Coreia do Sul exige ″claras desculpas″ da Coreia do Norte | Notícias internacionais e análises | DW | 24.08.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Coreia do Sul exige "claras desculpas" da Coreia do Norte

Presidente sul-coreana, Park Geun-Hye, exige que Pyongyang assuma responsabilidade por explosões de minas que feriram dois soldados. Enquanto não houver retratação, Seul não desativará alto-falantes na fronteira, diz.

Park Geun-Hye, presidente da Coreia do Sul

Park Geun-Hye, presidente da Coreia do Sul

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye, afirmou nesta segunda-feira (24/08) que Seul não vai desativar os alto-falantes que difundem propaganda na fronteira com a Coreia do Norte enquanto Pyongyang se recusar a pedir desculpa pelas explosões de minas que feriram dois soldados sul-coreanos.

Park afirmou, durante reunião com assessores, que a Coreia do Norte deve apresentar "claras desculpas" e prometer não se envolver em "novas provocações". A chefe de Estado acrescentou que Pyongyang desencadeou a atual crise com as suas "atividades provocadoras".

As duas Coreias realizam, desde o último sábado, uma maratona de conversas visando evitar uma escalada das tensões na península. As reuniões, entre funcionários de alto nível, ocorrem na fronteiriça Panmunjom, onde foi assinado o cessar-fogo da guerra de 1950-1953.

A atual crise começou depois de dois soldados sul-coreanos terem ficado feridos após a explosão de minas, incidente pelo qual Seul responsabiliza Pyongyang. O governo norte-coreano nega ter colocado as minas na zona desmilitarizada entre os dois países.

Em represália, a Coreia do Sul voltou a ligar, na semana passada, alto-falantes que difundem mensagens de propaganda na fronteira, depois de 11 anos de silêncio.

A tensão foi acirrada na quinta-feira, quando Seul acusou Pyongyang de disparar contra uma das suas unidades militares e respondeu com disparos de artilharia na direção do Norte.

A Coreia do Norte negou qualquer implicação no incidente das minas e lançou um ultimato a Seul, ameaçando represálias militares, caso o vizinho do sul não suspenda sua "guerra psicológica".

Os dois países continuam, tecnicamente, em estado de guerra desde o conflito na década de 1950, devido à inexistência de um tratado de paz.

MD/lusa/rtr

Leia mais