciona venda do comércio

A cidade de Frankfurt, na região central da Alemanha, quer impedir que consumidores comprem mais do que o necessário para fazer estoque. A administração da cidade lançou nesta segunda-feira uma lei determinando que o comércio local só venda quantidades limitadas de produtos por cliente. Além disso, a regra também limita o número de pessoas que podem ficar nas lojas. Segundo o texto, ninguém pode fazer compras de supermercado com mais de um carrinho.

10:20 - Polícia prende homem por lamber equipamentos do metrô

A polícia prendeu um homem de 33 anos em Munique nesta segunda-feira, após ele lamber máquinas de venda de bilhetes, barras de apoio de passageiros e corrimão da escada rolante do metrô da cidade. Ele também filmou suas ações, divulgando os vídeos nas mídias sociais. Segundo a polícia, o suspeito disse querer espalhar a covid-19. As autoridades afirmaram que testaram o homem, que será processado por lesão corporal, e aguardam o resultado do exame.

09:50 - Wuhan flexibiliza restrições à população

Após dois meses de rigorosas medidas de isolamento devido ao coronavírus, a normalidade está retornando lentamente à China central. Em Wuhan, metrópole onde o vírus apareceu pela primeira vez em dezembro, num mercado de animais silvestres, as pessoas foram autorizadas a ir novamente ao trabalho nesta segunda-feira. O transporte público também começou lentamente a circular. Segundo as autoridades, residentes saudáveis de Wuhan podem circular livremente pela cidade, pegar o ônibus e o metrô. No entanto, eles devem se identificar.

A China novamente não registrou novas infecções por coronavírus nesta segunda-feira. No entanto, 39 novas infecções foram detectadas em pessoas que chegaram do exterior.

09:30 - Covid-19 pode custar até 729 bilhões de euros à Alemanha

As consequências da pandemia podem custar à Alemanha até 729 bilhões de euros, superando "tudo o que o país conhece em termos de crises econômicas ou desastres naturais nas últimas décadas", alerta Clemens Fuest, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica (Ifo), baseado em Munique. Um milhão de empregos podem ser perdidos.

Segundo Clemens, dependendo do cenário, a economia alemã deve encolher de 7,2 a 20,6 pontos percentuais. Isso corresponde a perdas que vão de 255 bilhões a 729 bilhões de euros. "Os custos deverão superar tudo o que conhecemos na Alemanha nas últimas décadas, desde crises econômicas a desastres naturais", afirma Clemens.

08:20 - Gabinete de governo alemão aprova pacote de ajuda sem precedentes

Para ajudar famílias, inquilinos, empregados, autônomos e empresas em meio à crise provocada pela pandemia de coronavírus, o gabinete de governo alemão aprovou um pacote de ajuda sem precedentes, que prevê um orçamento suplementar de 156 bilhões de euros. Para que a ajuda chegue rapidamente a quem precisa, as medidas devem ser votadas nesta quarta-feira no Bundestag (Parlamento alemão).

07:30 - Bolsonaro autoriza suspensão de contratos trabalhistas por 4 meses

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória permitindo a suspensão de contratos de trabalho por até quatro meses durante o período de calamidade pública, decretado em razão da pandemia de coronavírus.

Segundo o texto, o empregado deixa de trabalhar, e o empregador não paga salário. A empresa fica obrigada a oferecer curso de qualificação online aos funcionários e manter benefícios, como plano de saúde.

A medida foi publicada na noite de domingo, em edição extra do Diário Oficial, e passa a vigorar imediatamente. Ela prevê que a negociação individual entre patrões e empregados fique acima de acordos coletivos e da lei trabalhista, desde que sejam preservados os direitos previstos na Constituição.

06:50 - Harvey Weinstein diagnosticado com coronavírus, diz mídia

O ex-produtor de cinema Harvey Weinstein, de 68 anos, foi diagnosticado com covid-19. Condenado a 23 anos de prisão por estupro e abuso sexual, ele foi testado dentro de um presídio de segurança máxima no estado de Nova York, nos EUA. A informação foi divulgada pelo jornal The Niagara Gazette e pelo portal TMZ. O porta-voz de Weinstein e as autoridades responsáveis pelo sistema penitenciário local se recusaram a confirmar a notícia. Segundo o TMZ, Weinstein é um dos dois presidiários da unidade a testarem positivo para o novo coronavírus.

Ex-produtor de cinema Harvey Weinstein

Weinstein cumpre pena de 23 anos de prisão por estupro e abuso sexual

05:43 - Número de casos aumenta na Alemanha

O Instituto Robert Koch (RKI), em Berlim, informou que o número de pessoas infectadas com o coronavírus na Alemanha aumentou nesta segunda-feira para 22.672 – salto de 4.062 em relação ao dia anterior. Já a Universidade Johns Hopkins (JHU), com sede na cidade americana de Baltimore, registrou 24.873 pessoas infectadas no país. O RKI, que só leva em conta os números transmitidos eletronicamente dos estados federais e atualiza sua lista uma vez por dia, registrou 86 mortes até agora, enquanto o JHU, 94.

No entanto, o RKI ressaltou nesta segunda-feira que nem todos os órgãos transmitiram seus dados durante o fim de semana, o que faz com que o crescimento no número de casos não corresponda a um aumento real de infecções.

07:30 - Coreia do Sul confirma tendência de desaceleração de contágios

As autoridades sanitárias da Coreia do Sul registraram no país o menor número de novos casos de coronavírus desde que as taxas de infecção atingiram o pico há quatro semanas, alimentando a esperança de que a disseminação da enfermidade esteja perdendo força na região.

O país anunciou nesta segunda-feira ter registrado 64 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 8.961, com 111 mortes. Os novos dados confirmam a tendência de queda das taxas de infecções, marcando o 12° dia seguido em que o país divulga cifra de novos contágios em torno ou abaixo de 100.

08:25 - Hong Kong proíbe entrada de turistas

Hong Kong anunciou que proibirá todas as chegadas de turistas a partir de quarta-feira, após um aumento nos casos importados do vírus. O centro financeiro global confirmou 318 casos de coronavírus e quatro mortes.

Enquanto isso, Taiwan anunciou 26 novos casos nesta segunda-feira, elevando o número total de infecções registradas para 195. Todos, exceto um dos casos, foram importados por pessoas que chegaram ao país dos Estados Unidos, Espanha, Holanda, França, Suíça e Reino Unido, de acordo com uma declaração do governo.

03:15 - Canadá cancela participação na Olimpíada

O Comitê Olímpico do Canadá (COC) e o Comitê Paraolímpico do Canadá (CPC) anunciaram que não enviará atletas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio por causa da pandemia de coronavírus, caso o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o governo do Japão mantenham o evento na data originalmente programada (24 de julho a 9 de agosto). "Não se trata apenas da saúde dos atletas, mas da saúde da humanidade", afirmaram as instituições, em nota.

À sombra da covid-19 e dos riscos associados a ela, é inadequado para nossos atletas, a saúde e a segurança de suas famílias e todos os canadenses se prepararem para esta Olimpíada". O NOK australiano já pediu que seus atletas se preparassem para as Olimpíadas em 2021.

Com a pandemia, crescem os apelos de organizações esportivas para que a Olimpíada de Tóquio deste ano seja adiada. Entre os órgãos que já pediram o adiamento do evento estão a federação de atletismo dos Estados Unidos USA Track and Field, a federação de natação dos EUA, a Federação Francesa de Natação e o Comitê Olímpico do Brasil (COB).

02:43 - Japão descarta cancelamento dos Jogos Olímpicos

Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio descartam o cancelamento do evento. No entanto, um adiamento é um dos cenários a serem considerados, segundo Yoshiro Mori, presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, mostrou-se aberto a discutir o adiamento do eventos Jogos Olímpicos de Tóquio, em linha com o anúncio feito horas antes pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

"Se é muito difícil avançar com a organização dos Jogos de forma abrangente, como planejado, para dar prioridade ao bem-estar dos atletas seria inevitável debater a decisão de adiar as datas", disse o premiê, em discurso em uma sessão do Parlamento.

Abe referiu-se assim ao anúncio feito no domingo pelo COI de se dar um prazo de quatro semanas para decidir se poderá ou não cumprir as datas previstas para realizar o megaevento esportivo e, se não for possível, definir quando ele poderá ser realizado, tendo em conta o agravamento da crise global de saúde causada pelo vírus.

0:19 - Montadoras interrompem produção na Índia

Várias empresas automotivas interrompem sua produção na Índia. Além da maior fabricante de automóveis do país, Maruti Suzuki Índia, Mercedes-Benz, Fiat Chrysler, Hyundai Motor e Mahindra & Mahindra também fecharão suas fábricas na região norte de Haryana e no oeste de Maharashtra até o final de março. A Fiat anunciou que não cortaria empregos e continuaria pagando os salários de todos os funcionários. A Volkswagen também interrompeu no domingo a produção em sua planta de Pune em Maharashtra.

00:00 - Resumo dos principais acontecimentos deste domingo:

  • Merkel em quarentena após contato com infectado
  • Alemanha proíbe reunião de mais de duas pessoas em espaços públicos
  • STF destina recursos de fundo da Lava Jato para saúde
  • Número de mortes no Brasil em decorrência do novo coronavírus chega a 25
  • Rússia e Cuba enviam ajuda à Itália
  • Espanha tem quase 400 mortes e mais de 3,6 mil infecções em 24 horas

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais