Coronavírus: As últimas notícias sobre a pandemia (29/03) | Notícias internacionais e análises | DW | 29.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Coronavírus: As últimas notícias sobre a pandemia (29/03)

Brasil tem 136 mortes e 4.256 casos. Mais de 3 bilhões estão em confinamento no mundo. Alemanha tem mais de 58 mil casos de covid-19. Especialista afirma que covid-19 pode matar até 200 mil pessoas nos EUA.

Resumo deste domingo (29/03):

  • Mundo tem mais de 700 mil casos confirmados, mais de 33 mil mortes e 148 mil pacientes recuperados
  • Brasil tem 4.256 casos e 136 mortes, segundo Ministério da Saúde
  • Número diário de mortos na Espanha bate novo recorde
  • Alemanha tem 58 mil casos e 455 mortes
  • China alerta para segunda onda de infecções
  • Mais de 3 bilhões estão em confinamento no mundo

Transmissão encerrada. As atualizações estão no horário de Brasília:

18:41 - Estado de Nova York acumula quase 60 mil casos

O estado de Nova York já está perto de 60 mil casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e 1.000 mortes causadas por covid-19, segundo dados divulgados neste domingo.

O governador do estado, Andrew Cuomo, decidiu prorrogar pelo menos até 15 de abril a ordem para que todos os trabalhadores de setores não essenciais fiquem em casa.

Nas últimas 24 horas, o número de pessoas em Nova York com o novo coronavírus aumentou em 7.195, para um total de 59.513. Além disso, 965 morreram por covid-19, 237 delas desde sábado, o maior saldo diário desde que a pandemia chegou ao estado.

De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, que contabiliza infecções por coronavírus em todo o mundo, os EUA têm pouco mais de 136  mil casos confirmados e 2.409 mortes pela doença.

Do total de mortos em Nova York, cerca de um quarto era de pessoas que viviam em lares para idosos, disse Cuomo.

18:07 - Equador tem 57 mortes e 1.890 infectados

O Ministério de Saúde Pública do Equador anunciou neste domingo que o país alcançou a marca de 1.890 infectados pelo novo coronavírus e de 57 mortes.

Com relação ao boletim divulgado ontem, houve aumento de nove óbitos, enquanto os contágios subiram em 60.

A província litorânea de Guayas, no sudoeste do país, segue sendo a mais afetada, com 1.376 casos. A segunda é Pichincha, na região andina, com 171, seguida por Los Ríos, com 60.

17:11 – Brasil tem 136 mortes e 4.256 casos

Novo balanço do Ministério da Saúde divulgado neste domingo aponta que o Brasil identificou 4.256 casos de covid-19 e registrou 136 mortes. O balanço acrescentou 22 mortes e 352 novos casos em relação ao sábado.

O estado de São Paulo concentra a maior parte dos casos, com 1.451 no total e 98 mortes. O Rio de Janeiro vem em seguida, com 600 e 17 mortes.

Com base nos casos já identificados no país, o ministério apontou uma letalidade de 3,2%. No sábado, o aumento em relação ao dia anterior havia sido de 487 casos.

Os números incluem apenas pessoas cujos resultados dos testes apresentaram resultado positivo. Os dados não consideram casos suspeitos.

16:00 - França registra mais 292 mortes; mais de 4 mil doentes estão em UTIs

A França registrou 292 novas mortes por coronavírus, elevando o total para 2.606 desde que a primeira foi registrada em fevereiro, disse o diretor do serviço nacional de saúde do país, Jerome Salomon. Mais três mortes foram registradas em departamentos ultramarinos da França – Guadalupe e Martinica.

No sábado, foram registradas 319 mortes no país, que conta ainda com cerca de 38 mil pessoas que testaram positivo para covid-19.

 Entre os quase 19. mil pacientes atualmente hospitalizados na França metropolitana, 4.632 estão em terapia intensiva, disse Salomon.

15:15 – Especialista afirma que coronavírus pode matar até 200 mil pessoas nos EUA

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA e membro da força-tarefa montada pelo presidente americano Donald Trump para lidar com a pandemia, afirmou neste domingo que entre 100 mil e 200 mil pessoas podem morrer nos Estados Unidos vítimas da covid-19.

"Em função do que vemos hoje, diria que entre 100 mil e 200 mil", afirmou o doutor Fauci ao canal CNN sobre o possível número de mortes. Ele também citou "milhões de possíveis casos".

Präsident Donald Trump und Dr. Anthony Fauci (Imago Images/Media Punch/O. Contreras)

Trump e Anthony Fauci

Cauteloso, o diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas recordou, no entanto, que os modelos sempre são baseados em diferentes hipóteses.

"Apresentam o pior e o melhor cenário. E geralmente a realidade fica em algum ponto intermediário", explicou.

"Entre as doenças com as quais já trabalhei, nunca vi um modelo em que aconteça o pior dos casos. Sempre são superestimadas", completou.

Fauci também disse que só apoiaria o afrouxamento das medidas de distanciamento social em áreas menos atingidas se mais testes forem aplicados para monitorar esses locais.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, cujo balanço é usado como referência, até o momento os Estados Unidos registram mais de 125 mil casos positivos do novo coronavírus, o maior número no mundo em apenas um país.

O número de mortes, 2.191, quase dobrou desde quarta-feira.
De acordo com as projeções da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, o pico da epidemia acontecerá em meados de abril nos Estados Unidos, com um número de mortes que pode se aproximar de 80 mil a partir de junho, seguindo a trajetória.

14:20 - Itália registra mais 756 mortes

O número de mortes na Itália devido ao novo coronavírus chegou aos 10.779, um aumento de 756 óbitos nas últimas 24 horas. Também foram contabilizados 5.217 novos infectados, elevando o total para 97.472. O número de pessoas que se recuperaram da doença subiu para 13.030.

O número de mortes decresceu pelo segundo dia seguido. No sábado, o país registrou 889 óbitos. Na sexta-feira, o dia mais mortífero até o momento, foram 919. O número de vítimas, de longe o mais alto do que qualquer país do mundo, representa mais de um terço de todas as mortes pelo vírus no planeta. Já o número de novas contaminações registrado neste domingo é o menor desde quarta-feira, mas ainda assim aponta que a tendência de redução tem sido lenta. No sábado, foram registrados 5.974 novos casos.

A Lombardia, região mais afetada do país, o número de mortos subiu em 416 na comparação com o balanço de ontem, elevando o total para 6.360. 

12:45 – Após Mandetta defender isolamento, Bolsonaro visita comércio em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro visitou na manhã deste domingo (29/03) vários estabelecimentos comerciais na região de Brasília, provocando aglomerações e desafiando as restrições impostas pelo governo do Distrito Federal para conter a circulação de pessoas.

O presidente ainda publicou vídeos das visitas em suas redes sociais. Neles, é possível ouvir comerciantes e camelôs falando que "querem trabalhar" – falas afinadas com o discurso de Bolsonaro, que vem defendendo uma "volta à normalidade" e atacando medidas amplas de isolamento impostas por governadores, apesar da pandemia de coronavírus.

Ao longo da manhã, o presidente parou com seus seguidores em uma farmácia, uma padaria e uma mercearia em Brasília. Em todos os locais, falou com funcionários e tirou fotos com apoiadores. Bolsonaro ainda visitou rapidamente o Hospital das Forças Armadas (HFA).

Leia a notícia completa

12:15 – Pianista Igor Levit luta online contra a solidão do coronavírus

Há quase duas semanas, o ritual se repete para milhares que estão de castigo em casa por causa do novo coronavírus: às 19h00 (15h00 em Brasília) em ponto aparece na tela do smartphone uma sala-de-estar, inicialmente vazia. Ao fundo veem-se um piano de cauda e uma pintura. Alguns segundos mais tarde, entra no enquadramento o anfitrião, o pianista Igor Levit.

Sempre de preto, mas com roupas casuais e descalço ou de meias, o teuto-russo senta-se ao piano. "O apartamento dele certamente tem assoalho aquecido", comenta imediatamente um dos seguidores do live stream.

"Bem, meus caros, hoje vou de novo tocar Beethoven para vocês: Sonata para piano nº 17. Espero que o Twitter não caia desta vez", comenta Levit, e conta brevemente, em duas línguas, por que essa obra de 1801, também denominada "A tempestade", realmente era e é revolucionária.

Leia a matéria completa

12:00 – Opinião: Cingapura é exemplo na luta contra covid-19

O surto de coronavírus virou o mundo de cabeça para baixo. Países europeus democráticos e "livres", como a Áustria, confinaram seus cidadãos e consideram rastrear seus telefones, enquanto, ironicamente, cidadãos de Estados asiáticos "não livres", como Cingapura, desfrutam mais liberdade do que em qualquer país europeu ocidental nas últimas semanas. Apesar de seus laços econômicos e geográficos com a China, Cingapura conseguiu manter baixos os números de infecções com o coronavírus, e a vida pública permaneceu quase inalterada. A Europa poderia ter aprendido com isso.

Embora Cingapura seja vulnerável, enquanto hub global densamente povoado, até o momento o país insular registrou apenas 404 casos de covid-19 e duas mortes. Coincidindo com o Ano Novo Chinês, o novo coronavírus poderia ter sido catastrófico para a pequena cidade-Estado.

Leia a opinião completa

11:50 – Cinco mitos sobre a covid-19

Enquanto autoridades de saúde do mundo todo trabalham para conter a pandemia, informações falsas circulam na internet, dando orientações sem qualquer comprovação científica. Comer alho ajuda? O calor mata o novo coronavírus? Desmentimos alguns destes mitos.

11:30 – Noruega realizará testes em massa

A Noruega anunciou que pretende realizar testes em massa para o novo coronavírus, repetindo um exemplo da Islândia. Segundo a emissora pública NRK, os exames ajudaram autoridades a fazer um perfil abrangente do número de infecções no país.

Com 5,4 milhões de habitantes, a Noruega registrou 4.054 casos da covid-19 e 25 mortes.

11:00 – Mais de 3 bilhões estão em confinamento no mundo

Mais de 3,3 bilhões de pessoas, quatro em cada dez habitantes do mundo, estão confinadas em 78 países num esforço global para conter a propagação do novo coronavírus, segundo um levantamento da agência de notícias AFP.

De acordo com a AFP, 43% da população global, estimada pelas Nações Unidas em 7,79 bilhões em 2020, foi "obrigada ou aconselhada" a ficar em casa pelas autoridades de seus respetivos países ou territórios autônomos. 

A maior parte dessas pessoas, pelo menos 2,45 bilhões, vive em 42 países que impuseram o confinamento obrigatório, com risco de sanções se não respeitarem a medida. A proibição de circulação foi adotada por nações em todos os continentes.

10:50 – Presidente do COI garante que atletas terão vagas mantidas em Olimpíadas

O alemão Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), garantiu, por meio das redes sociais, que os atletas classificados para os Jogos de Tóquio, que foram adiados em um ano por causa da covid-19, não serão afetados pela medida.

"Está claro que aqueles atletas que se classificaram para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 seguem classificados", escreveu o dirigente. "Isso é uma consequência, de fato, de que os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, de acordo com o Japão, seguirão sendo os Jogos da Olimpíada", completou.

O COI, logo após o anúncio do adiamento, feito na última terça-feira, disse que, oficialmente, o evento continuará levando o ano de 2020 em toda a comunicação e materiais, inclusive medalhas, mesmo sendo disputados em 2021.

A data para que as disputas aconteçam ainda não está definida. Inicialmente, o próprio Bach falou do verão do hemisfério norte, ou seja, entre junho e setembro. Nos últimos dias, no entanto, aumentou a tendência de que aconteça no outono, entre março e abril.

10:30 – Papa pede que autoridades do planeta evitem tragédias em prisões

O papa Francisco cobrou neste domingo que as autoridades ao redor de todo planeta tomem medidas para evitar tragédias nas prisões, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 31 mil pessoas.

A fala foi parte da Oração do Angelus, celebrada no Palácio Apostólico.

O líder da Igreja Católica dedicou a celebração a todas as pessoas que, no atual momento, precisam viver em espaços com outras, como asilos, quartéis, e também aproveitou para mencionar os detidos e presos, citando uma informação de organização de direitos humanos que aponta para uma possível tragédia entre encarcerados.

Por isso, Francisco pediu que as autoridades "sejam sensíveis a esse grave problema e adotem as medidas necessárias para evitá-lo".

Papa Francisco

Oração do Angelus é transmitida da biblioteca do Palácio Apostólico

A Oração do Angelus, já faz três semanas, é realizada na biblioteca do Palácio Apostólico. A celebração é transmitida pelos canais oficiais do Vaticano e distribuído para diversas emissoras de televisão do planeta.

Habitualmente, o rito acontecia na Praça de São Pedro, com grande presença de público, que foi restrito devido à propagação do coronavírus.

10:00 – Luftwaffe busca pacientes na Itália e França

Dois aviões da Luftwaffe (Força Aérea Alemã) partiram para a Itália e França, de onde transportarão pacientes com a covid-19 que receberão tratamento na Alemanha. Da região italiana de Bergamo, serão trazidos seis pacientes para vários hospitais alemães. De Estrasburgo, virão dois franceses em estado grave.

09:40 – Premiê britânico admite restrições sociais mais duras se houver pedido de especialistas

Depois de inicialmente minimizar o novo coronavírus, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou neste domingo que a crise da covid-19 "vai piorar antes de começar a melhorar" no Reino Unido e admitiu estar disposto a aplicar medidas mais duras para combater o surto se a comunidade médica e científica assim indicar.

Numa carta enviada às famílias britânicas publicada na imprensa local, Johnson, que está em quarentena após ser diagnosticado com a covid-19, diz que não hesitará em ir mais longe nas medidas de confinamento social impostas.

"Estamos colocando em prática os devidos preparativos e, quanto mais cumprirmos as regras, menos vidas serão perdidas e mais cedo a vida voltará ao normal", pontuou na mensagem.

O número de mortes pelo vírus chegou a 1.019 no Reino Unido e o de casos já passou de 17 mil. Especialistas esperam que essas taxas continuem a crescer nas próximas semanas, antes de se começarem a sentir os efeitos das medidas de distância social e confinamento aplicadas.

O primeiro-ministro britânico também se referiu à pandemia como um "momento de emergência nacional" e reconhece que a crise terá um impacto econômico em todas as famílias, embora acrescente que o governo ajudará como puder. Ele agradeceu ainda o trabalho dos médicos, enfermeiros e outros trabalhadores cruciais nesta crise, bem como o das centenas de milhares de cidadãos que se ofereceram para ajudar os mais vulneráveis.

09:10 – Holanda ordena recall de máscaras de proteção da China

Em meio à pandemia de covid-19, o governo da Holanda ordenou a retirada de circulação de cerca de 600 mil máscaras de proteção de um lote de 1,3 milhão que foram compradas da China. Segundo as autoridades, as peças não cumpriam os padrões de qualidade.

As máscaras defeituosas já haviam sido distribuídas a vários hospitais que tratam pacientes com o novo coronavírus, segundo a imprensa holandesa. O resto do lote, que chegou em 21 de março, ainda estava sob controle do Ministério da Saúde do país.

Leia a notícia completa

08:16 – Análise: Medidas fracas para salvar economia na crise do coronavírus

O ministro da Economia, Paulo Guedes, desfruta da estima de investidores e empresários por sua competência e pelas diretrizes claras com as quais ele deseja reformar o Estado e a economia. Mas agora, em meio à crescente crise da pandemia de covid-19, Guedes e seus funcionários estão atrasados, pálidos e confusos.

Quando as infecções aumentaram duas semanas atrás, Guedes declarou com indiferença ao Congresso que apenas a reforma tributária e as privatizações poderiam alavancar agora a economia, se recusando a elaborar um plano de emergência.

Leia a análise completa

07:52 – Número diário de mortos na Espanha bate novo recorde

Entrando na terceira semana de quarentena, a Espanha registrou, em 24 horas, 838 óbitos em decorrência do novo coronavírus, batendo um novo recorde diário. O total de mortos no país chegou a 6.528.

Houve, porém, uma redução no registro diário de novas infecções. Em 24 horas foram contabilizados 6.549 novos casos da covid-19, pouco mais de 1,6 mil a menos do que no dia anterior.

Desde o início da pandemia, o país registou um total de 78.797 casos de covid-19. Mais de 14 mil pacientes já tiveram alta e são considerados como curados.

07:00 – Mais de 160 mil turistas alemães foram repatriados devido à pandemia

Segundo o Ministro do Exterior alemão, Heiko Maas, mais de 160 mil turistas alemães que estavam no exterior foram repatriados devido à pandemia do novo coronavírus. O ministro agradeceu a todos os envolvidos nesta missão e pediu paciência aos alemães que ainda aguardam para retornar ao país.

O governo alemão estima que ao todo cerca de 200 mil alemães que estavam ou ainda estão no exterior, a grande maioria turista, manifestaram o desejo de regressar à Alemanha.

06:30 – Número da casos na Alemanha passa de 50 mil

De acordo com o Instituto Robert Koch (RKI), o número de casos confirmados do novo coronavírus chegou neste domingo a 52.547. Em 24 horas, foram registrados no país 3.965 novas infecções. Houve ainda 64 mortes, com o número de mortos ficando em 389.

Em entrevista ao jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, o diretor do RKI Lothar Wieler afirmou que o sistema de saúde alemão corre o risco de atingir os seus limites durante a pandemia. Os estados da Renânia do Norte-Vestfália, Baviera e Baden-Württemberg continuam os mais afetados.

"Temos que contar com o fato de que as nossas capacidades podem não ser suficientes", disse Wieler. Sobre as diferenças nas taxas de letalidade, registradas na Alemanha e na Itália, o diretor salienta que se deve, sobretudo, ao grande número de testes realizados no país.

05:17 – China alerta para segunda onda de infecções

O aumento do número de casos do novo coronavírus importados na China pode resultar numa segunda onda de infecções no momento "em que as transmissões domésticas forem paradas", afirmou uma porta-voz da Comissão Nacional de Saúde chinesa.

"A China já tem um total de 693 casos importados, o que significa que o risco de uma nova rodada de infecções permanece relativamente grande", disse a porta-voz.

No sábado, foram notificados 45 novos casos no país, todos em pacientes que vieram de outros países. Foram nove infecções a menos do que as registradas na sexta-feira. A maioria dos casos importados é de chineses que estão retornando para casa do exterior.

02:00 – Número de mortes nos EUA passa de 2 mil

O número de mortes causadas pela pandemia de coronavírus nos Estados Unidos chegou a 2.010, segundo a contagem da Universidade Johns Hopkins. O país tem ainda 121.117 casos confirmados da covid-19.

As taxas de mortalidade nos Estados Unidos são, no entanto, inferiores às verificados na Itália (mais de 10 mil óbitos) e de Espanha (quase 6 mil).

Depois de cogitar colocar os três estados do país mais afetados pela pandemia, Nova York, Nova Jersey e Connecticut, o presidente Donald Trump desistiu da medida. Ele pediu, no entanto, ao Centro de Controle de Doenças (CDC), a autoridade nacional de saúde, para emitir um aviso "firme" para dissuadir as entradas e saídas desses estados, mas sem fechar as fronteiras.

01:00 – Bebê morre nos EUA em decorrência da covid-19

Um bebê com menos de um ano morreu nos Estados Unidos vítima de covid-19, anunciaram as autoridades do Estado de Illinois. Não foi informado se a criança sofria de outras doenças.

Os Estados Unidos são o novo epicentro da pandemia, com mais de 120 mil casos registrados e 2 mil mortes.

00:00 – Resumo dos principais acontecimentos de sábado (28/03):

  • Itália tem mais de 10 mil mortos, cifra mais alta em todo o mundo
  • Alemanha diz que pretende manter medidas restritivas até pelo menos 20 de abril
  • Espanha registra novo recorde diário de mortes, com 832 vítimas em 24 horas
  • Portugal vai tratar estrangeiros como residentes permanentes durante a crise

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais